fbpx

Olhar e Sensação (1994)

Sinopse

Vôo livre na direção da memória, do instinto, do olhar e das sensações. Busca obsessiva de ângulos inesperados do Vale do Anhangabaú. A cidade incógnita através da pupila do animal enjaulado. Autor e criança mergulham além de suas janelas. Todos os caminhos acabam num túnel. A herança de Ló no olhar de pedra do ser inerte, onde abelhas fizeram sua colméia. Cinema aspirando à pintura e ao traço; rascunhos da relação amor-ódio entre o artista e a sua cidade.

Realizado por ocasião do evento multimídia Arte/Cidade e primeiramente exibido em sua versão muda na parede suja de um prédio do Vale do Anhangabaú, “Olhar e Sensação” foi uma investida no cinema conceitual. Tratava-se de exibir aos pedestres que passam diariamente no local, imagens com as quais estivessem familiarizados, mas com um olhar diferenciado, de forma a parecer absolutamente inéditas, como se as imagens projetadas na parede funcionassem à maneira de um espelho deformador, capaz de revelar a alma e o sentido do cenário urbano. Por insistência de Nélson Brissac Peixoto, curador do evento Arte/Cidade, e a quem o filme é dedicado, Reichenbach concluiu e sonorizou o filme, inspirando-se em “Auto-Retrato de Dezembro” de Jean Luc Godard. Refletir na hora da montagem sobre os motivos que o levaram à captar aquelas imagens da cidade foi a concepção que determinou a existência de “Olhar e Sensação” como filme sonoro. Reichenbach compôs a trilha musical norteado por estes conceitos, e encontrou nas páginas de “A Consciência de Zeno” a tradução literal de seu inconsciente transfigurado nas imagens filmadas.

A estátua “O Semeador”, do escultor veronês Gaetano Fraccaroli, cuja obra buscava a expressão capaz de traduzir a vida a cada instante, busca remeter ao mito de Ulysses, numa alusão a um dos filmes preferidos de Reichenbach, “Le Mépris” de Godard. A própria música composta para a cena se inspira no “Tema de Ana Magdalena” de Johann Sebastian Bach, referência básica da trilha musical de George Deleure para o clássico francês.

O menino que aparece nas fotos antigas é o próprio realizador. Não é por acaso que na fotografia escolhida para encerrar o filme, Reichenbach apareça de mãos dadas com o seu pai, precocemente falecido, caminhando por uma estrada vazia. Esta imagem ao som de ondas em movimento é quase uma síntese do seu cinema.

Reichenbach lamenta não ter podido filmar um close de um waterbruck, animal de origem australiana, que ele considera o mais belo ser vivo da face da Terra. O único casal existente no Brasil desta raça de cervos, não estava disponível no Zoológico de São Paulo, no dia das filmagens. “Gostaria de ter encerrado ‘Olhar e Sensação’ com uma fusão dos olhos do animal dono de uma beleza quase prosaica, sobre a fotografia de pai e filho.”. No curta metragem seguinte, “Equilíbrio & Graça”, o diretor pode incluir vários planos do “ser vivo mais perfeito do planeta”, como afirmava o ex-diretor do Zoológico de São Paulo, o professor Dr. Faiçal Simon.

A primeira exibição pública da versão sonora aconteceu no Museu da Imagem e do Som (MIS), em 21 de Outubro de 1994.

Ficha Técnica

Filme e música de Carlos Reichenbach

Texto extraído de “A Consciência de Zeno”, de Italo Svevo

Fotografia de Conrado Sanchez

montagem e edição de Cristina Amaral

assistente geral Sérgio Concílio

Diretor de produção: Eduardo Santos

Produção executiva de Sara Silveira e Sérgio Cotrim

produtores

Secretaria da Cultura do estado de São Paulo

Museu da Imagem e do Som

Dezenove Som e Imagens

Carlos Reichenbach & Equipe

35mm, Colorido, 10′

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.