fbpx

LIVRO – Ilhas, Veredas e Buritis

Sinopse

Este é um relato para a história do cinema brasileiro. Mas acima de tudo é uma narrativa que se lê com prazer e emoção, porque mostra a construção interna de uma mulher em um mundo em transformação veloz. Vai da agitação das metrópoles e da vida em sociedade ao bucolismo e paz campestre.

Eliane Lage deve figurar na galeria de grandes mulheres brasileiras, porque sua vida vai ajudar muita gente a se entender, se modificar. Quer emoção? Aqui está. Determinação? Também encontrará. Humor? Permeia o livro. O passado? Está presente. O futuro? É hoje. Os caminhos? O da verdade e sinceridade, do desprendimento e da entrega.

Em um breve depoimento, Anselmo Duarte, que contracenou com Eliane Lage em Sinhá Moça, e foi em sua época um ídolo que chegava ao estúdio em um Jaguar prateado, escreveu uma palavra que a define com perfeição – ‘Verdadeira’. É o que se depreende deste livro.

O livro traz a história de uma mulher que soube se renovar a cada ciclo. Eliane Lage sempre olhou para seu tempo com uma visão crítica, aguda, muitas vezes distanciada, percebendo valores que não eram reais, entendendo a mistificação, a representação, o supérfluo, a vaidade.

Autora

Filha de pai brasileiro e mãe britânica, a neta de franceses Eliane Lage veio ao Brasil aos seis meses. Desde jovem, começou a trabalhar com crianças carentes, principalmente na favela Dona Marta. Insatisfeita com suas limitações, foi estudar na Inglaterra, e de lá foi para a Grécia, onde prestou auxílio em um campo de concentração de crianças gregas durante a guerra civil.

De volta ao Brasil, em 1950, pensava em retomar o trabalho na favela Dona Marta, quando foi convidada por Tom Payne a fazer um teste para o filme Caiçara. Depois do teste, aceitou fazer o filme — contrariada, pois não planejava ser atriz, mas estava apaixonada por Tom Payne, com quem se casaria em 1951, teria 3 filhos e viveria por 15 anos.

Depois do sucesso de Caiçara, Tom a convenceu a filmar Ângela em Pelotas (RS). Era o início de sua breve, porém importantíssima carreira cinematográfica.

Logo veio a consagração, em Sinhá Moça (1953), que valeu prêmio da crítica a Tom Payne no Festival de Berlim e consagração internacional.

Em 1957, ela e Tom Payne fizeram um programa semanal de curta duração (seis semanas), A Vida com Eliane, na TV Tupi, experiência que considerou decepcionante, e nunca mais quis fazer televisão.

Eliane Lage morou no Rio, em São Paulo, Guarujá e Petrópolis. Atualmente (2008), Eliane vive em Pirenópolis, Goiás. Escreveu uma autobiografia, com o título de Ilhas, Veredas e Buritis, publicada em 2005 pela Editora Brasiliense.

Dados Técnicos


Título: Ilhas, Veredas e Buritis
Autor: Eliane Lage
Editora: Brasiliense
Ano da Edição: 2005
Encadernação: 352 páginas
ISBN: 8511000836

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

2 comentários sobre “LIVRO – Ilhas, Veredas e Buritis

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.