fbpx

Kiko Mollica

Biografia

Kiko Mollica nasceu em Viçosa, Minas Gerais, em 1970. Formou-se em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e desde 1999 trabalha como repórter no Canal Brasil, onde também atua como produtor e diretor.

Estreou no cinema em 2003, com o curta Seu pai já disse que isso não é brinquedo. No mesmo ano, venceu a 10ª Edição do Festival Internacional do Minuto com o vídeo Todas as Horas.

Nascido em Viçosa (MG) no ano de 1970 e sócio-proprietário da Km 70, estreou no cinema em 2003 com o curta-metragem “Seu pai já disse que isso não é brinquedo”, que recebeu vários prêmios em festivais brasileiros (melhor curta-metragem segundo a crítica do 8º CINE-PE – Festival do Audiovisual de Recife, prêmio de pesquisa de linguagem no 11º Vitória Cine Vídeo e melhor curta-metragem do 1º Festival de Belém do Cinema Brasileiro, entre outros).

Neste mesmo ano, venceu a 10ª edição do Festival Internacional do Minuto com o vídeo “Todas as Horas”. Seu segundo curta-metragem, “Soberano”, foi dirigido em parceria com a jornalista Ana Paula Orlandi e recebeu dois prêmios no Festival Internacional de Curta-Metragem de São Paulo em 2005.

Formado em Comunicação Social pela UFMG, Kiko Mollica começou sua carreira em Belo Horizonte trabalhando em produtoras de vídeo e canais de televisão. Nesse período, como videoartista, também desenvolveu trabalhos experimentais que participaram de duas edições do Videobrasil – Festival Internacional de Arte Eletrônica: “Vovó Rita”, de 1996, e “Vídeo-Cabeça”, de 1997.

Parceiro do Canal Brasil em São Paulo desde 1999, dirige atualmente os seguintes programas para essa emissora de TV a cabo: “É Tudo Verdade no Canal Brasil” (a partir de 2005) e “Cine MixBrasil” (a partir de 2007). Também é dele a direção dos programas “Cinemateca Brasileira” (2001), “O Canto de Torero” (de 2005 a 2006) e “Canal Brasil – 10 Anos” (2008).

Outras três parcerias com o Canal Brasil merecem destaque: os documentários “Abílio Pereira de Almeida” (2003), “Crítica em Movimento – Jean-Claude Bernardet” (2004) e “Cenografia de uma Vida – Pierino Massnzi” (2009).

Nos últimos anos, Kiko Mollica também tem se dedicado à produção de making ofs de longas-metragens brasileiros para diferentes produtoras de cinema. Para a O2 Filmes, registrou os bastidores de “Não Por Acaso”, de Philippe Barcinski, “Cidade dos Homens”, de Paulo Morelli, e “VIPs”, de Toniko Mello. Da parceria com a Coração da Selva, surgiram os making ofs de “O Signo da Cidade”, de Carlos Alberto Riccelli, e “Quanto dura o Amor?”, de Roberto Moreira.

Ainda nessa área, produziu extras para DVDs de três longas da Superfilmes: “A Casa de Alice”, de Chico Teixeira, “O Cineasta da Selva”, de Aurélio Michilis, e “Um Homem de Moral”, de Ricardo Dias.

Bibiografia

Internet:

SOMOS 1 SÓ. Disponível no endereço: http://www.somos1so.com.br/2010/10/05/kiko-mollica-diretor-documentario-cidades/.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “Kiko Mollica

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.