fbpx

Finis Hominis (1971)

Sinopse

Um homem completamente nu emerge do mar e caminha tranquilamente pelas ruas da cidade, causando espanto geral e interferindo de várias maneiras em episódios cotidianos, sempre em busca de justiça. Por acaso, evita o rapto de uma criança e a mãe da menina, em reconhecimento, leva-o para casa e lhe dá uma roupa, que ele mesmo escolhe dentre muitas – uma fantasia. Fantasiado, continua sua caminhada pelas ruas, chamando novamente sobre si a atenção de todos que o tomam como um novo Cristo. Assumindo o nome Finis Hominis (O Fim do Homem em latim), ele é tido pela população como um messias moderno, capaz de operar milagres. As ‘curas’ e os ‘milagres’ que realiza não passam de coincidência. Muitos julgam que é um enviado de Vênus ou de Marte. Um dia, ao passar por uma rua, vê pessoas desrespeitando uma prostituta e acode em sua defesa. De outra vez, salva um jovem atacado de catalepsia, de ser enterrado vivo. Os dois passam a ser seus maiores seguidores, ao lado de um bando de hippies. Por fim, o homem sobe ao cume de uma montanha para proferir um sermão. Em todos os lares as famílias estão reunidas em torno dos televisores para escutá-lo. O sermão é uma mensagem de paz, e a imagem do homem multiplica-se milhares de vezes através do vídeo.

Elenco

José Mojica Marins …. Zé do Caixão
Sodré, Tereza (Madalena)
Rodrigues, Roque (Lázaro)
Lima, Mario (Amante)
Bryan, Andreia (Ninfômana)
Carlão
Tucci, Cláudia
Graveto
Delta, Margareth
Almeida, Alfredo de
Maron, Taluana
Soares, Célia
Beibe, Ronaldo
Marco, José Américo de
Gabriel, Jandira
Beicard, Neila
Jacob, Enomar
Deus, Waldomiro de
Guiomar
Carlos, Toni
Lins, Janes
Ribas, Lurdes
Lopes, José
Big Boy
Maragnone, Ivone
Luiza, Maria
Ferreira, José
Maron, Afonso
Moraes, Bismael
Assunção, Ângelo
Silva, Roberto
Francisco, Silvio
Bondesan, Roberto
Antonio, José
Moreira, Paulo
Ferreira, Adalberto
Maner, Paulo
Antoninho

Participação especial:
Maldonado, Rosângela

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Finis Hominis (1971) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: José Mojica Marins
Roteiro: Rubens Luchetti e José Mojica Marins
Continuidade: Leyart, Nilcemar
Produção: Bittencourt, Marciano Bley
Direção de produção: Lima, Mário
Assistência de produção: Oliveira, Nicanor de
Direção de fotografia: Attili, Giorgio
Assistência de câmera: Roveda, Virgílio; Lima, Nivaldo
Chefe eletricista: Duckats, Harrys
Assistente de eletrecista: Fonseca, Amauri
Técnico de som: Cabalar, Júlio Peres; Martins, Sérgio
Montagem: Leme, Roberto
Cenografia: Graveto
Contra-regra/acessórios de cenografia: Renato, Luiz
Companhia Produtora: Multifilmes S.A.
Companhia Distribuidora: Multifilmes S.A.

Bibliografia

Fontes de Referência:

Fontes utilizadas:
CB/Transcrição de letreiros-Cat
ALSN/DFB-LM
AB-IF/MALDITO

Fontes consultadas:
CB/EMB-110.1-00020
LFM/DCB

Livros:

BARCINSKI, André; FINOTTI, Ivan. Maldito: a Vida e o Cinema de José Mojica Marins, o Zé do Caixão. São Paulo: Editora 34, 1998.

Internet:

ANCINE. Disponível em: http://sad.ancine.gov.br/obrasnaopublicitarias/pesquisarCpbViaPortal/pesquisarCpbViaPortal.seam, acesso em: 08.03.2018.
CINEMATECA BRASILEIRA. http://www.cinemateca.org.br/

Observações:
Material examinado, na ponta, apresenta a seguinte informação: “Multi Filmes ‘FINIS HOMINIS’ Líder S.P. 18.5.71”.
Letreiros iniciais indicam a “participação geral dos componentes da Magistral Promoções Artísticas Ltda.” no elenco. Indicam, também, <Índio> como pseudônimo de .
Letreiros finais apresentam a seguinte mensagem: “Se existe: há uma razão de existir”.
ALSN/DFB-LM indica argumento de ; como dublador de ; e como diretor de fotografia. Indica, também, 79 minutos de duração e a produção realizada entre 1970 e 1971.
LFM/DCB informa a produção da NTM Filmes.
AB-IF/MALDITO indica 79 minutos de duração.
Guia de Filmes, 36 indica: tempo de projeção 81 min. e tempo de projeção original 90 min..

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.