fbpx

LIVRO – Cineastas de Brasília

Sinopse

LIVRO - Cineastas de BrasiliaRaquel Sá vem complementar o trabalho de sistematizar a história do cinema em Brasília, iniciada por Vladimir Carvalho no livro Cinema Candango – Matéria de Jornal (Edições Cinememória, 2002). São mais de quatro décadas para um número de filmes que, se não chega a ser proporcional, já configura uma produção considerável – e coloca Brasília entre os maiores pólos cinematográficos do país. Basta isso para justificar o levantamento desse trabalho, que reuniu entrevistas com 51 nomes ligados ao cinema brasiliense.

Dizer que o livro vem preencher uma lacuna na literatura cinematográfica brasileira pode parecer lugar-comum, mas não é exagero, pois, por meio de entrevistas minuciosas, oferece um painel sobre o modo como o cinema é pensado e praticado fora do eixo Rio-São Paulo. Descentralizar é preciso.

Em Cineastas de Brasília, o leitor encontra depoimentos de diretores que se radicaram em Brasília e de outros que aqui nasceram, se radicaram ou foram criados. Há também a presença de nomes que contribuíram à formação de cineastas, no pioneiro e efêmero curso da Universidade de Brasília, como Maurice Capovilla (que não chegou a filmar na capital) e Jean-Claude Bernardet, espécie de discípulo de Paulo Emílio Salles Gomes, co-roteirista do documentário Brasília, Contradições de uma Cidade Nova, de Joaquim Pedro de Andrade.

Há, por outro lado, o caso de jovens forasteiros que começaram a estudar Cinema na UnB e tiveram que concluir o curso fora daqui. É o caso de Tizuka Yamasaki, que rodou parte do docudrama Patriamada na cidade e costuma dizer que sua vida se divide em antes e depois de Brasília, onde ela descobriu o Brasil. Numa das melhores entrevistas do livro, por sinal, Tizuka descreve bem o que era a vida na Brasília dos anos de chumbo.

Pode-se considerar a prática cinematográfica ainda incipiente numa cidade em que, apesar de novos diretores pipocarem, e da vistosa vitrine do Festival de Brasília, o chamado Pólo de Cinema e Vídeo é pouco mais que uma ficção mal-encenada.

O cinema digital, que vem facilitando o acesso aos meios de produção em todo o planeta, começa a se impor. E o que tantos veteranos que se recusavam a fazer – filmar a vida e personagens da cidade em ficção, em vez de buscar locações em outros estados – novas gerações prometem suprir, a começar por Subterrâneos, o primeiro (e aguardado) longa-metragem de José Eduardo Belmonte.

Trata-se, ainda, de um cinema em busca de identidade, que ainda tateia para firmar-se como expressão de uma cidade-síntese da cultura brasileira e da sua própria cultura – caminho que Fala Brasília, seminal e pioneiro ensaio documental de Nelson Pereira dos Santos, já apontava, em 1966. Outro mérito do livro é dar voz aos criadores para que confessem, por exemplo, não ter interesse em Brasília como tema (Geraldo Moraes) ou que acham a cidade difícil de ser filmada (Pedro Jorge de Castro).

O livro Cineastas de Brasília é uma seleção de entrevistas com vários cineastas formados na capital e que começaram a fazer cinema aqui.

Ficha Técnica

Título: Cineastas de Brasília
Autora: Raquel Maranhão Sá
Editora:
Ano da Edição: 2003
Encadernação: Brochura | 21,6 cm X 27,5 cm | 330 páginas
ISBN:

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.