fbpx

Hélio Eichbauer (1941-2018)

Biografia

Hélio Eichbauer foi um cenógrafo, diretor de arte, figurinista e professor universitário brasileiro nascido no Rio de Janeiro (RJ) no dia 21 de outubro de 1941. Como profissional brilhante nas artes, transitava no teatro, no cinema e na música popular brasileira.

Foi responsável por grandes sucessos teatrais brasileiros, no Teatro Oficina, como na montagem histórica de O Rei Da Vela (1967), de Oswald de Andrade. Ele cuidou também, da recriação dos cenários da peça, na reestreia da peça ocorrida no ano de 2016.

Vencedor da Medalha de Ouro na Quadrienal de Praga, o maior evento da cenografia mundial, Eichbauer embarcou para a então Checoslováquia para estudar cenografia no ateliê de Josef Svoboda, entre 1962 e 1966.

Por quatro anos, construiu maquetes e fez exercícios de composição gráfica, desenho e escultura, até estrear profissionalmente. Na carreira, passou pela França, Itália e Alemanha, no Berliner Ensemble, de Brecht, e voltou ao Brasil para se consolidar no teatro, cinema e música.

Como cenógrafo, também produziu cenários para inúmeros shows e mantinha amizade com grandes nomes da MPB (Música Popular Brasileira), como Chico Buarque de Hollanda, Gal Costa, Caetano Veloso, Marisa Monte, Adriana Calcanhotto, entre outros. São dele as cenografias dos shows Ofertório, de Caetano com os filhos, Caravanas, de Chico; além de Tropicália 2, Fina estampa, ambos de Caetano, entre muitos outros.

Trabalhou ainda no cinema, com Glauber Rocha em O Dragão da maldade contra o Santo Guerreiro (1969); Arnaldo Jabor, em Tudo bem (1978); Joaquim Pedro de Andrade, em O homem do Pau-Brasil (1981) (melhor direção de arte e cenografia no Festival de Cinema de Brasilia); Bruno Barreto, em Gabriela (1983); e Ruy Guerra, em Kuarup (1989).

No campo acadêmico, lecionou a disciplina Cenografia da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Em 2013, Hélio Eichbauer lançou Cartas de Marear: Impressões de Viagem, Caminhos de Criação, livro em que conta experiências pessoais e profissionais. Nos relatos, semelhante a um diário de bordo, relembra as inspirações e referências para seus trabalhos conhecidos mundialmente. Com impressões de um viajante, o cenógrafo conta suas experiências em Cuba, Grécia, Praga e México e apresenta ao leitor não só textos do teatro, como fragmentos filosóficos e poéticos, passando por enredos históricos e unindo personagens reais e fictícios.

Com mais de 40 anos de carreira, considerados um dos maiores e mais famosos cenógrafos da história brasileira, Hélio Eichbauer faleceu aos 76 anos, vítimma de infarto fulminante, no dia 20 de julho de 2018, no Rio de Janeiro.

Era casado com Dedé Gadelha, primeira mulher de Caetano Veloso e mãe de Moreno Veloso.

Filmografia

:: Filmografia como Diretor de Arte ::

1998 :: Bela Donna
1989 :: Kuarup
1983 :: Gabriela
1981 :: O homem do Pau-Brasil

:: Filmografia como Cenógrafo ::

1981 :: O homem do Pau-Brasil
1978 :: Tudo bem

:: Filmografia como Figurinista ::

1983 :: Gabriela
1978 :: Tudo bem
1969 :: O Dragão da maldade contra o Santo Guerreiro

Publicações

EICHBAUER, Hélio. Cartas de Marear: Impressões de Viagem, Caminhos de Criação. : , 2013.

Bibliografia

Livros:

ALBUQUERQUE, Johana. Hélio Eichbauer. In: ______. Enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. São Paulo, 2000. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação Vitae.
ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. R792.0981 A636t 1994
GUERINI, Elaine. Nicette Bruno & Paulo Goulart: tudo em família. São Paulo: Fundação Padre Anchieta / Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. 256 p.
PRADO, Décio de Almeida. O teatro brasileiro moderno: 1930-1988. São Paulo: Perspectiva, 1988. (Debates, 211).

Periódicos:

MAGALDI, Sábato. Hélio Eichbauer: o cenário como linguagem exata. Jornal da Tarde, São Paulo, 17 maio 1972.

Internet:

HELIO Eichbauer. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: . Acesso em: 21 de Jul. 2018. Verbete da Enciclopédia.
HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Hélio Eichbauer. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/helio-eichbauer/
OGLOBO. Morre no Rio o cenógrafo Helio Eichbauer, aos 76 anos. Disponível no endereço: https://oglobo.globo.com/cultura/morre-no-rio-cenografo-helio-eichbauer-aos-76-anos-22907849 Acesso em: 21 de Jul. 2018.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “Hélio Eichbauer (1941-2018)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.