fbpx

O Verbo se fez Carne (2019)

A invasão dos europeus em Abya Yala nos deixou cicatrizes. Ziel Karapotó utiliza seu corpo para denunciar a imposição da língua do colonizador aos povos indígenas, uma face do projeto colonialista.

Ziel Karapotó

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de O verbo se fez carne (2019) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Ziel Karapotó Roteiro: Ziel Karapotó Produção executiva: Ziel Karapotó Fotografia: Tata Quintero e Karkará Xukuru Direção de arte: Ziel Karapotó e Tata Quintero Cenografia: Ziel Karapotó Figurino: Ziel Karapotó Montagem: Karkará Xukuru Som direto: Karkará Xukuru Edição de som: Karkará Xukuru Mixagem: Karkará Xukuru Brasil | cor | Digital | 7 min. | 2019 | PE

Internet:

23ª MOSTRA DE CINEMA DE TIRADENTES. http://mostratiradentes.com.br/programacao/filme/3568
HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. O Verbo se fez Carne. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/o-verbo-se-fez-carne/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.