fbpx

Marieta Severo

Em 1965 estreia simultaneamente no teatro, com a peça Feitiço de Salém, texto de Arthur Williams, e na televisão, na novela O Sheik de Agadir, e no cinema, no filme Society em Baby-Doll. Em 1966 conhece o cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda, que vem assistir à peça Se Correr o Bicho Pega, ao lado de Hugo Carvana. Os dois apaixonam-se e casam-se logo em seguida, num relacionamento que durou mais de três décadas. Em 1969 abandona a carreira artística para acompanhar o marido no exílio. Em 1970, retoma sua carreira e faz a novela E Nós, Aonde Vamos?, pela exti nta TV Tupi. De 1970 a 1983 Marieta dedica-se exclusivamente ao teatro e cinema, onde participa de vários filmes, com destaque para Bye, Bye Brasil (1978) e Carlota Joaquina, Princesa do Brazil (1995). Retorna à TV para atuar em Champagne (1983), Vereda Tropical (1984), Deus nos Acuda (1992), Pátria Minha (1995) e Laços de Família (2000). De 1995 a 2000 participa de quatro episódios do programa Comédia da Vida Privada. No teatro faz também trabalhos marcantes, chegando a ganhar os prêmios Mambembe e Molière, por sua interpretação na peça No Natal a Gente Vem Te Buscar, em 1980.

Marieta da Costa Severo Freire, em arte conhecida como Marieta Severo, é uma atriz de cinema, teatro e televisão brasileira nascida no Rio de Janeiro (RJ) no dia 02 de novembro de 1946.

Quando menina, queria ser professora. Sonhava também em ser bailarina e, por isso, estudou balé clássico durante muitos anos. Fez seus estudos normais no tradicional Colégio Bennett, mas mudou de ideia aos 16 anos, quando começou a frequentar aulas de teatro no Tablado, com Maria Clara Machado. Então, se encontrou e decidiu investir na carreira de atriz.

Em 1965, foi acompanhar uma amiga em um teste para uma peça e acabou sendo convidada pelo diretor Luiz Carlos Maciel para um papel no filme Society em baby-doll (1965). Na mesma época, estreou também no teatro com a peça Feitiços de Salém.

Filha de um desembargador, não demorou muito para dar as caras na televisão. Em 1966, aos 19 anos, foi chamada para integrar o elenco da novela O Sheik de Agadir, da recém-inaugurada TV Globo, na pele da princesa árabe Éden. No decorrer da história, misteriosos assassinatos vão acontecendo. A identidade do criminoso, conhecido pelo nome Rato, só foi revelada no final da trama. Para surpresa do público, o Rato era a princesa Éden, sua personagem. No ano seguinte, participou da novela O Homem Proibido e atuou no filme Todas as Mulheres do Mundo. Em 1968, estrelou o musical Roda Viva, que criticava abertamente o regime militar, e entrou na mira dos agentes da segurança nacional. A montagem da peça é de autoria de Chico Buarque, com quem foi casada de 1966 a 1999.

À época dos anos de chumbo, acompanhando o marido no lançamento de um álbum em Roma, e grávida de Sílvia, Marieta recebeu notícias de como andava a situação no Brasil e foi aconselhada a não retornar. Passou alguns anos deste “auto-exílio” em Roma. Uma curiosidade, é que somente Sílvia, sua 1ª filha, tem outra nacionalidade, já que todas as outras filhas são brasileiras e Sílvia é italiana.

No final de 1970, voltou ao Brasil e retomou a carreira de atriz, participando da novela E Nós, Aonde Vamos?, sob a direção de Sérgio Britto, exibida pela extinta Rede Tupi. Depois desse trabalho, afastou-se da televisão para se dedicar às três filhas, Silvia, Helena e Luiza, e também aos projetos de teatro e cinema. Em 1977, atuou no filme Chuvas de Verão e na peça Ópera do Malandro, e em 1979, esteve em cartaz com o longa Bye Bye Brasil.

Em 1983, após 18 anos, voltou à TV Globo e trabalhou em duas produções da emissora: a minissérie Bandidos da Falange e a novela Champagne. Demorou a se firmar como intérprete de televisão. Após a estréia em 1966, só se consagraria no meio, a partir dos anos 1980, vivendo personagens marcantes como a perigosa e ambiciosa Catarina de Vereda Tropical, em 1984.

Em 1985, interpretou Suzana, a ex mulher do costureiro Ariclenes, de Luis Gustavo, com quem vivia uma relação de amor e ódio, rendendo cenas hilárias à novela Ti Ti Ti. Em 1986, foi homenageada no Festival de Gramado, pela sua atuação nos filmes O Homem da Capa Preta, Com licença, eu vou à luta e Sonho sem fim. Em 1988, integrou o elenco do seriado Tarcísio & Glória, protagonizado por Tarcísio Meira e Glória Menezes. Depois, em 1989, encarnou a nobre Madeleine de Que Rei Sou Eu?.

Em 1992, mais uma vez desponta como a antagonista principal de uma novela ao dar vida a perversa Elvira em Deus nos Acuda. Entre 1995 e 1997, participou de alguns episódios da série A Comédia da Vida Privada, exibida dentro do dominical Fantástico. Também em 1994, foi protagonista do filme Carlota Joaquina, Princesa do Brazil, um marco da retomada do cinema nacional de qualidade. Posteriormente, em 2000, voltou as novelas como a simpática e sofisticada Alma, de Laços de Família, que lhe rendeu o prêmio de Melhor Atriz pela Associação Paulista de Críticos de Arte.

No ano de 2000, começou a atuar no elenco principal do programa semanal A Grande Família, produzido e exibido pela Rede Globo, no qual interpretou brilhantemente a dona-de-casa Dona Nenê, ao lado de Marco Nanini.

No filme As Três Marias, de 2002, faz uma mulher forte que tem seu marido e dois filhos brutalmente assassinados. Ela convoca então as três filhas para cada uma delas procurar um matador e vingar o pai. Foi nesse ano, que a atriz recebeu o Prêmio Oscarito, pelos 37 anos de carreira dedicados ao cinema brasileiro; são mais de 30 filmes em seu currículo. Em seguida, no ano de 2004, filmou Cazuza – O Tempo Não Pára, onde interpretou Lucinha Araújo, mãe do cantor Cazuza. Também em 2004, protagonizou o longa A Dona da História, baseado na peça de João Falcão, que Marieta já havia encenado no teatro com muito sucesso, dividindo o palco com Andréa Beltrão, tendo viajado por várias cidades brasileiras.

Em 2005, ao lado da amiga Andréa Beltrão, inaugurou o Teatro Poeira, em Botafogo, Rio de Janeiro. O empreendimento era um sonho antigo das atrizes, que ficaram mais de dois anos envolvidas diretamente nas obras do antigo casarão que abriga o teatro. Em 2007, as duas estrearam o espetáculo As Centenárias e, no mesmo ano, estavam na versão cinematográfica de A Grande Família.

No teatro, com mais de 40 anos de palco, foi premiada duas vezes com os prêmios Mambembe e Molière, e uma vez com o Prêmio Shell.

Marieta é reconhecida pela crítica como uma das mais competentes atrizes em todos os segmentos de atuação: o palco, o cinema e a TV.
Marieta Severo foi convidada para interpretar Dilma Rousseff no cinema, no filme homônimo baseado na obra A 1ª Presidenta, do escritor e jornalista Helder Caldeira. O filme ainda não tem previsão de estreia.

Foi casada com o compositor Chico Buarque, com quem teve três filhas, Sílvia (1969), Helena (Lelê) (1970) e Luíza (1975), e cinco netos, Francisco (1997), Clara (1999) e Cecília (2006), do casamento da historiadora Lelê com o músico Carlinhos Brown; Lia (2003), filha de Luíza; e Irene (2005), filha da atriz Sílvia Buarque.

Separou-se de Chico em 2001. Atualmente, é casada com o diretor Aderbal Freire Filho.

Filmografia

2021 :: Noites de Alface
2018 :: A Voz do Silêncio (Em Finalização)
2010 :: Quincas Berro D’Água …. Manuela
2009 :: Sonhos Roubados …. Dolores
2007 :: Pequenas Histórias …. Narradora
2006 :: Irma Vap – O Retorno
2006 :: A Grande Família – O Filme …. Dona Nenê
2004 :: A Dona da História …. Carolina
2004 :: Cazuza – O Tempo Não Pára …. Lucinha Araújo
2004 :: Quase Dois Irmãos …. Helena
2002 :: As Três Marias …. Filomena Capadócio
2000 :: A Nova Onda do Imperador …. Yzma (desenho da Disney – voz)
2000 :: Villa-Lobos, Uma Vida de Paixão …. Noemia
1999 :: Castelo Rá-tim-bum …. Losângela Stradivarius
1999 :: Um Copo de Cólera
1999 :: Outras Estórias
1998 :: Gramado: 25 Anos em Movimento (CM) …. narração (junto com José Wilker)
1997 :: Guerra de Canudos …. Penha
1994 :: Carlota Joaquina, Princesa do Brazil …. Carlota Joaquina
1991 :: Vai Trabalhar, Vagabundo II – A Volta (Amor Vagabundo) …. Dama de Copas
1990 :: Diário Noturno (CM)
1989 :: Faca de dois gumes …. Sônia J. Amado
1989 :: O Corpo …. Carmem
1988 :: A Porta Aberta (CM)
1988 :: O Mistério no Colégio Brasil …. Patrícia
1987 :: Leila Diniz …. Sra. Diniz
1987 :: Por Dúvida das Vias (CM)
1987 :: Sonhos de Menina Moça
1986 :: Com Licença, Eu Vou à Luta …. Eunice
1986 :: A Espera (CM)
1986 :: O Homem da Capa Preta
1985 :: Sonho sem fim …. Lola
1981 :: Crueldade Mortal
1980 :: Certas Palavras
1979 :: Bye Bye Brasil …. Assistente Social
1978 :: Chuvas de Verão …. Dodora
1978 :: Gente Fina é Outra Coisa (Episódio: A Guerra da Lagosta)
1976 :: Crueldade Mortal …. Jurema
1972 :: Roleta Russa
1970 :: Quatro Contra o Mundo (Episódio: Jovem Retaguarda)
1966 :: Todas as Mulheres do Mundo
1965 :: Society em baby-doll

:: Filmografia como Ela Mesma ::

2001 :: Janela da Alma

Bibliografia

Livros:

SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Marieta Severo. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/marieta-severo/
WIKIPEDIA. http://pt.wikipedia.org/wiki/Marieta_Severo

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

3 comentários sobre “Marieta Severo

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.