fbpx

José Gonçalves Leonardo

Biografia

O primeiro caipira do cinema foi o cantor de circo José Gonçalves Leonardo, que fez o Nhô Anastácio do título da película de 1908, Nhô Anastácio chegou de viagem, dirigida e produzida por Marc Ferrez e Júlio Ferrez.

Nos quinze minutos de duração do filme, desfilam os quadros: A partida; Embarque na estação; Chegada à Estação da Estrada de Ferro Central do Brasil; Visita à caixa de conversão; O palácio Monroe; O passeio público; O namoro e a carta da cantora; A denúncia; Volta súbita da esposa; Perseguição e Conciliação Geral. A primeira apresentação dessa comédia pioneira foi no Cine Pathé, em 1908, no Rio de Janeiro. Mas em 1909 foi apresentada no Cinematógrafo Rio Branco (foto) com o ator principal dublando suas imagens por detrás do pano. Estudiosos consideram esta a primeira fita de ficção, ou seja, que apresenta um enredo.

Sérgio Augusto aponta, em seu livro Este mundo é um pandeiro: a chanchada de Getúlio a JK (Companhia das Letras, São Paulo, 1993): “Nhô Anastácio foi um precursor dos tipos celebrizados por Genésio Arruda, na virada do mudo para o sonoro, e por Mazzaropi, na virada de 50. Em seu tour pelos principais pontos turísticos do Rio, o primeiro jeca a fazer graça nas telas nacionais conhecia uma cantora e com ela flertava até o momento em que sua mulher chegava da roça para impor o único final feliz admitido pela moral e pelos bons costumes então vigentes.” O autor considera-a uma precursora do gênero chanchada, que encontraria sua referência máxima no carnaval e não no caipira, ainda na primeira década do século 20.

O pesquisador José Ramos Tinhorão, em Música popular: Teatro & Cinema (Vozes, Rio de Janeiro, 1972), defende que o tema da fita foi tirado do grande contingente que chegava do interior ao Rio de Janeiro em 1908 para visitar a Exposição do I Centenário da Abertura dos Portos. “Tanto isso é verdade que o segundo filme documentadamente cantante, Sô Lotero e Siá Ofrásia com seus produtos na esposição, seria filmado (…) no próprio ambiente da Esposição do Centenário, ainda em 1908, o que demonstra a intenção de um aproveitamento máximo da cor local.”

O principal é que a fita se baseia na estrutura do teatro cômico (em especial a revista), como aponta o pesquisador de cinema Rudolf Piper (Filmusical brasileiro e chanchada. Global, São Paulo, 1977): o trapalhão, o turismo, o namoro, a música, a confusão e o final feliz.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.