fbpx

Manfredo Caldas (1947-2016)

Biografia

Manfredo Caldas foi um cineasta e montador brasileiro nascido na cidade de João Pessoa, na Paraiba, no dia 25 de setembro de 1947. Como realizador, pertence à segunda leva de cineastas que surgiu logo após o Movimento do Cinema Novo, nos anos 1960. Suas obras são repletas de simbologia e aspectos característicos da cultura nordestina.

Em 1969, o cineasta se mudou para o Rio de Janeiro, onde se dedicou inicialmente a montagem cinematográfica, publicidade e restauração de filmes para a Cinemateca do Museu da Arte Moderna no Rio. Enquanto trabalhava no museu pesquisava e preparava seus próprios projetos, sendo sua marca mais característica, a preocupação com o resgate de traços da cultura nordestina transplantados para outros centros do país, no rastro da migração.

Como bom migrante, Manfredo Caldas ficou atento à transposição de traços culturais nordestinos para outros centros do país, objeto frequente de sua obra documental. Em 1974, ele fez talvez o primeiro documentário sobre a Feira de São Cristóvão, no Rio, chamado simplesmente Feira. Em Boi de Reis (1977), descobriu para o cinema uma versão fluminense do bumba-meu-boi.

Entre suas obras, destaca-se o Romance do Vaqueiro Voador (2008). O filme, inspirado no cordel de João Bosco Bezerra Bonfim, conta a história dos operários que construíram a capital da República. No longa-metragem, que mistura ficção e documentário, o cineasta retratou as péssimas condições de trabalho das pessoas que deixaram suas cidades para fundar Brasília. Trata-se de um documentário sobre a mitologia em torno dos candangos imigrantes, em sua maioria (nordestinos), que trabalharam na construção de Brasília.

Ativo no movimento para valorização e disseminação do cinema, entre os anos de 1981 e 1984, o cineasta participou da criação e instalação do Núcleo de Documentação Cinematográfica (NUDOC) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), instituto responsável pela retomada da produção do cinema paraibano, possibilitando o surgimento de toda uma nova geração de cineastas paraibanos no final da década de 1980.

Sua produção longa metragem Uma questão de Terra que relata de maneira contundente o problema fundiário do país, com foco maior no Nordeste, foi consagrado no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro de 1988, conquistando também a Margarida de Prata da CNBB.

Em 1988, pelo documentário de longa-metragem Uma Questão de Terra, Manfredo foi aclamado no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Entre os anos de 1990 e 1992, o paraibano mudou-se para Cuba, para ministrar aulas de montagem e edição, a convite da Escuela Internacional de Cine y Television. Durante esses dois anos, ministrou aulas de montagem e edição, e assumiu a chefia de cátedra dessas disciplinas.

De volta ao Brasil em 1992, Manfredo mudou-se para Brasilia e assumiu a direção do Polo de Cinema e Vídeo de Brasília.

Amigo de longa data do também cineasta e documentarista Vladimir Carvalho, Manfredo Caldas dirigiu o filme Negros de Cedro (1998) – escrito por Vladimir. Além dessa película, os dois produziram o longa-metragem Barra 68 – Sem Perder a Ternura (2001). A obra relata a luta de Darcy Ribeiro no início dos anos 1960 para criar a Universidade de Brasília (UnB) e as repetidas agressões que a instituição sofreu, desde o golpe militar de 1964 até os acontecimentos de 1968, quando foram detidos cerca de 500 estudantes.

Mais recentemente, o documentarista trabalhou na montagem e edição do filme Campo Santo, do cineasta Marcio Curi, amigo e conterrâneo, que também faleceu nesta semana. Ainda inédito no circuito, a obra narra uma crônica sobre a juventude brasiliense no final dos anos 1980.

Manfredo Caldas faleceu aos 69 anos no dia 25 de novembro de 2016. O documentarista, que vivia em Brasília desde 1995, acumulou inúmeros prêmios em sua carreira e consagrou-se na história do cinema brasileiro.

Filmografia

:: Filmografia como Diretor ::

2008 :: Romance do Vaqueiro Voador
1998 :: Negros de Cedro
1988 :: Uma Questão de Terra
1987 :: Nau Catarinense
1983 :: Cinema Paraibano
1977 :: Boi de Reis
1974 :: Feira

:: Filmografia como Montador ::

2001 :: Barra 68 – Sem Perder a Ternura
1990 :: Heinz Förthmann
1988 :: Terra para Rose
1984 :: Raso da Catarina – Reserva Ambiental
1982 :: Dôra Doralina
1979 :: A Noiva da Cidade
1973 :: O Marido Virgem

:: Filmografia como Diretor de Produção ::

2001 :: Barra 68 – Sem Perder a Ternura

Bibliografia

Livros:

CALDAS, Manfredo; CALDEIRA, Oswaldo; SANZ, Sérgio. Contribuição à história do curtametragem brasileiro. Rio de Janeiro: Nucine, 2004.

Internet:

E-PIPOCA. http://www.epipoca.com.br/gente/ficha/394973/manfredo-caldas

FESTIVAL DE BRASÍLIA DO CINEMA BRASILEIRO. http://www.festbrasilia.com.br/2013/comissao

METRÓPOLE. http://www.metropoles.com/entretenimento/cinema/morre-o-documentarista-manfredo-caldas-aos-69-anos

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “Manfredo Caldas (1947-2016)

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.