fbpx

O pão que o diabo amassou (1958)

POSTER O Pao que o diabo amassouÁlvaro dirige uma agência de penhoras e agiotagem com dois empregados, Marcelino, também conhecido por Borboleta, e Afonso, um jogador inveterado. Entre os seus clientes estão Maria, que pediu empréstimo para cuidar do marido doente, e Pedro de Carvalho, que deixa de pagar uma promissória de 200 contos. Álvaro é viúvo, vivendo com a família composta dos filhos Ana e Mário. O genro Jorge tem um diploma de advogado recebido na Itália sem validade no Brasil, estando desempregado. Ele despreza o genro, a quem acusa de viver de favor, não lhe dando emprego na sua agência. A filha Aninha também tem problemas financeiros, mas o pai a socorre. Para ajudar o irmão que deu um desfalque na loja em que trabalhava, Aninha é obrigada a se prostituir com a cafetina Amália. Entre as meninas de Amália está Ida. Pedro de Carvalho aparece para resolver sua dívida com Álvaro. O agiota lhe dá 24 horas para pagar a promissória. Desesperado, Pedro o aguarda na saída do escritório para matá-lo, porém desiste. Ida propõe um negócio a Álvaro sobre um casaco de peles de uma amiga, levando-o até seu apartamento onde o seduz. A família aguarda o pai para o jantar. Jorge está feliz porque conseguiu o emprego de sub-contador numa fábrica. O pai chega tarde da casa de Ida e sobe direto para o quarto, queimando uma foto da prostituta. No dia seguinte, Borboleta aparece com a notícia de que Pedro se suicidou, deixando uma carta comprometedora contra Álvaro. Afonso aparece para resgatar a sua dívida na agência em que era empregado, já que sua mulher recebeu uma participação sobre o negócio na Itália. Ida aparece na casa de Álvaro para interceder sobre a dívida de Maria. É recebida por Ana, a quem reconhece do bordel. Enquanto Ida delata a Álvaro a prostituição de Ana, Jorge e Mário chegam em casa vindos de um salão de bilhar. Jorge, ao saber da ação de Ana, se desespera. Mário revela que era um ladrão desde criança por culpa do pai que nunca lhe deu qualquer apoio. Somente Ana lhe foi prestativa para a cobertura do desfalque de 10 contos. Mário joga a chave da casa na mesa, abandonando o lar. Jorge perdoa Ana e o casal também sai de casa para sempre. Álvaro termina só, cercado de promissórias de devedores.

O Pão que o Diabo Amassou foi a estreia no cinema brasileiro de Maria Basaglia, que já havia dirigido filmes na Itália, mas depois aportou por aqui na década de 50 – época da Segunda Guerra Mundial – com o marido, o produtor Marcelo Albani. Ainda por aqui, ela dirigiria a comédia de costumes Macumba na Alta (1959), e o casal fundaria a Paulistânia Films e o estúdio de dublagem Odil Fono-Brasil.

O Pão que o Diabo Amassou é um melodrama, com argumento e roteiro também assinados por Basaglia, que reúne alguns nomes da nata teatral da época: Jayme Costa, Ítalo Rossi, Elizabeth Henreid, Wanda Kosmo, Liana Duval. A trama gira em torno do agiota Álvaro, interpretado com brilho por Jayme Costa, afogado em avareza e crueldade não só com seus clientes, mas também com toda a sua família.

Elenco

Jayme Costa …. Alvaro
Liana Duval …. Aida
Ítalo Rossi …. Borboleta
Elizabeth Henreid …. Ana
Carlos Zara …. Jorge
Egydio Eccio …. Mário
Osmano Cardoso
Pola Astri
Wanda Kosmo
Paola Armani
Gilberto Chagas

Geraldo Ferraz
Raul Cortez
Cavaignolle Neto
Guilherme Corrêa
Alceo Nunes
Rubens de Falco
Dirceu Nunes
Douglas Norris

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de O pão que o diabo amassou (1958) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Maria Basaglia
Roteiro: Maria Basaglia
Estória Estória de Maria Basaglia
Assistência de direção: Maximo Barro e Mondiano, Franca B.
Assistência de continuidade: Mondiano, Franca B.
Produção: Albani, Marcelo
Direção de produção: Fragano, Adone
Coordenação de produção: Commiso, Silvano
Direção de fotografia: Luca, Giulio de
Assistência de fotografia: Romeo, Giuseppe
Cenografia: Forzenigo, Renzo
Responsável por construções: Ribeiro, Walter
Contra-regra/acessórios de cenografia: Santos, Samuel dos
Maquiagem: Torres, Flavio
Montagem: Maximo Barro
Técnico de som: Costa, Juarez Dagoberto da
Música de: Liszt, Franz
Música de: Roberto, Franciso
Orquestração: Paes, Luiz Arruda
Companhia Produtora: Paulistania Film S.A.
Companhia Distribuidora: Fama Filmes S.A.

Bibliografia

Fontes utilizadas:
CB/Transcrição de letreiros-Cat
AV/ICB
CENS/I

Fontes consultadas:
ACPJ/I
LRB/CP

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. O pão que o diabo amassou. Disponível no endereço: https://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/o-pao-que-o-diabo-amassou/

Observações:
Fundo musical baseado na de .
ACPJ/I inclui no elenco: ; e .

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “O pão que o diabo amassou (1958)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.