fbpx

Genézio de Barros

Biografia

FOTO Genezio de BarrosGenézio de Barros, também grafado Genésio de Barros, é um ator brasileiro nascido em Taquaritinga (SP) no dia 11 de junho de 1950. Formou-se pela Escola de Artes Dramáticas (EAD) da USP.

A formação de ator desse paulista de Taquatiringa, que mora em São Paulo desde 1978, vem do teatro. Desde que se formou pela Escola de Artes Dramáticas (EAD-USP), contabiliza mais de 40 peças. Entre seus últimos espetáculos estão Longa Jornada De Um Dia Noite Adentro, de Eugene O’Neill, Ianov, de Tchekov, montagem do Grupo Tapa e Inimigos de Classe, de Nigel Willians, direção de Márcio Aurélio. Com esses dois últimos, conquistou o Prêmio Mambembe de Melhor Ator.

Em 1996, fez sua primeira novela, Rei do Gado, como Mauriti, depois tem passagens pela TV Bandeirantes e SBT, retornando à Globo em 2005 para participar da minissérie Mad Maria, depois Bang-Bang (2006); O Profeta (2007), como Padre Olavo; Sete Pecados (2007) e Paraíso (2009), como Alfredo Modesto; e Ademir Ramirez em A Dona do Pedaço..

Como ator, Genézio de Barros ganhou o grande público por seu elogiado trabalho em A Favorita, seu melhor momento, como o velho Pedro Pereira da Silva, pai da vilã Flora (Patrícia Pillar). Compôs o personagem de forma tão convincente que aparentava ser um senhor de 70 anos. Antes de toda a visibilidade conquistada no horário nobre da Globo, ele havia participado de outras produções da emissora: Mad Maria, Bang bang e O Profeta. Na Band, atuou na versão de 1999 de O Meu Pé de Laranja Lima e no SBT participou de Amor e Ódio.

Estreou no cinema em 1976 no curta O Engano. Seu primeiro filme importante foi Eles não Usam Black-Tie (1981), sucesso de Leon Hirszman. Retornou somente em 1998 para um grande desempenho em Ação Entre Amigos, do cineasta paulista Beto Brant; e retomou sua carreira cinematográfica nos filmes Quase Nada (2000), de Sérgio Resende, pelo qual recebe vários prêmios de melhor ator, Achados e Perdidos (2005) e Os Desafinados (2008).

Em 2018, estreou o monólogo O Monstro inspirado em um conto de Sérgio Sant’Anna. onde interpretou o filósofo Antenor Lott Marçal, dirigido por Hugo Coelho.

Filmografia

2020 :: O Braço Direito
2014 :: Permanência
2009 :: Intruso …. Joel
2008 :: Os Desafinados
2007 :: Olho de Boi
2006 :: Achados e Perdidos …. Monteiro
2004 :: Onde anda você?
2004 :: Viva Voz …. Francisco
2004 :: Cada um com Seus Problemas (CM)
2001 :: Bellini e a Esfinge
2001 :: A História Real (CM)
2001 :: Disfarce Explosivo (voz)
2000 :: Quase Nada …. Ademir
1998 :: Ação Entre Amigos …. Osvaldo
1992 :: Modernismo: Os Anos 20 (CM)
1981 :: Eles Não Usam Black-Tie
1980 :: Desespero (CM)
1978 :: O Artesão de Mulheres
1976 :: Engano (CM)

Prêmios

:: Melhor Ator do Festival Internacional de Cinema de Chicago pelo filme Ação Entre Amigos;
:: Melhor Ator do Festival de Natal pelo filme Quase Nada;

Bibliografia

Livros:

SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Genézio de Barros. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/genezio-de-barros/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

Um comentário em “Genézio de Barros

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.