fbpx

Giulia Gam

Biografia

Giulia Gam é uma atriz brasileira, mas nascida em Perugia, na italia, no dia 28 de dezembro de 1966, por ocasião da realização de um curso do pai, José Carlos Gam.

Criou-se em São Paulo. Sua biografia registra uma respeitável carreira teatral, tendo começado aos dezesseis anos, através do diretor Antunes Filho, que a selecionou para uma montagem de Romeu e Julieta, em 1984. Com a companhia teatral de Antunes, viajou numa grande turnê pela Austrália, Europa, Estados Unidos e Israel.

Depois que esta se dissolveu, viajou para Paris, onde encontrou Peter Brook, que a motivou a continuar com a sua carreira. Em janeiro de 1987, de volta ao Brasil, junta-se no elenco da peça de Jean Racine, Fedra, convidada por Fernanda Montenegro. Trabalharia ainda com importantes diretores do teatro, entre os quais se destacam José Celso Martinez e Gerald Thomas.

No teatro também atou nas peças Álbum de Família, Macunaíma e Toda Nudez Será Castigada.

Sua imagem ficou conhecida em todo o Brasil em 1986, fazendo comerciais da Telesp e seu rosto bonito e saudável conquistou o país.

Estreou na TV Globo em 1987, quando foi convidada pelo diretor Roberto Talma para participar dos 15 primeiros capítulos da novela Mandala, como a protagonista Jocasta, em sua fase ainda jovem. Posteriormente, a personagem já mais madura, seria vivida pela atriz Vera Fischer.

No ano seguinte, protagonizou a minissérie O Primo Basílio, onde interpretou a jovem Luísa, contracenando com Marília Pêra, que viveu a perversa Juliana, e Tony Ramos, no papel de Jorge.

Em seguida, participou da novela Que Rei Sou Eu? (1989), que reuniu grandes nomes da televisão: Tereza Rachel, como a rainha Valentine; Antônio Abujamra, como o bruxo Ravengar; Marieta Severo, como Madeleine; e Daniel Filho, como Bergeron Bouchet, entre outros.

Dois anos depois, em 1991, fez uma participação especial na novela Vamp, no papel de uma vampira roqueira, baixista do conjunto liderado por Natasha, de Cláudia Ohana.

Em 1993, foi escalada para interpretar Linda Inês, a protagonista de Fera Ferida. Entre 1995 e 1996 esteve no elenco principal das séries A Comédia da Vida Privada e A Vida Como Ela É…, baseadas, respectivamente, nas crônicas de Luís Fernando Veríssimo e Nelson Rodrigues. Em 1998, protagonizou a minissérie Dona Flor e Seus Dois Maridos, em que a sua personagem, Florípedes Paiva (Dona Flor), vivia um triângulo amoroso com as personagens de Edson Celulari e Marco Nanini.

Voltou às novelas em uma participação na novela A Padroeira, de 2001. Sua personagem, a vilã Antonieta, chegava à trama, já com uma boa frente de capítulos, para atrapalhar a vida dos protagonistas vividos por Deborah Secco e Luigi Baricelli.

Após dez anos sem participar de uma novela inteira, integrou o elenco de Mulheres Apaixonadas (2003), na pele de Heloísa, uma mulher obsessiva e muito ciumenta. Sua atuação obteve grande reconhecimento do público, abordando problemas relacionados a crises conjugais e apresentando ao telespectador o grupo de auxílio Mada (Mulheres que Amam Demais Anônimas), criado nos moldes dos Alcoólicos Anônimos.

Em 2005, após mais dois anos e meio sem fazer novelas, retornou ao vídeo em Bang Bang, onde despontou como a sedutora Vegas Locomotiv, que inicialmente na trama era apenas uma cafetina engraçada e depois viria a tornar-se uma vilã fria e cruel. Participou dos primeiros capítulos de Eterna Magia. Em 2008, participou de A Favorita, no papel de Diva Palhares, uma mulher que abandona o marido e o filho, para fugir com um outro homem e acaba presa por tráfico internacional de armas. Após cumprir pena, seu único objetivo é ter o perdão da família.

Estreou no cinema em 1983, no curta-metragem Do Outro Lado da Rua. Atuou também em O País dos Tenentes (1987), Miramar (1997) e mais recentemente em A Dona da História (2004) e A Guerra dos Rocha (2008). Fez muito cinema, entre curtas e longas-metragens, num currículo há muito já respeitável, com mais de vinte filmes.

Teve participação ativa também em programas de sucesso como Comédia da Vida Privada (1995/1996), A Vida como ela É (1996), Você Decide (1992/1999), Os Normais (2001/2002), A Grande Família (2002), A Diarista (2004/2005), Eterna Magia (2007), como Regina, e A Favorita (2008), como Diva, e Força Tarefa (2009).

Foi casada com o jornalista Pedro Bial, com quem teve um filho, Théo, nascido em 1998, e que foi alvo de disputa judicial por sua guarda por muito tempo.

Filmografia

2011 :: Assalto ao Banco Central
2010 :: Chico Xavier – O Filme …. Rita
2008 :: A Guerra dos Rocha …. Júlia
2006 :: Árido Movie …. Soledad
2006 :: O Passageiro – Segredos de Adulto
2005 :: Pobres-diabos no paraíso (CM)
2004 :: A Dona da História …. Mãe da Carolina
2004 :: Luíza Passou por Aqui (CM)
2003 :: O Preço da Paz …. Baronesa do Serro Azul
2003 :: Oswaldo Cruz – O Médico do Brasil
2003 :: Sexualidades (CM)
2002 :: Isabella Trouxe Alguns Amigos – episódio II – O Casal dos Olhos Doces (CM)
2002 :: O Teatro Segundo Antunes Filho
1999 :: Outras Estórias …. Maria Exita
1999 :: Tiradentes …. Marília de Dirceu
1998 :: Policarpo Quaresma, Herói do Brasil …. Olga
1997 :: Miramar …. Rolah
1996 :: Nos Tempos do Cinematógrafo (CM)
1995 :: O Mandarim
1995 :: Sábado …. Castings
1992 :: Oswaldianas (Episódio: Quem Seria o Feliz Conviva de Isadora Duncan?)
1991 :: A Grande Arte …. Gisela Martins
1988 :: Fogo e Paixão
1987 :: Besame Mucho
1987 :: O País dos Tenentes
1987 :: Aurora (CM)
1986 :: Olhar Eletrônico
1986 :: Ondas (CM)
1986 :: A Cor da Luz (CM)
1983 :: Do Outro Lado da Rua (CM)

Bibliografia

Fontes de Referência

Livros:

ALMEIDA, Paulo Sérgio; OLIVEIRA, José Maria de. (org.). Quem é Quem no Cinema. Rio de Janeiro: Iluminuras, 2003.
SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

FILMEB. Giulia Gam. Disponível no endereço: http://www.filmeb.com.br/
HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Giulia Gam. Disponível no endereço: http://historiadocinemabrasileiro.com.br/giulia-gam/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

3 comentários sobre “Giulia Gam

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.