fbpx

Ney Matogrosso

FOTO Ney MatogrossoNey de Souza Pereira, em arte mais conhecido como Ney Matogrosso, é um cantor, ator, diretor e produtor musical, iluminador e artista multifacetado brasileiro nascido na cidade de Bela Vista, fronteira do Estado do Mato Grosso do Sul com o Paraguai, no dia 01 de agosto de 1941.

Como artista, demonstrou seus dotes artísticos desde criança. O contato mais intenso com a música, porém, só se deu na adolescência, quando participou de festivais universitários e integrou um quarteto vocal. Depois disso, Ney Matogrosso deixou a música de lado, passou a se dedicar ao teatro e chegou a se mudar para o Rio de Janeiro, em 1966, disposto a se tornar um ator de sucesso.

Durante esta época de transição, conheceu João Ricardo, que estava à caça de uma voz soprano para seu conjunto musical, o Secos & Molhados. Ney resolveu partir para São Paulo e incorporar o sobrenome Matogrosso (que já pertencia a seu pai). Em pouco tempo, o grupo ganhou projeção nacional e, cerca de um ano e meio após suas primeiras apresentações, os músicos já computavam cerca de um milhão de discos vendidos. O moço de Bela Vista, já com a maquiagem e os requebros característicos, havia se tornado atração controversa em todo o país, driblando o preconceito com uma presença cênica raras vezes igualada em palcos brasileiros.

Em 1974, poucos dias após o lançamento do segundo trabalho do Secos & Molhados, minado por conflitos internos, o grupo decidiu paralisar suas atividades. Ney, então, partiu em carreira-solo e, já no ano seguinte, estreou em disco e saiu em turnê com o polêmico show Homem de Neanderthal. Em 1976, foi lançado Bandido, LP com sonoridade mais simples e que trouxe em seu repertório os sucessos Bandido Corazón e Mulheres de Atenas, além de Trepa no Coqueiro e Pra Não Morrer de Tristeza.

Ainda nos anos 70, vieram discos e espetáculos como Pecado (de Da Cor do Pecado e Sangue Latino), Feitiço (Não Existe Pecado ao Sul do Equador) e Seu Tipo (Rosa de Hiroshima). Ney Matogrosso se firmou como intérprete recorrentes das obras de Chico Buarque e Eduardo Dussek (então um nome da renovação na música brasileira). Em 1980, realizou uma turnê promocional com o Secos & Molhados (que resultou em um disco ao vivo, gravado no Rio de Janeiro) e deu prosseguimento em sua carreira com Sujeito Estranho.

A década da abertura política no Brasil viu um Ney bastante ativo. Ele viajou a lugares como Argentina, Uruguai, Portugal, Israel e Itália (onde gravou com Astor Piazzola). Atuou em filmes Sonho de Valsa (1987) e Caramujo-Flor (1988). Apadrinhou a geração do rock brasileiro, desde Eduardo Dussek ao Barão Vermelho (que fez estourar, ao gravar Pro Dia Nascer Feliz) e dirigiu shows de RPM e Cazuza. Seus álbuns mais significativos deste período vieram em sequencia: Ney Matogrosso (1981), com o hit Homem Com H, Mato Grosso (1982), de Por Debaixo dos Panos, e Pois É (1983), que incluiu a impagável Calúnias? Telma Eu Não Sou Gay, versão de Léo Jaime responsável por lançar o grupo João Penca & Seus Miquinhos Amestrados.

Em 1986, ele surpreendeu as plateias na turnê A Luz do Solo, realizada sem fantasias ou maquiagem e com economia de rebolados. Foi o começo de uma fase em que a teatralidade ficava em segundo plano e a música assumia seu papel principal. Ney passou a se concentrar em um repertório mais clássico, com temas tradicionais como No Rancho Fundo e Aquarela do Brasil.

Depois de lançar seu primeiro Ao Vivo em 1989, Ney gravou em duo com o violonista Rafael Rabello (À Flor da Pele, lançado em 1990) e, abraçando novamente a inovação, uniu-se ao grupo instrumental Aquarela Carioca (em 1993, As Aparências Enganam). Desde então, sua trajetória prosseguiu linear e vasta em homenagens aos ídolos – como Ângela Maria (Estava Escrito, 1994), Chico Buarque (Um Brasileiro, 1996), a dupla Tom Jobim e Villa-Lobos (O Cair da Tarde, 1997) e Carmem Miranda (Batuque, 2001), quase sempre sob a direção musical impecável de Leandro Braga. E constantemente lançando novos compositores, como Pedro Luís e Fred Martins.

Como iluminador de espetáculos, tem supervisionado toda a produção da área em suas próprias apresentações e também merece destaque seu trabalho de iluminação e seleção de repertório no show Ideologia (1988) de Cazuza e no show Paratodos de Chico Buarque em 1993, ao que afirma: quero que as luzes provoquem sensações nas pessoas. Ney Matogrosso também tem atuado recentemente no cinema: estreou em 2008 no curta-metragem Depois de Tudo, dirigido por Rafael Saar, e no filme Luz nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha (2010), dirigido pela cineasta Helena Ignez.

Nos últimos anos, além de continuar fazendo show e lançando seus respectivos CDs/DVDs, vem trabalhando como ator em filmes como Homem-Ave (2010), Fca Carla (2011), O Primeiro dia de um ano qualquer (2012) e Poder dos afetos (2013), Olho Nu (2013), Ralé (2015), De gravata e unha vermelha (2015), Gosto de Fel (2016).

Filmografia

:: Filmografia como Ator ::

2018 :: Boni Bonita
2017 :: Não Devore Meu Coração
2016 :: Gosto de Fel
2015 :: De gravata e unha vermelha
2015 :: Ralé
2013 :: Olho Nu
2013 :: Poder dos afetos
2012 :: O Primeiro dia de um ano qualquer
2011 :: Fca Carla
2010 :: Luz nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha
2010 :: Homem-Ave
2008 :: Depois de tudo
2005 :: Diário de um Mundo Novo
1988 :: Caramujo-Flor
1987 :: Sonho de Valsa

:: Filmografia como Ele Mesmo ::

2021 :: Aquilo que Eu Nunca Perdi
2016 :: Lampião da Esquina
2014 :: O Samba
2013 :: Olho Nu
2009 :: Dzi Croquettes
2009 :: Alô Alô Terezinha

Bibliografia

Livros:

DIP, Paula. Para Sempre Teu, Caio F.: Cartas, Conversas, Memórias de Caio Fernando Abreu. Rio de Janeiro: Record, 2009.
MATOGROSSO, Ney; MELLO, Ramon Nunes. Ney Mato Grosso Vira-Lata de Raça – Memórias. São Paulo: Tordesilhas, 2018.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Ney Matogrosso. Disponível no endereço: https://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/ney-matogrosso/
NEY MATOGROSSO. Disponível no endereço: http://www2.uol.com.br/neymatogrosso/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]