fbpx

Monique Lafond

Biografia

Monique de Gormaz Lafond, em arte mais conhecida como Monique Lafond, é uma Atriz brasileira nascida no Rio de Janeiro no dia 09 de fevereiro de 1954.

Filha de franceses, Monique Lafond começou sua carreira ainda criança fazendo comerciais. Aos 11 anos, participou do espetáculo musical Música Divina Música, uma versão do filme A Noviça Rebelde, que foi trazido da Brodway. Logo em seguida, teve a oportunidade de trabalhar três anos ao lado de Glauce Rocha, Darlene Glória e Jorge Dória, na peça Os Pais Abstratos, de Pedro Bloch, com direção de João Bethencourt.

Em 1969, Monique Lafond faz seu debut no cinema nacional no longa-metragem Um Uísque Antes… Um Cigarro Depois. Em 1970, profissionalizou-se como modelo e manequim, e ingressou definitivamente na sétima arte, onde trabalhou em mais de 50 filmes. Em 1980, recebeu o Premio Air Frace, hoje Louis Lumière, como melhor atriz do filme Eu matei Lúcio Flávio. Participou de vários filmes como Os Trapalhões, foi musa do cineasta Walter Hugo Khoury – com quem trabalhou diversas vezes, destacando-se no longa-metragem Paixão e Sombras, que defendeu o Brasil no Festival San Sebastian, na Espanha, em 1976.

Na TV, foi convidada para ser Senhorita Júlia, sob direção de Antunes Filho, e trabalhou em Os Ossos do Barão, Fogo Sobre Terra, A Moreninha, Coração Alado, e em varias outras novelas.

No teatro, participou de vários espetáculos de sucesso como A Gaiola das Loucas, Constantina, Tributo, Um Edifício Chamado 200, O Santo e o Bicheiro, entre outros.

Em 1999, fez parte do elenco da superprodução musical O Abre Alas, sobre a vida de Chiquinha Gonzaga, e do documentário, Al-5 o Dia que Nunca Existiu.

Desde 1998, ministra aulas de teatro para terceira idade. Atualmente está coordenando e dirigindo a Oficina de Teatro na Idade da Sabedoria, para maiores de 40 anos, no Teatro Gláucio Gil, em Copacabana.

Em 2003, Monique Lafond se a associou à produtora de vídeo digital e multimídia, Impar Produções.

Dando continuidade ao seu trabalho com a melhor idade, em julho de 2007, Monique Lafond começou a coordenar o Centro de Convivência Cultural da Idade da Sabedoria, no Teatro Gláucio Gil, que oferece oficinas de canto coral, dança contemporânea, história da arte, roda de leitura e criação literária. A partir daí, tem dirigido vários espetáculos teatrais com seus alunos no elenco, entre eles Lisístrata, de Aristófanes, apresentado em novembro de 2009, no Teatro Henriqueta Brieba (RJ).

Em 2017, após oito anos longe dos palcos, Monique Lafond comemorará 50 anos de carreira no Teatro Princesa Isabel com a peça 4 na Kitchenete.

Filmografia

2012 :: Billi Pig
2002 :: Lara, Ana Maria Magalhães
1995 :: As Feras, Walter Hugo Khouri
1991 :: Não Quero Falar Sobre Isso Agora, Mauro Farias
1988 :: O Diabo na Cama, Michele Massimo Tarantini
1987 :: Leila Diniz, Luiz Carlos Lacerda
1987 :: Eu, Walter Hugo Khouri
1987 :: Sonhos de menina moça
1986 :: Fulaninha, David Neves
1984 :: Amor Maldito, Adélia Sampaio
1984 :: Memórias do Cárcere, Nelson Pereira dos Santos
1983 :: Giselle, Victor di Mello
1983 :: Tudo na Cama, Antonio Melliande
1983 :: Fuscão Preto, Jeremias Moreira Filho
1982 :: Retrato Falado de Uma Mulher Sem Pudor, Jair Correia e Hélio Porto
1982 :: Luz Del Fuego, David Neves
1982 :: Os Campeões, Carlos Coimbra
1981 :: Prazeres Permitidos, Antonio Meliande
1981 :: Eros, O Deus do Amor, Walter Hugo Khouri
1981 :: A Mulher Sensual, Antonio Calmon
1980 :: Um Menino, Uma Mulher, Roberto Mauro
1979 :: Eu matei Lúcio Flávio, de Antonio Calmon
1979 :: Amante Latino, Pedro Carlos Róvai
1977 :: Emanuelle Tropical, de J. Marreco
1977 :: O Trapalhão nas Minas do Rei Salomão, de J. B. Tanko
1977 :: O Pequeno Polegar contra o Dragão Vermelho, de Victor Lima
1977 :: Paixão e Sombras, Walter Hugo Khouri
1976 :: Ladrão de Bagdá, O Magnífico, Victor Lima
1975 :: Enigma para Demônios, Carlos Hugo Christensen
1975 :: Ipanema, Adeus, Paulo Roberto Martins
1975 :: Com Um Grilo na Cama, Gilvan Pereira
1974 :: Robin Hood, O Trapalhão da Floresta, J. B. Tanko
1974 :: Motel, Alcino Diniz
1973 :: As Moças Daquela Hora, Paulo Porto
1973 :: Aladim e a Lâmpada Maravilhosa, J. B. Tanko
1972 :: Salve-se quem puder, J. B. Tanko
1972 :: Os Machões, Reginaldo Farias;
1972 :: Independência ou Morte, Carlos Coimbra
1971 :: Bonga, o Vagabundo, Victor Lima
1970 :: Ascensão e Queda de um Paquera
1969 :: Um Uísque Antes, Um Cigarro Depois, Flávio Tambellini
1968 :: Até que o Casamento nos Separe, de Flávio Tambellini

Bibliografia

Links de Referência

OGLOBO. Coluna Anselmo Góis. Volta aos palcos. 13 de dezembro de 2016.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/monique-lafond/

IMDB. http://www.imdb.com/name/nm0480933/

MONIQUE LAFOND – SITE OFICIAL. http://www.moniquelafond.com.br/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

2 comentários sobre “Monique Lafond

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.