fbpx

Mostra do Filme Livre 2016

Evento

LOGO MFL 2016A 15ª edição da Mostra do Filme Livre aconteceu em 2016, quando 205 filmes foram exibidos gratuitamente. As obras selecionadas representam diversos gêneros, formatos e durações nesta que foi, até então, a maior mostra de filmes independentes do Brasil. Estão na programação 35 longa-metragens, diversos debates e quatro oficinas de vídeo.

De curtas infantis (alguns feitos por crianças) a longas erotizados, sem esquecer os documentários e filmes não narrativos, abstratos e/ou videoartes que passam em loop por seis horas nas Cabines Livres, tem de quase tudo na MFL. E olha que apenas quinze por cento dos inscritos foram selecionados. São duzentos filmes que mostram a versatilidade, a poesia e potência do cinema possível brasileiro, afirmou Guilherme Whitaker, um dos curadores da Mostra, ao lado de Gabriel Sanna, Chico Serra, Diego Franco, Ricardo Mansur e Pedro Dantas.

A MFL distribuiu os filmes em sessões diferenciadas. Um dos destaques foi a inédita Panaméricas Latinas, já que pela primeira vez a mostra recebeu e selecionou filmes livres de outros países da América do Sul. Um deles, o Chile, teve inclusive uma sessão específica, a Especial Chile em Cine.

As demais sessões são estas:

Longas Livres – os 6 longas mais significativos na opinião da curadoria;

Panoramas Livres – os 20 curtas e médias que mais instigaram a curadoria, de onde saem a maioria dos premiados de cada edição;

Mundo Livre – filmes que, assim como aqueles dos Panoramas Livres, saltaram aos olhos da curadoria pela ousadia e originalidade, feitos por brasileiros fora do Brasil em condições distintas, onde o estranhamento frente ao espaço filmado interfere diretamente na linguagem.

Territórios – filmes que partem de questões locais muito específicas, mas que têm em comum a busca por um tempo inerente a cada espaço filmado;

Biografemas – conjunto de filmes que traçam um diálogo com obras de artistas em diferentes tempos e linguagens;

Destaque Cristiano Burlan – filmes com a marca da liberdade e da energia do cienasta paulista, com debate;

Destaque Louise Botkay – filmes usando telefone celular, vídeo, película super-8, 16 e 35 milímetros, muitas vezes revelados “à mão”, com debate;

Destaque Pedro Dantas – com obras da filmografia poética e documental deste paulistano radicado no Chile, com debate;

Destaque Autores Livres – curtas e longas de realizadores ímpares, com produções totalmente livres e instigantes, alguns já premiados e/ou homenageados na MFL;

Pílulas – com 19 filmes de até três minutos;

Outro Olhar – com filmes que a curadoria identificou uma qualidade de invenção e esforço no sentido de experimentar a linguagem audiovisual;

Cabine Livre – espaço para a exibição, em loop, de filmes mais abstratos e não narrativos, que passam por 6 horas seguidas em cabines individuais e/ou em salas adaptadas para este fim – a forma da cabine depende de cada CCBB);

Mostrinha Livre – curtas diferenciados para crianças;

Trash ou Cinema de Gênero? – filmes e debates sobre o preconceito que existe em se fazer cinema de gênero no Brasil, que muitas vezes é associado – pejorativamente – ao termo “trash”;

Caminhos – sessão com filmes feitos em oficinas e/ou escolas de cinema, e

Coisas Nossas – filmes feitos pelos curadores e/ou produtores da MFL.

Premiação MFL:

A curadoria da Mostra do Filme Livre assiste e discute todos os filmes inscritos, a fim de fazer a seleção e a programação do evento. Ela define também quais as obras que se destacaram para serem premiadas com o troféu Filme Livre!. Os realizadores contemplados são convidados a virem na mostra carioca para receberem o troféu e conversarem com o público após a exibição de seus filmes.

Selecionados

Longas:

O Signo das Tetas
Todas as cores da noite
O que eu poderia ser se eu fosse
Tropykaos
Como era gostoso o meu Cafuçu
A Seita
Proxy Reverso

Curtas e Médias:

Je proclame la Destruction
Subsolos
Auto Copa Park
Rua Cuba
São Paulo com Daniel
Cinzas
Outubro acabou
Cinemão
Lembranças de Mayo
A Festa e os Cães
O rosto da mulher endividada
Monstro
Uma linha
20.000

Bibliografia

Internet:

MFL. Disponível no endereço: http://mostradofilmelivre.com/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

4 comentários sobre “Mostra do Filme Livre 2016

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.