fbpx

Lula Lá: De Dentro pra Fora (2021)

Lula Lá: de fora para dentro é um retrato contemporâneo do brasil. Trata-se de um registro histórico de mais de uma década (2003-2019) que mostra o que foi a Era Lula, desde a chegada à Presidência do ex-operário Luiz Inácio Lula da Silva em 2002, os oito anos de governo, a eleição, reeleição e golpe contra sua sucessora Dilma Rousseff, o Golpe de 2016, a condenação e prisão de Lula — e todos os fatores que levam ao resultado das eleições presidenciais em 2018, com a vitória de Jair Bolsonaro.

Considerado hoje o principal líder popular da América Latina e um dos maiores do mundo, Luís Inácio Lula da Silva foi perseguido pela grande mídia brasileira desde a primeira vez em que se candidatou à Presidência da República, em 1989. Apesar disso, foi eleito em 2002 e reeleito em 2006, tendo saído do governo com 83% de aprovação popular. Mesmo com os ataques a ele e a seu partido, Lula conseguiu eleger sua sucessora, Dilma Rousseff, que foi afastada em seu segundo mandato em um controverso impeachment, considerado pelos campos progressistas um golpe civil jurídico-midiático. Em 2018, a despeito dos esforços contrários, Lula despontava como favorito nas pesquisas durante a campanha presidencial. Até ser preso pela operação Lava Jato, uma manobra jurídica para impedi-lo de disputar as eleições naquele ano.

O documentário Lula Lá: De Fora Para Dentro mostra a versão dos fatos que nunca teve espaço nos grandes veículos de comunicação brasileiros. Tudo começa com o país “de fora”, o povo, conquistando o “país de dentro”, do poder, por meio da vitória do ex-operário nas eleições presidenciais em 2002. Realizado de forma totalmente independente, com recursos próprios, e finalizado com o apoio de um financiamento coletivo, o filme traça a trajetória do estadista desde que assumiu a Presidência da República, por meio de depoimentos exclusivos de personalidades como Dilma Rousseff, Leonardo Boff, Jean Wyllys, Benedita da Silva, Chico Alencar, Celso Amorim, Eduardo Suplicy, Olívio Dutra, Ariano Suassuna (1927-2014), Oscar Niemeyer (1907-2012), Chico César, Otto, Armandinho, Luiz Carlos Barreto e Jessé Souza (autor de A elite do atraso), além de jornalistas e anônimos. O longa também traz a última entrevista de Lula em vídeo antes de ser preso.

A ideia do filme surgiu ainda no primeiro governo Lula, em 2004: a documentarista quis contar a história do trabalhador que saiu de Caetés, no Sertão Pernambucano, para conquistar o cargo mais alto da nação. O roteiro começou a ser desenvolvido em 2006, quando a diretora fez uma visita a Brasília. Durante o governo Lula, ela tentou inscrever o documentário em editais, mas a Ancine não autorizou a captação de recursos, e ela acabou deixando o projeto de lado. Porém, a vida levou a cineasta Mariana Vitarelli Alessi, uma mineira radicada no Rio de Janeiro, a trabalhar na capital federal. Conclusão: a vontade de fazer o filme acabou voltando com tudo. “Eu quis mostrar o Lula presidente do povo”, conta a cineasta.

Se a falta de recursos fez com que o processo de realização se tornasse tão longo, por outro lado, isso acabou permitindo que o filme traçasse um panorama da política nacional brasileira nos últimos anos, misturando elementos do cinema direto e do jornalismo. Fiz imagens de 2010 para cá. É um registro histórico, lembra a diretora. Àquela altura, já havia estourado o escândalo do Mensalão, que acusava a Presidência da República de comprar votos em favor de projetos de seus interesses. Há uma desconstrução muito grande da imagem do Lula desde o Mensalão. Por isso, ouvimos pessoas que mostrassem uma outra visão da história. Tem muita gente do povo falando, em Brasília, Recife, Garanhuns (PE), Salvador e Rio de Janeiro, enumera.

Apesar de toda a perseguição midiática, Lula se reelegeu e emplacou Dilma Rousseff, que havia sido ministra das Minas e Energia e ministra-chefe da Casa Civil em seus mandatos, como sua sucessora no planalto. O impeachment sofrido por ela em 2016, para muitos um golpe de estado — mas, dessa vez, civil —, foi outro momento-chave registrado por Mariana Vitarelli Alessi. A história do Brasil é feita de golpes. Quando eles (as elites) veem que as pessoas estão começando a ter direitos, eles dão um golpe. Durante a Era Lula, houve um Estado de Bem-Estar Social no Brasil, e ele começou a ser atacado por isso, analisa a diretora. O impeachment também passa pelo Lula. Naquele momento, ele era um alvo, e ainda é, afirma.

Mariana Vitarelli Alessi passou 12 anos tentando entrevistar o presidente. Quando finalmente conseguiu, correu para São Paulo, onde ele vive, apesar de estar passando por um momento particular muito difícil. O dia em que entrevistei Lula foi o pior da minha vida. Minha mãe estava no CTI em estado grave, lembra. Foi a última entrevista em vídeo antes da prisão do presidente. É uma conversa em que ele abre o coração. Fica horas falando e analisando o que foi a Era Lula. Na visão do Chico César, aliás, a Era Lula não acabou, conta a cineasta.

E, quando a diretora pensava que finalmente havia terminado o trabalho, uma reviravolta: foi decretada a prisão de Lula. Em 7 de abril de 2019, ele se entregou à Polícia Federal (PF) no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, do qual foi uma importante liderança no passado, tendo sido carregado nos braços pelo povo. As impressionantes imagens tiveram repercussão internacional e também estão no longa. A prisão impediu que Lula concorresse às eleições presidenciais, que tiveram como vencedor um candidato de extrema-direita, como já se sabe.

O filme conta com imagens de Mariana Vitarelli Alessi (que registrou a maior parte delas), de Marcelo Gibson e Marcio de Andrade, além de material de arquivo cedido por terceiros. A trilha sonora, assinada por Jef Rodrigues e Mariana Vitarelli Alessi, tem destaque para a música baiana contemporânea, com Letieres Leite e Orquestra Rumpilezz, que disponibilizaram diversas obras para o longa, BaianaSystem, Dr. Drumah, IFÁ e OQuadro, além de BNegão, Chico Buarque, Lado A e Ladrão.

Lula Lá: De Fora Pra Dentro: a história recente do Brasil contada pelo próprio Brasil.

O filme vai estreia em março de 2021 no Golden State Film Festival, de Los Angeles, em edição online no Shorts Daily Roku Channel; e foi selecionado para o Oaxaca FilmFest, no Mexico.

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Lula Lá: De Dentro pra Fora (2021) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Mariana Vitarelli Alessi
Roteiro: Mariana Vitarelli Alessi
Produção: Mariana Vitarelli AlessiMariana Pellin
Direção de Fotografia: Marcelo Gibson e Marc Lux
Operação de Câmera: Mariana Vitarelli Alessi, Marcelo Gibson e Marc Lux
Still: Mariana Vitarelli Alessi
Montagem: Mariana Vitarelli Alessi
Arte do Cartaz: Cau Gomez
Trilha sonora: Jef Rodrigues e Mariana Vitarelli Alessi
Empresas Produtoras: Quinto Mundo | Guetto Filmes

Brasil | Documentário | cor | min. | 2021

Internet: FACEBOOK. Lula Lá – De Dentro pra Fora. Disponível no endereço: https://facebook.com/lulaladocumentario HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Lula Lá – De Dentro pra Fora. Disponível no endereço: lula-la-de-dentro-pra-fora INSTAGRAM. Lula Lá – De Dentro pra Fora. Disponível no endereço: https://instagram.com/lulaladeforapradentro/ TWITTER. Lula Lá – De Dentro pra Fora. Disponível no endereço: https://twitter.com/lulaladoc
História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

3 comentários sobre “Lula Lá: De Dentro pra Fora (2021)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.