fbpx

Jurandyr Noronha (1916-2015)

Biografia

Jurandyr Noronha foi um cineasta, cinegrafista, montador, redator, roteirista, escritor e um dos mais importantes pesquisadores sobre o cinema nacional. O pesquisador brasileiro nasceu na cidade de Juiz de Fora (MG) no ano de 1916. Trabalhou no Instituto Nacional de Cinema, na Embrafilme e em diversas produtoras independentes.

Autor de livros como No tempo da manivela (1987), Pioneiros do cinema brasileiro (1994) e A longa luta do cinema brasileiro, Jurandyr Noronha também produziu curtas e médias metragens, além dos longas Panorama do cinema brasileiro, Cômicos e mais cômicos e 70 anos de Brasil, filmes fundamentais, de caráter documental, tendo deixado inconcluso o Dicionário dos Imigrantes do Cinema Brasileiro. Na vasta carreira, Noronha trabalhou na Cinédia e teve ao longo da carreira colegas de trabalho do porte de Humberto Mauro. O cineasta Nelson Pereira dos Santos, precursor do Cinema Novo, foi dos maiores admiradores de Jurandyr Noronha, afirmando que Jurandyr foi responsável pela descoberta do DNA do Cinema Brasileiro. Fizeram parte da filmografia do mestre, documentários como Panorama do cinema brasileiro (1968) e Cômicos e mais cômicos (1971).

Em sua trajetória reuniu uma vasta documentação sobre o cinema nacional, com produções que remontam ao ciclo dos Falantes e cantantes e revelam toda a evolução da indústria cinematográfica no país.

Para se ter ideia da dimensão da obra do escritor e montador de filmes mineiro, basta lembrar que foi nomeado, há dois anos, Presidente da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual (ABPA), Noronha foi festejado em recente mostra de cinema de Ouro Preto. Testemunha da evolução da indústria de cinema, pois, como documentarista, teve ampla atividade em órgãos como a Embrafilme, o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) do Estado Novo e o Instituto Nacional de Cinema.

No decorrer de sua vida, acumulou uma enorme coleção de fotos, filmes, livros e documentos da história do cinema mundial, em que grande parte focada no cinema nacional. Devido à sua singularidade e importância, este acervo (chamado de Coleção Jurandyr Noronha, foi comprado pela Light e, posteriormente, doada ao Museu da Imagem e do Som (MIS) do Rio de Janeiro no ano de 1997. O acervo é constituído por documentários históricos e filmes de ficção em 16 e 35 mm, assim como de cenas do cotidiano carioca, como a Cinelândia em 1920, a Avenida Rio Branco, a Praia do Flamengo, Copacabana e o Carnaval de 1940. São mais de 200 películas de filmes documentários e de ficção, aproximadamente, quatro mil fotografias de filmes, estúdios, equipamentos, salas de exibição e personalidades do cinema nacional e estrangeiro, além de documentos textuais e bibliográficos.

Faleceu aos 99 anos, em decorrência de parada cardíaca, no dia 10 de maio de 2015. Jurandyr Noronha trabalhou, incansavelmente, até seus últimos dias como historiador do cinema brasileiro e memorialista.

Publicações

Livros:

NORONHA, Jurandyr. A longa luta do cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Funarte, .
______. Bravos Companheiros. Rio de Janeiro: EMC Edições, 2011.
______. Dicionário de Cinema Brasileiro: de 1896 a 1936 – do nascimento ao sonoro. Rio de Janeiro: EMC Edições, 2008.
______. Dicionário dos imigrantes do cinema brasileiro. : , 2014.
______. O Momento Mágico. Rio de Janeiro: EMC Edições, 2008.
______. No tempo da manivela: pioneiros do cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Embrafilme/Ebal/Kinart, 1987.
______. Pioneiros do cinema brasileiro. : , 1994.

Bibliografia

Internet:

CORREIO BRAZILIENSE. Correio Braziliense
OGLOBO. OGLOBO

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “Jurandyr Noronha (1916-2015)

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.