fbpx

Ney Latorraca

Biografia

Antonio Ney Latorraca, em arte mais conhecido como Ney Latorraca, é um ator brasileiro nascido na cidade paulista de Santos no dia 25 de julho de 1944.

Filho de um crooner e de uma corista que se apresentavam em cassinos, teve como padrinho de batismo o ator Grande Otelo, tendo crescido já no meio artístico. Dois anos após seu nascimento, um decreto do presidente Eurico Gaspar Dutra fechou os cassinos, perdendo assim a sua família seu principal meio de sobreviver.

Começou cedo sua carreira de ator. Aos seis anos, fez uma participação em uma radionovela da Record. Depois atuou no teatro estudantil e teve sua primeira oportunidade profissional por volta dos 20 anos de idade, ao ser aprovado para integrar o elenco da peça Reportagem de Um Tempo Mau, em 1965, que teve apenas uma apresentação no Teatro de Arena, tendo sido proibida pela Censura Federal.

Após atuar em três peças encenadas por um grupo universitário, decidiu cursar a Escola de Arte Dramática, antes dela passar a funcionar na Universidade de São Paulo. Nos três anos de curso, teve aulas de história do teatro, expressão corporal, mitologia, mímica, esgrima, maquiagem, dicção e interpretação com grandes professores, como Ziembinsky e Antunes Filho, entre outros. Dentre seus colegas de turma estava a atriz e autora Jandira Martini. Durante este período, arranjou empregos paralelos para se manter, trabalhando em uma agência bancária e em uma loja de roupas femininas. Atuou também em diversas peças teatrais. Sua madrinha de formatura foi a atriz Marília Pêra.

Ingressou na TV fazendo figuração na Tupi. Participou do seriado Alô, Doçura, em 1953, da novela Beto Rockfeller, em 1968, e ainda fez uma participação de três capítulos na novela Super Plá, em 1969. Depois fez uma passagem pela TV Cultura, onde trabalhou em um teleteatro, encenando Yerma.

Durante a década de 1970, atuou em diversas montagens teatrais, entre elas Hair, de 1970; Jesus Cristo Superstar, de 1972; Bodas de Sangue, de 1973; e A Mandrágora, de 1975. Ainda, por intermédio da atriz Lilian Lemmertz, foi contratado pela Record, trabalhando em cinco novelas, que foram O Tempo Não Apaga e Quero Viver, ambas de 1972, Eu e a Moto, Vidas Marcadas e Venha Ver o Sol Nascer na Estrada, ambas de 1973.

Sua estréia na TV Globo foi, em 1975, na novela Escalada, no papel do playboy Felipe, apaixonado pela professora de piano Fernanda, interpretada por Nathalia Timberg. Entre seus papéis de destaque na Globo, está o Mederiquis da novela Estúpido Cupido, de 1976, um jovem rebelde dos anos 1960, que se vestia de preto e circulava em uma lambreta batizada pelo próprio ator de Brigite.

Em 1978, apresentou com a atriz Djenane Machado o musical Saudade Não Tem Idade, no qual cantava, dançava e apresentava esquetes. Em 1979, no musical teatral Lola Moreno, contracenou com seu padrinho Grande Otelo. Depois, em 1980, fez uma participação especial na novela Chega Mais, e, no mesmo ano, interpretou Leandro Serrano, que estuprou a cunhada, interpretada por Vera Fischer, na novela Coração Alado. Também em 1980, filmou a versão cinematográfica de O Beijo no Asfalto, e, em 1982, trabalhou na minissérie Avenida Paulista e no filme Das Tripas Coração.

Em 1983, atuou na montagem de O Rei Lear, e, em 1984, se fez presenta na minissérie Anarquistas Graças a Deus, onde interpretou o pai da autora em cujo livro foi baseada a história, Zélia Gattai, mulher de Jorge Amado. Nesse mesmo ano, ainda marcou presença em outra minissérie da emissora, Rabo de Saia, como intérprete do simpático caixeiro-viajante Quequé, que tinha três mulheres. Em seguida, fez uma participação na minissérie Grande Sertão: Veredas e participou da novela Um Sonho a Mais, onde teve a oportunidade de mostrar mais uma vez sua versatilidade ao interpretar cinco personagens diferentes, entre eles uma mulher, Anabela Freire, um dos grandes sucessos da trama. Nesse ano ainda, esteve nas telonas com o filme Ópera do Malandro e dirigiu Passando o Batom, show com o transformista Jane di Castro.

A partir de 1986, inicia sua participação na encenação de O Mistério de Irma Vap, grande sucesso de bilheteria, que permaneceu em cartaz por cerca de onze anos. Contracenando com Marco Nanini numa produção de Marília Pêra, foi essa a primeira peça em que os atores trocavam rapidamente de roupa para cada cena e esse artifício é utilizado hoje em vários outros espetáculos. Também em 1986, integrou o elenco da minissérie Memórias de um Gigolô, no papel do gigolô Esmeraldo. Entre 1988 e 1989, encarnou um de seus personagens mais populares, o velhinho Barbosa, do humorístico TV Pirata.

Deixou a Globo temporariamente, em 1990 para trabalhar na novela Brasileiras e Brasileiros, do SBT. No ano seguinte, na Globo, caiu nas graças do público no papel do Conde Vlad, o chefe dos vampiros da novela Vamp, onde protagonizou cenas memoráveis, como uma imitação do cantor Michael Jackson no clipe da música Thriller. Em 1994, retornou ao SBT, para fazer o remake da novela Éramos Seis. Ao mesmo tempo e posterior a esse trabalho, encenou respectivamente as seguintes peças, O Médico e o Monstro, de 1994, Don Juan, de 1995, e Quartett, de 1996. Em 1997, de volta à antiga casa, trabalhou na novela Zazá, como o vilão Silas Vadan. Depois, em 1999, volta ao teatro para participar da montagem de O Martelo.

Em 2000, fez parte do núcleo cômico da novela O Cravo e a Rosa, formando um trio muito engraçado com Maria Padilha e Eva Todor. Simultaneamente, atuou no espetáculo 3x Teatro. Depois, em 2001, filmou o longa Minha Vida em Suas Mãos, e, em 2002, participou da novela O Beijo do Vampiro, no papel do Conde Nosferatu. Em 2003, deu vida a Bento Ribeiro na minissérie A Casa das Sete Mulheres e, em 2004, na novela Da Cor do Pecado, viveu o falido Eduardo, casado com Verinha, e pai da vilã Bárbara. Posteriormente, em 2005, despontou como um cientista inventor na novela em Bang Bang. Em 2006, protagonizou ao lado do amigo Marco Nanini, o filme Irma Vap – O retorno, baseado na bem-sucedida peça O Mistério de Irma Vap.

Em 2008, estreou no elenco da novela Negócio da China, vivendo o alegre e bem-humorado Edmar, apaixonado por Maralanis e sua filha, a pequena Flor de Lys.

Filmografia

:: Filmografia como Ator ::

2015 :: Introdução à música do sangue
2011 :: O Gerente
2009 :: Topografia de Um Desnudo …. Manoel
2006 :: Irma Vap – O retorno …. Darci/Odete Lopes
2004 :: O diabo a quatro …. Senador Heitor Furtado
2003 :: Viva Sapato! …. Claudionor
2001 :: Minha Vida em Suas Mãos …. Analista
1996 :: For All – o Trampolim da Vitória
1995 :: Brevíssimas histórias da gente de Santos
1995 :: Carlota Joaquina – Princesa do Brazil …. Jean-Baptiste Debre
1994 :: Dente Por Dente
1989 :: Festa …. Ator
1988 :: A Mulher do Atirador de Facas
1988 :: A Bela Palomera …. Orestes
1986 :: Ele, o Boto …. Rufino
1985 :: Ópera do Malandro …. Tigrão
1984 :: O Beijo no Asfalto …. Arandir
1982 :: O Grande Desbum
1979 :: Uma Estranha História de Amor …. Daniel
1979 :: Das Tripas Coração
1978 :: O Grande Desbum
1977 :: Anchieta, José do Brasil …. Anchieta
1976 :: Deixa Amorzinho… Deixa …. Dino/Dalma
1974 :: Sedução
1973 :: A Noite do Desejo …. Toninho
1969 :: Audácia: A Fúria dos Desejos

:: Filmografia como Ele Mesmo ::

2009 :: Fumando espero
2007 :: Person, um cineasta de São Paulo

Bibliografia

Fontes de Referência

Livros:

ALMEIDA, Paulo Sérgio; OLIVEIRA, José Maria de. (org.). Quem é Quem no Cinema. Rio de Janeiro: Iluminuras, 2003.

CARVALHO, Tania. Ney Latorraca: uma celebração. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004.

Internet:

FILMEB. http://www.filmeb.com.br/ – Filme B – Brasil

NEY LATORRACA – SITE OFICIAL. http://www2.uol.com.br/neylatorraca/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

3 comentários sobre “Ney Latorraca

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.