fbpx

Haroldo Costa

Biografia

Haroldo Costa é um jornalista, escritor, produtor cultural e ator brasileiro nascido no Rio de Janeiro (RJ) no dia 13 de maio de 1930.

Perdeu a mãe aos dois anos, o que o obrigou a mudar-se para Maceió, onde foi criado e onde permaneceu sob os cuidados do avós paternos. Foi ali, por influência de uma tia, que travou os primeiros contatos com o folclore e com as tradições brasileiras. Trabalhou como balconista de livraria. No final dos anos 1940, voltou a morar no Rio de Janeiro anos mais tarde, para juntar-se ao pai. Voltou-se para a política, época em que fundou a Associação Brasileira de Estudantes Secundários (Abes) e foi presidente da Comissão Preparatória da União Brasileira de Estudantes Secundários (Ubes), ambas alojadas no prédio da UNE.

Em 1948, seu pai viu um panfleto do Teatro Experimental do Negro, idealizado por Abdias do Nascimento. No texto, um chamado por voluntários que pudessem ajudar na alfabetização de adultos, curso que funcionava no segundo andar da sede do teatro. Impelido por seu pai, voluntariou-se. Um acaso, no entanto, fez com que, certo dia, fosse chamado para substituir um ator que faltara à leitura de uma peça. Iniciou, assim, a carreira de ator, integrando o Teatro Experimental do Negro (TEN), atuando na peça O Filho Pródigo, de Lúcio Cardoso. Junto com os outros jovens atores do grupo, fundou, em 1949, o Teatro dos Novos. Com um projeto diferente, pretendia dedicar-se a uma linguagem que se aproximasse mais da dança e do canto. Foi nessa época que escreveu a revista Rapsódia de Ébano, com texto que refletia sobre os caminhos da música brasileira, identificando no lundu maxixe e no coco elementos trazidos pelos negros.

Estreou seu primeiro espetáculo em 1950, no Teatro Ginástico. Renomeou o grupo, que passou a se chamar Teatro Folclórico Brasileiro, marcando-o como uma companhia de danças brasileiras.

Em 1951, surgiu a Brasiliana, grupo folclórico que durante quatro anos, ou seja, até 1955, mostra à Europa o que são os ritmos populares autênticos do Brasil. Com o sucesso do espetáculo, os dançarinos chegaram a Barcelona, onde receberam convites para apresentar Brasiliana durante cinco anos em 25 países. Aproveitaram o nome para renomear a Companhia, na qual atuou como diretor artístico e bailarino. Lá, Haroldo Costa participou de eventos importantes na TV parisiense, de um filme na Itália e de um espetáculo beneficente em Londres, entre outros.

Em 1954, em Paris, conheceu Vinicius de Moraes, que o convidou para protagonizar a peça Orfeu da Conceição. Estreou no Teatro Municipal, em 1956. Representou também o papel de Jesus Cristo no Auto da compadecida, de Ariano Suassuna.

Em 1958, estreou no cinema como diretor de Pista de Grama e, como ator, em 1964, no filme Pluft, o Fantasminha. Depois, participou de outros como Cléo e Daniel (1970) e Tanga, Deu no New York Times (1987).

Nos anos 60, dividiu-se entre seu trabalho na TV Tupi, textos para o Última Hora e para o jornal do Partido Comunista e para a publicação de Jorge Amado, Paratodos. A partir da década de 1970, produziu vários espetáculos de caráter essencialmente brasileiro em espaços cariocas como Boate Plaza, Top Club, Night and Day, Fred´s, Boate Drink dos Irmãos Peixoto, Golden Room do Copacabana Palace e Sucata de Ricardo Amaral.

Durante quase toda a década de 1980, comentou os desfiles de Escolas de Samba do Rio de Janeiro pela TV Manchete, atividade que exerce até hoje, esporadicamente, e apresentou os programas Na Passarela do Samba, Botequim do Samba, Feras do Carnaval, Esquentando os Tamborins, Jornal do Carnaval e Debates de Carnaval.

Na televisão, estreou como ator em 1989, na novela Kananga do Japão (TV Manchete, 1989), depois Pantanal (TV Manchete, 1990), A História de Ana Raio e Zé Trovão (TV Manchete, 1990), A Idade da Loba (TV Bandeirantes, 1995), Chica da Silva (TV Manchete, 1996), na minissérie Chiquinha Gonzaga (TV Globo, 1999) e no especial Carnaval no Rio, produzido e dirigido por Jack Sobel para Enterprises Entertainment. Em 2004, participou de um episódio de A Diarista. Atuou, ainda, como produtor da TV Globo, trabalhando nos programas “Concerto para a juventude”, “Dercy Gonçalves” e “Discoteca do Chacrinha”.

Em 1995, dirigiu nova montagem da peça Orfeu da Conceição, no mesmo palco do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, onde o espetáculo estreou, quase 40 anos antes.

No cinema, dirigiu e atuou no filme Pista de grama (1958). Participou ainda dos filmes Cleo e Daniel (1970), de Roberto Freire; Tanga – Deu no New York Times (1986), de Henfil; e Papá – Rua Alguém 555 (2003), de Egídio Eronico.

Como autor/escritor, publicou os seguintes livros: Fala crioulo: o que é ser negro (1982, Record), com depoimentos de negros de diferentes condições sociais; Salgueiro: Academia de Samba (1984, Record), que conta a história da Escola; Na cadência do samba (2000, Novas Direções); 100 anos de Carnaval no Rio de Janeiro (2001); As Escolas de Lan (2002), sobre o cartunista Lan e seu olhar sobre o negro; Salgueiro – 50 anos de glória (2003, Record); Ernesto Nazareth – Pianeiro do Brasil (2005, Novas Direções); Políticas e religiões no Carnaval (2007, Irmãos Vitale); Catulo da Paixão – vida e obra (2009, ND Comunicação), Nação Quilombo (em parceria com Joel Rufino e Nei lopes (2010, ND Comunicações) e Arte e cultura afro-brasileiras (2014, Novas direções).

Em julho do mesmo ano, o Instituto Cultural Cravo Albin organizou uma exposição em sua homenagem, composta por livros, registros visuais, certidões e alguns de seus objetos pessoais. Uma recepção no próprio Instituto, para pouco menos de 100 pessoas, marcou a abertura da exposição. Foi capa, ainda em 2015, da Revista Carioquices, organizada pelo mesmo Instituto. Em matéria de 8 páginas, uma detalhada compilação de seus principais trabalhos.

Em 2015, tomou posse na Academia Brasileira de Arte, assumindo a cadeira nº 32 patronímica de Castro Alves, sucedendo Leopoldo Braga.

Haroldo Costa viaja pelo mundo, fazendo conferências e divulgando a história do samba e do carnaval. É casado com Maria Luíza Marinho Costa.

Filmografia

:: Filmografia como Diretor ::

1958 :: Pista de Grama (Um Desconhecido Bate à Porta)

:: Filmografia como Ator ::

2003 :: My Father, Rua Alguém 5555 (Meu Pai) (EUA)
1987 :: Tanga, Deu no New York Times
1970 :: Cleo e Daniel
1969 :: Rifa-se uma Mulher
1964 :: Pluft, o Fantasminha

:: Filmografia como Ele Mesmo ::

2015 :: Haroldo Costa – O Nosso Orfeu
2005 :: Casa de Areia; Vinicius (depoimento)
2005 :: Samba on Your Feet (Argentina/EUA) (depoimento)

Publicações

COSTA, Haroldo. Fala crioulo: o que é ser negro. : Record, 1982.
______. Salgueiro: Academia de Samba. : Record, 1984.
______. Na cadência do samba. : Novas Direções, 2000.
______. 100 anos de Carnaval no Rio de Janeiro. : , 2001.
______. As Escolas de Lan. : , 2002.
______. Salgueiro: 50 anos de glória. : Record, 2003.
______. Ernesto Nazareth: Pianeiro do Brasil. : Novas Direções, 2005.
______. Políticas e religiões no Carnaval. : Irmãos Vitale, 2007.
______. Catulo da Paixão: vida e obra. : ND Comunicação, 2009.
______; RUFINO, Joel; LOPES, Nei. Nação Quilombo. : ND Comunicações, 2010.
______. Arte e cultura afro-brasileiras. : Novas direções, 2014.

Bibliografia

Livros:

ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Houaiss Ilustrado Música Popular Brasileira – Criação e Supervisão Geral Ricardo Cravo Albin. Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss, Instituto Cultural Cravo Albin e Editora Paracatu, 2006.
AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio Editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.
COSTA, Cecília. Ricardo Cravo Albin: Uma vida em imagem e som. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2018.
SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HAROLDO COSTA – SITE OFICIAL. Disponível no endereço: http://www.haroldocosta.com.br/
HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Haroldo Costa. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/haroldo-costa/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.