fbpx

José Carlos Burle (1910-1983)

Biografia

José Carlos Queiroz Burle, em arte mais conhecido como José Carlos Burle, foi um compositor, ator, crítico de rádio e cineasta brasileiro nascido em Recife (PE) no dia 19 de julho de 1910. Faleceu em Atibaia (SP) no dia 23 de outubro de 1983.

Em 1930, mudou-se para o Rio de Janeiro. Começou sua carreira artística como compositor e depois como ator de cinema.

Entre 1937 e 1940, trabalhou como crítico na Rádio Jornal do Brasil.

Em 1941, José Carlos Burle e o irmão Paulo Burle uniram-se a Moacyr Fenelon e fundaram a Atlântida Companhia Cinematográfica do Brasil S/A. Aos três, uniu-se o Conde Pereira Carneiro, proprietário do Jornal do Brasil, para que Burle conseguisse dirigir Moleque Tião (1943), o primeiro filme de ficção produzido pela lendária companhia.

Atlântida Cinematográfica produzia, nos primórdios de funcionamento, uma série de cinejornais chamada Atualidades Atlântida.

Estreou como diretor em 1942 no documentário Astros em Desfile. Entre dezenas de outros, destacam-se Luz dos meus Olhos (1947), primeiro filme de Cacilda Becker, Maior que o Ódio (1951) e Terra Sem Deus (1963).

Como ator, participou de vários filmes, entre eles Maria Bonita (1936) e Os Três Vagabundos (1952).

Burle foi também compositor de sucessos como, Cabocla, gravada por Ary Barroso, “Quase nada”, gravada por Francisco Carlos e “Meu limão, meu limoeiro”, gravada por intérpretes como Inezita BarrosoWilson SimonalEduardo Araújo. No cinema, Burle está presente como ator, montador, diretor de arte, compositor e produtor de quase todos os filmes que dirigiu.

O primeiro longa-metragem produzido pela Atlântida e dirigido por Burle é Moleque Tião (1943), estrelado por Grande Otelo e inspirado na infância do protagonista.

Em 1946, o Presidente Gaspar Dutra assina o decreto 20.943, que estabelece reserva de mercado para filmes brasileiros. Este decreto vem a calhar às produções da Atlântida. Em sociedade com Luís Severiano Ribeiro Jr. – proprietário de uma cadeia de cinemas, uma empresa de distribuição e um laboratório de processamento de filmes – a Atlântida produz uma média de três filmes ao ano.

Burle foi o primeiro diretor a abordar conflitos raciais, em 1949, com o filme Também somos irmãos.

No final da década de 50, o governo de Juscelino Kubitscheck é mais receptivo a produtos culturais estrangeiros e o cinema estadunidense é o grande vilão. Tal abertura é fatal à produção da Atlântida – cujo método é bastante artesanal. No ano de 1962, a produtora fecha suas portas.

O último filme de Burle é Terra sem Deus, produzido por Recifilmes, em 1963.

Figura de destaque do nosso cinema, faleceu aos 74 anos de idade em 1984.

Filmografia

1962 :: Criança sadia, futuro campeão. Brasil; documentário, curta-metragem, cor.
1959 :: Quem roubou meu samba. Brasil; comédia musical, P&B.
1959 :: Combatendo a malária e a doença de Chagas. Brasil; doc, cm, P&B.
1952: Três vagabundos. Brasil; comédia, P&B.
1952: Carnaval Atlântida. Brasil; comédia musical, P&B.
1952: Barnabé, tu és meu... Brasil; comédia musical, P&B.
1950: Não é nada disso. Brasil; comédia musical, P&B.
1948: Falta alguém manicômio, Brasil; comédia, P&B.
1947: Luz dos meus olhos. Brasil; drama, P&B.
1945: O gol da vitória. Brasil; comédia, P&B.
1944: Tristezas não pagam dívidas. Brasil; comédia musical, P&B.
1944: Romance de um mordedor. Brasil; comédia, P&B.
1943: Astros em revista. Brasil; musical, média-metragem, P&B.
1943: Moleque Tião. Brasil; drama, P&B.

:: Filmografia como Ator ::

1963 :: Terra sem Deus. Brasil; drama, P&B.
1958 :: O cantor e o milionário – Brasil; comédia, P&B.
1954 :: Chamas no cafezal. Brasil; drama, P&B.
1953 :: O craque. Brasil; drama, P&B.
1952 – Os Três Vagabundos
1945 – Não Adianta Chorar
1943 – É Proibido Sonhar
1936 – Maria Bonita

:: Filmografia como Diretor ::

1963 :: Terra sem Deus. Brasil; drama, P&B.
1963 – Recife de Ontem e de Hoje (CM)
1962 – Construção da Usina Euclides da Cunha (CM); Plano de Eletrifi cação (CM); Problema da Construção de Grupos Escolares (CM)
1961 – Financiamento aos Pequenos Lavradores (CM); Plano de Ação (CM)
1960 – Combate à Malária (CM); Criança Sadia, Futuro Campeão (CM); Doença de Chagas (CM)
1959 – Quem Roubou meu Samba?
1958 :: O cantor e o milionário – Brasil; comédia, P&B.
1956 :: Depois eu conto. Brasil; comédia musical, P&B.
1955 – Sonho de Outono
1954 :: Chamas no cafezal. Brasil; drama, P&B.
1953 :: O craque. Brasil; drama, P&B.
1952 :: Os Três Vagabundos
1952 :: Carnaval Atlântida
1952 :: Barnabé Tu é Meu
1951 :: Maior que o Ódio
1950 – Não É nada Disso
1949 :: Também somos irmãos
1948 :: Falta Alguém no Manicômio
1948 :: É com este que eu Vou
1947 – Luz dos meus Olhos
1945 – O Gol da Vitória
1944 – Romance de um Mordedor
1943 – Tristezas não Pagam Dívidas; Moleque Tião
1942 – Astros em Desfile (CM)

Bibliografia

Livros:

SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. José Carlos Burle. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/jose-carlos-burle/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

2 comentários sobre “José Carlos Burle (1910-1983)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.