fbpx

Luiz de Barros (1893-1981)

Biografia

Luiz Guilherme Moretzhon da Cunha e Figueiredo da Fonseca de Almeida e Barros Castelo Branco Teixeira de Barros, em arte mais conhecido como Luiz de Barros, foi um cineasta, produtor, roteirista, diretor de fotografia, montador, cenógrafo e ator brasileiro nascido na cidade do Rio de Janeiro (RJ) em 12 de setembro de 1893. Usava também os pseudônimos de Teixeira de Barros e Guilherme Teixeira, mas era conhecido no meio cinematográfico como Lulu de Barros. Estudou Direito no Brasil e Artes Plásticas na Europa.

Em 1911, aos 18 anos, conheceu a França, Suíça e Itália e faz estágio nos estúdios da Gaumont francesa. Assistiu, em Paris, as filmagens de cenas de rua de Max Linder.

De volta ao Rio de Janeiro, em 1914, começou a estudar teatro. Seu primeiro interesse é o Teatro de Revista e linhas de shows, mas o cinema fala mais alto, e nesse veículo faz de tudo um pouco, como produtor, roteirista, coreógrafo, fotógrafo, montador e diretor. Depois, já com sua própria companhia, a Rataplan, montou revistas e dirige shows no Cassino da Urca e Atlântico. Acumulando funções de diretor, produtor e técnico, realizou mais de 60 filmes mudos e falados, entre comédias carnavalescas, chanchadas, documentários, filmes militares, dramas e adaptações de peças e obras literárias, incluindo-se aí Ubirajara (1919), de José de Alencar, e O cortiço (1945), de Aluísio Azevedo.

É o fotógrafo de quase todos seus filmes, principalmente os primeiros, produzidos nos anos 1920 e 1930. Foi pioneiro do cinema erótico nos anos 1920. Tido como cineasta prolífico, mas de temas geralmente fúteis.

Luiz Guilherme Moretzon da Cunha e Figueiredo da Fonseca de Almeida e Barros Castelo Branco Teixeira de Barros, se quisesse, poderia ter usado o título de Visconde do Bom Castelo, herdado de um antepassado que foi ministro do Império. Destinado pelo pai à magistratura, mas interessado sobretudo por artes plásticas, teatro e cinema, cursou apenas até o terceiro ano do curso de Direito. Cedendo à vocação do filho, os pais o enviam à Europa para estudar cenografia e artes decorativas. Em Paris assiste a filmagem de cenas de rua com o cômico Max Linder, procura a direção dos estúdios Gaumont e acaba sendo convidado para o papel do rei espanhol Afonso XIII num filme chamado Sang Andalou.

De volta ao Rio de Janeiro, em 1914, realizou A Viuvinha, adaptado do romance de José de Alencar, reservando os papéis principais para ele mesmo e sua jovem esposa. Mas, insatisfeito com o resultado, queima o filme no fundo do quintal. Daí em diante, não parou mais de dirigir filmes, constituindo uma das mais longas filmografias brasileiras entre 1914 e 1977, ano que dirige seu último longa, Ele, Ela, Quem?, depois de 15 anos afastado do cinema.

Fundou, então, a Guanabara Film, que produz ininterruptamente até o começo da década de 20.

Dedica-se ao teatro de revista: trabalha inicialmente na companhia Trololó e depois organiza a sua própria companhia, a Rataplã. Transferindo-se para São Paulo, realiza, entre uma revista e outra, Depravação (1926), escabroso melodrama sobre viciados em drogas, e um documentário de longa-metragem sobre as operações de estômago realizadas pelo dr. Montenegro, aumentando sua colaboração, no segundo caso, com desenhos animados. É ainda em São Paulo que realiza o primeiro filme sonorizado (com discos) brasileiro, Acabaram-se os Otários (1929), que faz carreira retumbante, sendo o primeiro filme sonoro brasileiro.

Voltando ao Rio, trabalha sobretudo para a produtora Cinédia, durante as décadas de 30 e 40, e dirige filmes para companhias distribuidoras durante os anos 50. Seu estilo rápido de direção, sempre dentro dos orçamentos pré-estabelecidos, torna Luiz de Barros certamente o diretor mais “eficiente” da história do cinema brasileiro. Eclético, funcionou como produtor, diretor, roteirista, cenógrafo, fotógrafo e montador em vários de seus filmes. Em sessenta anos de cinema, dirigiu mais de sessenta filmes: documentários, adaptações literárias e de peças teatrais, comédias, comédias musicais, filmes carnavalescos e filmes militares.

Sobre ele escreveu Alex Viany: Luiz de Barros não possui apenas uma filmografia longa e uma importância histórica. Ninguém faria tantos filmes, em tão árduas condições, se não possuísse um grande amor pelo cinema e um grande conhecimento de todos os seus setores. ‘Ele’ é a própria encarnação do cineasta improvisador, capaz de quebrar qualquer galho, sem o qual a ideia de um cinema brasileiro há muito teria desaparecido.

Como ator, participou de vários filmes, destacando-se Coração de Gaúcho (1920) e Quando Elas Querem (1925).

Lulu de Barros, como Luiz de Barros era conhecido no meio cinematográfico, foi casado com Gita de Barros por quase 70 anos (1913/1981). Faleceu em 1981, aos 88 anos de idade, deixando um legado para o nosso cinema que dificilmente será igualado.

Filmografia

:: Filmografia como Diretor ::

1977 :: Ele, Ela, Quem?
1962 :: Vagabundos no Society
1961 :: Por um céu de liberdade
1959 :: Aí Vem os Cadetes
1957 :: Samba na Vila
1957 :: Um Pirata do outro mundo
1957 :: Tudo é Música
1957 :: Com a Mão na Massa
1956 :: Quem Sabe…Sabe!
1956 :: O Negócio Foi Assim
1955 :: Como Se Faz Um Filme (CM)
1954 :: Trabalhou Bem, Genival
1954 :: Malandros em Quarta Dimensão
1953 :: É Pra Casar?
1952 :: Era Uma Vez Um Vagabundo
1952 :: O Rei do Samba
1951 :: Anjo do Lodo
1950 :: Aguenta Firme, Isidoro
1949 :: Eu Quero é Movimento
1949 :: Está Com Tudo
1949 :: Inocência
1948 :: Prá Lá de Boa
1948 :: Esta é Fina
1948 :: Inocência (codir. de Fernando de Barros)
1948 :: Ladeira de Copacabana (CM)
1948 :: Ladeira Mundo Novo (CM)
1948 :: Ladeira dos Guaianases (CM)
1948 :: Ladeira Indiana (CM)
1947 :: O Malandro e a Grã-Fina
1946 :: Caídos do Céu
1946 :: O Cavalo 13
1945 :: Fogo na Canjica
1945 :: Pif-Paf
1945 :: O cortiço
1944 :: Berlim na Batucada
1944 :: Corações Sem Piloto
1943 :: Samba em Berlim
1941 :: Sedução no Garimpo
1940 :: Cisne Branco
1940 :: Entra na Farra
1940 :: E o Circo Chegou
1939 :: Serviço Médico da Aviação
1939 :: Poeta do Morro (CM)
1939 :: Ilhas Históricas (CM)
1939 :: Hangar Caquot (CM)
1938 :: Alma e Corpo de Uma Raça
1938 :: Tererê Não Resolve
1938 :: Maridinho de Luxo
1937 :: O Samba da Vida
1937 :: O Palhaço (CM)
1937 :: Favela (CM)
1936 :: O Jovem Tataravô
1935 :: Alô, Alô, Brasil
1934 :: Carioca Maravilhosa
1932 :: Flagelo da Humanidade (CM)
1931 :: Alvorada de Glória (CM)
1931 :: Tango Amigo (CM)
1931 :: Tango de Amor (CM)
1930 :: Tom Bill Brigou com a Namorada (CM)
1930 :: A Revolução em São Paulo
1930 :: O Babão
1930 :: Minha Mulher me Deixou (CM)
1930 :: Lua de Mel (CM)
1930 :: Messalina (primeiro filme falado de Lulu)
1930 :: Sobe o Armário (CM)
1929 :: Acabaram-se os Otários
1929 :: Baianinha (CM)
1929 :: A Juriti (CM)
1929 :: Casa de Caboclo (CM)
1929 :: Cidades de Veraneio (CM)
1929 :: Como Se Gosta (CM)
1929 :: Feijoada (CM)
1929 :: O Amor Não Traz Vantagens (CM)
1929 :: O Palhaço (CM)
1928 :: Criação de Cavalos (CM)
1928 :: Estradas do Brasil (CM)
1928 :: O Rio Grande do Sul (CM)
1928 :: Operação Cesariana (CM)
1928 :: Operação de Estômago
1928 :: Pitoresco da Costa (CM)
1927 :: A Casa de Santos Dumont (CM)
1926 :: Depravação (cofot. Victor Del Picchia)
1925 :: Quando Elas Querem
1925 :: Rio Pitoresco (CM) (dir., fot.)
1925 :: Pedras Altas (CM) (dir., fot.)
1925 :: Flagelo da Humanidade (LM) (dir., fot.)
1924 :: A Derrocada (A Vingança do Peão)
1924 :: Rosa de Sangue (CM) (cofot. Carlo Campogalliani)
1924 :: A Revolução de 1924 (CM)
1924 :: Hei de Vencer (cofot. Paulino Botelho)
1924 :: A Revolução em São Paulo 1 e 2 (CM)
1924 :: Vocação Irresistível (CM)
1923 :: A Capital Federal (psd: Teixeira de Barros)
1923 :: Augusto Aníbal Quer Casar
1923 :: Romeu e Julieta
1922 :: O Cavaleiro Negro (psd: Guilherme Teixeira)
1922 :: O Exército Brasileiro (CM)
1922 :: Sacadura Cabral e Gago Coutinho no Rio de Janeiro (CM)
1922 :: O Rio Grande do Sul
1922 :: O Cavaleiro Negro
1920 :: As Aventuras de Gregório (CM)
1920 :: Jóia Maldita
1920 :: Coração de Gaúcho
1919 :: Ubirajara
1919 :: Alma Sertaneja
1918 :: Zero Treze
1916 :: Vivo Ou Morto
1915 :: Perdida
1914 :: A Viuvinha (CM)

:: Filmografia como Diretor de Fotografia ::

1955 :: Como Se Faz Um Filme
1948 :: Ladeira de Copacabana
1948 :: Ladeira Mundo Novo
1948 :: Ladeira dos Guaianases
1948 :: Ladeira Indiana
1947 :: O Malandro e a Grã-Fina (cofot. Ruy Santos)
1944 :: Corações Sem Piloto
1940 :: E o Circo Chegou
1939 :: Poeta do Morro
1939 :: Ilhas Históricas
1939 :: Hangar Caquot
1938 :: Alma e Corpo de Uma Raça (cofot. Afrodísio de Castro e José Stamato)
1937 :: O Palhaço
1937 :: Favela
1936 :: O Jovem Tataravô (cofot. Edgar Brasil)
1935 :: Alô, Alô, Brasil (cofot. Antônio Medeiros, Afrodísio de Castro, Edgar Brasil, Ramon Garcia e Fausto Muniz)
1934 :: Carioca Maravilhosa (cofot. Edgar Brasil)
1931 :: Tom Bill Brigou Com a Namorada (cofot. Victor Del Picchia)
1931 :: Alvorada de Glória (cofot. Victor Del Picchia)
1931 :: Tango Amigo
1931 :: Tango de Amor
1930 :: Lua de Mel (cofot. Victor Del Picchia)
1930 :: Messalina (cofot. Victor Del Picchia) (primeiro filme falado de Lulu)
1930 :: Sobe o Armário (cofot. Victor Del Picchia)
1929 :: A Juriti
1929 :: Casa de Caboclo
1929 :: Cidades de Veraneio
1929 :: Como Se Gosta
1929 :: Feijoada
1929 :: O Amor Não Traz Vantagens
1929 :: O Palhaço
1928 :: Criação de Cavalos
1928 :: Estradas do Brasil
1928 :: O Rio Grande do Sul
1928 :: Operação Cesariana
1928 :: Operação de Estômago
1928 :: Pitoresco da Costa
1927 :: A Casa de Santos Dumont
1926 :: Depravação (cofot. Victor Del Picchia)
1925 :: Rio Pitoresco
1925 :: Pedras Altas
1925 :: Flagelo da Humanidade
1924 :: Rosa de Sangue (cofot. Carlo Campogalliani)
1924 :: A Revolução de 1924
1924 :: Hei de Vencer (cofot. Paulino Botelho)
1924 :: A Revolução em São Paulo 1 e 2
1924 :: Vocação Irresistível
1923 :: A Capital Federal
1923 :: Augusto Aníbal Quer Casar
1923 :: Romeu e Julieta
1922 :: O Exército Brasileiro
1922 :: Sacadura Cabral e Gago Coutinho no Rio de Janeiro
1920 :: As Aventuras de Gregório
1920 :: Coração de Gaúcho (cofot. João Stamato)

:: Filmografia como Ator ::

1956 :: Fuzileiro do Amor (participação não creditada)
1925 :: Quando Elas Querem
1923 :: A Capital Federal
1920 :: Coração de Gaúcho
1920 :: A Joia Maldita
1919 :: Ubirajara
1914 :: A Viuvinha

Bibliografia

Livros:

BARROS, Luiz de. Minhas Memórias de Cineasta. Rio de Janeiro: ArteNova/Embrafilme, 1978.
FREIRE, R. L. Acabaram-se os otários: cinema e disco na chegada do filme sonoro. In: ENCONTRO SOCINE, 16, 2012, São Paulo. Anais. São Paulo: Socine, 2013. p. 289-399.
GALVÃO, M. R. E. Crônica do cinema paulistano. São Paulo: Ática, 1975.
GOMES, P. E. S. Panorama do cinema brasileiro: 1896-1966. In: ______. Cinema: Trajetória no subdesenvolvimento. 2 ed. São Paulo: Paz & Terra, 2001.
SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.
______. Dicionário de Fotógrafos do Cinema Brasileiro. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2011.
SOUZA, C. R. Resgate do cinema silencioso brasileiro: 27 filmes. São Paulo: Sociedade de Amigos da Cinemateca. Cinemateca Brasileira, 2009. Encarte da coleção de DVDs.
TINHORÃO, J. R. Música popular: teatro & cinema. Petrópolis: Vozes, 1972.
VIANY, Alex. Introdução ao cinema brasileiro. 1ª ed. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1959.

Internet:

BARRO, Máximo. 60 anos de Atlântida: Moacyr Fenelon e a criação da Atlântida. São Paulo: SESC, 2001. Disponível em: http://www.sescsp.org.br/sesc/hotsites/atlantida/. Acesso em: 15 abril de 2013.
HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Luiz de Barros. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/luiz-de-barros/
WIKIPEDIA. http://pt.wikipedia.org/wiki/Lu%C3%ADs_de_Barros

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

3 comentários sobre “Luiz de Barros (1893-1981)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.