fbpx

LIVRO – Chá com Procópio Ferreira

Sinopse

“Pois se Franco Zeffirelli pôde tomar um ‘Chá com Mussolini’, por que não posso tomar um chá com Procópio Ferreira?”, já indagava Ismair Zaghetto durante o processo de produção de seu primeiro livro de ficção. Contando com 15 contos – dos quais apenas o que relata o encontro com um dos maiores nomes do teatro brasileiro ocorreu de fato -, a publicação Chá com Procópio Ferreira foi editada em 2012. Embora já tenha flertado com o gênero da ficção, Zaghetto se dedicou aos fatos por mais de 30 anos.

A entrevista que dá nome à obra aconteceu em 1964. As lembranças do momento, embora ludibriadas pelo tempo, permanecem nítidas ao também sociólogo – por formação – e professor – por excelência. Procópio Ferreira, considerado um dos gênios das comédias brasileiras, se via diante de um jovem jornalista, recém-chegado à redação do “Diário Mercantil”, maior jornal da cidade e um dos mais respeitados do estado. “Ter do outro lado da mesa um monstro sagrado da dramaturgia brasileira foi amedrontador. Mas foi um susto agradável”, conta. “Ele foi muito amável e me disse algo importante: ‘acredite sempre naquilo que você deseja fazer’. Talvez, se o tivesse encontrado já mais amadurecido, não teria sido tão instigante”.

Caneta em uma das mãos e cigarro na outra, durante duas horas Zaghetto entrevistou o ator, diretor e dramaturgo, sem ter ideia de que, nos próximos anos, interrogaria outras fontes notórias, como ministros, governadores e presidentes, além da própria filha de Ferreira, Bibi Ferreira. “Não foi bem um chá, na verdade foi um cafezinho. Mas chá soa bem mais charmoso”, completa. Voraz leitor de biografias, Zaghetto – criador e primeiro superintendente da Funalfa – assina outras obras que remontam personagens e passagens históricas, caso de “Machado Sobrinho: o guerreiro da utopia” e o recente “Itamar e o bando de sonhadores”.

Os demais 14 contos que compõem o livro têm como fios condutores as angústias humanas. A seleção das palavras, o olhar e até mesmo a forma de narrar são marcas de autoria incutidas no processo jornalístico. Sempre em meio às letras, Zaghetto se diz surpreso com o fato de os jornalistas não serem considerados literatos. “Pois se vivemos uma vida inteira escrevendo…”

Segundo o autor, o que o levou “da realidade brutal à ficção” (título de sua apresentação no livro) foi o convívio na Academia Juiz-forana de Letras, onde ocupa a cadeira de número 12, cujo patrono é o sociólogo e professor Wilson de Lima Bastos. “O jornalista vive dentro de espaços limitados pelos fatos. A ficção, por sua vez, é ilimitada. A ficção dá as ferramentas com as quais você rompe com os limites do verossímil”, reflete.

Ao longo da carreira, Ismair Zaghetto foi redator do programa “Ronda policial”, na rádio PRB-3, editor-geral do “Jornal da Tarde”, comentarista da TV Tiradentes, apresentador do programa “Dimensão”, na TV Visão, e colunista da Tribuna. “Do ponto de vista humano, a vida dentro de uma redação de jornal é muito rica. Nós, jornalistas, incorporamos de forma generosa a vida dos outros”, avalia. “Diante da minha inquietude, faltava me libertar da realidade da redação e da sala de aula. A ficção foi a minha libertação.”

Dados Técnicos

Título: Chá com Procópio Ferreira
Autor: Ismair Zaghetto
Editora: Edições Funalfa
Ano da Edição: 2012

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

2 comentários sobre “LIVRO – Chá com Procópio Ferreira

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.