fbpx

Jesus no Mundo Maravilha (2007)

Trailer

Sinopse

POSTER Jesus no Mundo maravilhaJesus no Mundo Maravilha é um documentário brasileiro que mostra a vida de três militares que, após serem exonerados da polícia, trabalham num parque de diversões. Num clima onírico – enquanto surram o palhaço, brincam com crianças e rodam em brinquedos – eles revelam seus valores, seus sonhos e seus crimes. Enquanto isso, uma família vítima de policiais chora a morte de seu filho e clama por justiça. Vencedor do DoctvLatinoAmericano e exibido em 25 países, o filme dividiu a crítica e suscitou fortes debates.

A minha mãe de criação foi vítima de latrocínio. Na época eu tinha de 16 para 17 anos e tentei algumas vezes visitar o sujeito, um deles foi preso, na época no DEIC. Sinceramente, a minha intenção era matar ele lá dentro. Eu ia matá-lo, você não tenha dúvida, meu intuito era pegar ele. Não vou te falar que sou um gênio, mas a gente assiste alguns filmes, você tem algumas ideias, e eu assisti a um filme, tive uma ideia lá… e eu fiz. Era um faroeste que tinha uma bíblia e um revólver, e aquilo me inspirou. Eu fiz. Arrumei uma arma, comprei, e fui no DEIC pra matar o cara. E funcionou, até cinco metros da cela dele. Eu sentia o gosto da vingança. Aí o tira tava saindo e me reconheceu. Frustrou meu plano, quase acabei ficando preso, mas como o delegado que atendeu a ocorrência da minha mãe tava lá: ‘Já que você tanto quer caçar bandido, por que não entra pra polícia?’ – e ouvindo aquilo, eu falei: ‘esse delegado tem razão! Vou ser polícia. E bandido eu vou caçar’. E cacei, durante 25 anos. Cacei. Todos que eu vi eu cacei. O que eu deveria e mais por alguém. Eu nunca deixei a desejar, graças a Deus. Esse depoimento, dado pelo ex-policial Lúcio, abre o documentário Jesus no Mundo Maravilha (e outras histórias da Polícia Brasileira), dirigido por Newton Cannito, que se debruça sobre o cotidiano de três policiais expulsos da corporação.

Lúcio, conhecido como Charles Bronson de Itaquera, afirma, sem o menor constrangimento, ter matado mais de 80 e menos 100 bandidos. Não demonstra qualquer arrependimento por essas mortes e, ao longo do documentário, trata de temas como a tortura e homicídio de marginais com leveza e bom humor.

Jesus, deprimido por causa da exoneração, chegou a tentar o suicídio.. Jesus, outro policial expulso da corporação, vive deprimido porque o militarismo é o centro da sua existência. A depressão o levou a tentar o suicídio. Ele não entende por que foi exonerado, e luta na Justiça para ser reintegrado à polícia. Enquanto isso não acontece, trabalha como segurança em vários locais, dentre os quais o Mundo Maravilha, o parque de diversões que dá nome ao filme.

O terceiro policial, Pereira, tornou-se pastor evangélico após cumprir pena e consegue enxergar a fragilidade moral do papel de matador que assumiu antes de ser preso.

Paralelamente a essas três histórias, um casal que teve o filho assassinado por um policial (segundo a mãe, por ser negro) tenta conviver com a dor da ausência e com a luta para que o matador de seu filho seja preso.

Completando o quadro, o Palhaço Maravilha, uma presença felliniana que perambula pelo parque enquanto o documentário é feito, transmite uma imagem de inocência quase infantil, até revelar, em determinado momento, uma ambição tão ingênua quanto oportunista.

Essas personagens seguem seus próprios caminhos ao longo do documentário, rumo a um encontro difícil que, embora constrangedor, não traz qualquer espécie de redenção ou aprendizado aos envolvidos. Confrontados com as palavras severas e o olhar duro dos pais do jovem assassinado, os ex-policiais sentem o momentâneo desconforto de enxergar o marginal, o bandido, o outro, não como um alvo, mas como um ser humano.

Mas essa fugaz colisão de mundos não gera nenhuma explosão. Os pais que perderam o filho não passarão a entender melhor o mundo dos ex-policiais, que, por sua vez, não deixarão de ver a bandidagem como escória a ser eliminada. No incômodo encontro produzido pelo cineasta Newton Cannito, ao qual não faltaram os representantes dos direitos humanos – cujo discurso, tão correto quanto vazio, não alcança as realidades dos envolvidos nas tragédias, sejam as vítimas ou os algozes – não há qualquer troca verdadeira, além do curto momento de amargura e constrangimento que, fica bem claro, não passará disso – um momento.

Que talvez tenha repercutido mais profundamente em uma única pessoa – o hoje pastor Pereira, que, ao ouvir do pai do jovem morto: Não leve a mal, não, mas eu sei lá por que você está com essa bíblia hoje aqui? De repente você cometeu um erro grave e se arrependeu, contorce o rosto e baixa os olhos, no que é provavelmente o momento de maior humanidade de todo o filme.

Newton Cannito transmite essa incomunicabilidade, em que todos falam, mas ninguém parece disposto a ouvir, sobrepondo às palavras ora uma sonata de Mozart, ora a abertura da ópera Guilherme Tell, de Rossini. A ironia, por sinal, é a linha condutora da narrativa, e a dissonância entre o humor da forma e a gravidade do conteúdo gera uma intencional sensação de perplexidade. A opção de narrar a quase totalidade da história num parque de diversões pobre e decadente fortalece a sensação de irrealidade.

O diretor Newton Cannito explica que usou o humor porque queria despertar o choque, porque a forma do drama social está tão desgastada que perdeu o impacto, e que para revelar novamente essa realidade cruel era preciso mostrá-la em uma nova forma (leia a entrevista na íntegra clicando aqui). Sem dúvida, seu objetivo foi alcançado.
A polícia perdeu a moral totalmente, tudo devido às emissoras de televisão. Ocorrência policial não pode ser filmada. Na nossa época nós impúnhamos moral e ninguém falava nada para nós, afirma um policial aposentado, defensor enfático da pena de morte e dos esquadrões da morte (enquanto o filme mostra cenas de tortura e abuso policial na Favela Naval, em Diadema, registradas em 1997).

Foram 25 anos de guerra honesta, e eu nunca desisti, diz Lúcio. E resume numa frase a convicção de muitos, não só policiais: Hoje, infelizmente, o Estado não quer que você faça nada mais do que o que está na lei. Por isso que aumenta a criminalidade.

Feito em 2007, Jesus no Mundo Maravilha é indispensável para quem quer conhecer melhor a mentalidade de uma parte dos membros da polícia, que enxergam a lei não como fundamento, e sim como empecilho à sua atuação. Claro que nem todos pensam assim. Mas o universo mostrado no filme retrata a visão de mundo de muita gente – policiais e não policiais. É o que basta para confirmar a relevância da obra.

Elenco

Lúcio, Charles Bronson de Itaquera
Jesus
Palhaço Maravilha
Pereira

Ficha Técnica

Direção: Newton Cannito
Roteiro: Newton Cannito e Waleska Praxedes
Produção: Roberto Dávila
Produção Executiva: Rodrigo Faria Suraia Leinktaitis
Fotografia: Rodolfo Figueiredo
Montagem: André Francioli
Som: Raphael Lupo
Trilha: Raphael Lupo e Guga Bernardo

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.