fbpx

LIVRO – JK e a Ditadura

Sinopse

LIVRO - JK e a DitaduraA partir de 1961, quando deixou o governo, até 1976, ano em que morreu num acidente nunca inteiramente esclarecido, JK passou pela “noite escura” dos processos, cassação, exílios e prisão, tornando-se um dos maiores vultos de nossa história. Em JK e a ditadura, Carlos Heitor Cony, colaborador de JK na redação de suas memórias, interrompidas por sua morte, e apoiando-se em documentos e depoimentos que recebera pessoalmente do ex-presidente, relata a vida do fundador de Brasília.

Longe do poder, Juscelino Kubitschek suportou as infâmias lançadas por seu sucessor, Jânio Quadros, e logo depois, a perseguição promovida pelos militares que deram o golpe de 1º de abril de 1964. Mineiro de Diamantina e avesso a radicalismos, JK criara, na década de 1950, uma era de prosperidade e euforia que marcaria a história contemporânea do Brasil.

O ex-presidente tentou de todas as maneiras evitar o golpe político-militar contra a democracia e as liberdades públicas, responsáveis pela violenta deposição de João Goulart, que fora seu vice-presidente em período anterior. Diante do fato consumado, Juscelino acreditou que os novos ocupantes do poder honrariam a palavra empenhada, realizando a eleição presidencial marcada para o ano seguinte, na qual já era candidato homologado pelo partido então majoritário.

Conforme o regime se fechava, eliminando os espaços de diálogo com a sociedade civil e inaugurando os anos de chumbo que marcaram a história do Brasil, JK tornou-se uma das maiores vítimas da repressão. O presidente considerado o mais querido do país no século XX lutou pelo restabelecimento da democracia, mesmo depois de ter os direitos políticos cassados, sofrendo exílios e sendo preso por ocasião do AI-5.

A partir de 1961, quando deixou o governo, até 1976, ano em que morreu num acidente nunca inteiramente esclarecido, JK passou pela noite escura de acusações infundadas, processos, cassação, exílios e prisão, tornando-se à época um dos maiores vultos da história do país. Excetuados os marechais e generais que se sucederam no governo brasileiro, o nome e o exemplo de Juscelino Kubitschek foram invocados por todos os que ocuparam a presidência da República.

Colaborador de Juscelino na redação de suas memórias, interrompidas pela morte, e apoiando-se em documentos e depoimentos que recebera pessoalmente do ex-presidente, Carlos Heitor Cony continuou o relato da vida do fundador de Brasília. Neste livro, o autor mostra como JK, além de ter sido uma figura de poder admirada por todo um país, agonizou e se recusou a desistir de lutar contra os contratempos do período negro da ditadura militar.

Dados Técnicos

Título: JK e a Ditadura
Autor: Carlos Heitor Cony
Editora: Objetiva
Ano da Edição: 2012
Encadernação: Brochura | 16 cm x 23 cm | 240 páginas
ISBN: 9788539003969

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.