fbpx

Lyris Castellani

Liris Cecília da Costa e Silva, em arte conhecida como Lyris Castelani (ou Lyris Castellani), é uma atriz brasileira nascido em São Paulo (SP) no dia 22 de novembro de 1934.

Muito jovem começou a estudar balé. Na adolescência, trabalhou em teatro e televisão como bailarina. Num desses shows, Anselmo Duarte convidou-a para integrar o elenco de Absolutamente Certo, em 1957, um dos maiores êxitos do Cinema Brasileiro. Foi sua estreia na telona, que teria continuidade com outros filmes, inicialmente como bailarina de números musicais e depois como atriz. Destacam-se, em seu currículo, Uma Certa Lucrécia (1958) e A Morte Comanda o Cangaço (1960).

Com beleza plástica e talento, poderia ter tido uma carreira brilhante e contínua, mas, nos poucos anos em que esteve à frente das câmeras, deixou sua marca. Hoje é cultuada como musa sexy do cinema brasileiro dos anos 60.

Onde Andará Lyris Castellani? é uma crônica escrita por Caio Fernando Abreu, jornalista e escritor, publicada no Caderno 2 em 28 de janeiro de 1987, na qual ele revive em sua crônica a atriz Lyris Castellani, personagem implícita na trama, que é dada como desaparecida por volta de 1960 dada como desaparecida após fazer alguns filmes, famosa por sua beleza e corpo esbeltos. Se ela morreu ou ainda vive, escondida do mundo, no fundo do poço ou muito feliz, não se soube, e talvez nunca se saiba o que veio a lhe acontecer, a grande probabilidade é a de que tenha se cansado dos holofotes e deixado o estrelato, tornando-se uma doce memória de um jornalista, renascida por instantes na página de um jornal com foto. Muito sobre a personagem é realmente um verdadeiro mistério, por nunca deixar informações concretas na trama. O autor deixou muitas curiosidades aos leitores deixando a dúvida se Lyris existiu ou não devido a sua forma de escrita deixando o sentimento de catarse.

O filme Onde Andará Dulce Veiga?, do diretor Guilherme de Almeida Prado, discute as questões da fama e da felicidade, e nasceu da crônica de Caio Fernando Abreu, Onde Andará Lyris Castellani?, que o levou a procurá-lo para o desenvolvimento de um roteiro.

A história rendeu um livro de mesmo nome, romance autobiográfico e obra mais traduzida de Caio Fernando Abreu, que morreu sem ver o resultado cinematográfico. Filmado em 2007, a demora com as finalizações pôs em jogo o lançamento do filme nos cinemas pela falta de recursos do cinema brasileiro com divulgação e distribuição. O longa estreou em 27 de junho de 2008.

Filmografia

1963 :: A Ilha
1961 :: Quero Morrer no Carnaval (Quiero Morir en Carnaval) (México/Brasil)
1961 :: Mulheres e Milhões
1960 :: A Morte Comanda o Cangaço
1960 :: Pistoleiro Bossa Nova
1959 :: Fronteiras do Inferno (Lonesome Women) (Brasil/EUA)
1959 :: Macumba na Alta
1958 :: Uma Certa Lucrécia
1957 :: Absolutamente Certo

Bibliografia

Livros:

SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Lyris Castellani. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/lyris-castellani/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “Lyris Castellani

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.