fbpx

Os Trapalhões e o Rei do Futebol (1986)

Sinopse

O time do Galinheiro Futebol Clube, formado por peladeiros eméritos, tem como técnico Cardeal, assessorado por três auxiliares diretos: Elvis, ex-jogador como Cardeal; Fumê, cozinheiro do Independência Futebol Clube, grande time no qual Cardeal também trabalha como roupeiro; e Tremoço, sambista e compositor. Os quatro dirigem e são os maiores craques do Galinheiro.

Mas Cardeal e Fumê preocupam-se com o time para o qual trabalham, que precisa de uma vitória para conseguir disputar o campeonato, após três derrotas consecutivas. O clube enfrenta uma crise interna causada pelo afastamento de seu presidente que adoeceu e deixou o Independência sob o controle de seu assessor mais direto, o Dr. Velhaccio. Este aspira à presidência do clube, mas enfrenta a oposição do Dr. Barros Barreto, outro virtual candidato, e sua legião de cartolas.

O time perde, o técnico é demitido pelo Dr. Barros Barreto à revelia do Dr. Velhaccio que, furioso, faz de Cardeal o novo técnico, pensando numa outra derrota do Independência, já que não acredita em sua competência. Além disso, poderia culpar seu opositor, que demitiu o antigo técnico.

Ao assumir o cargo, Cardeal é ajudado por seus três amigos e mais pelo repórter Nascimento, que tem uma coluna diária, além de Aninha, moça que trabalha no bar do clube e pela qual Cardeal tem paixão secreta e do goleiro Sansão, amor oculto de Aninha.

Nascimento e Cardeal são amigos de infância e o repórter divulga o resultado de seu trabalho na coluna de seu jornal. Após virar o técnico do Independência, Cardeal conquista diversas vitórias para o time, ficando famoso até internacionalmente. Seus métodos de treinamento também ficam conhecidos já que usa pastores alemães para correr atrás dos jogadores para treiná-los em velocidade e os leva a boates em véspera de jogos.

O Dr. Vellaccio, porém, irrita-se com os bons resultados e manda que seu guarda-costas Edésio seqüestre Cardeal, às vésperas da decisão do campeonato a fim de que o Independência perca a partida. Após várias tentativas frustradas, o Dr. Velhaccio decide realizar o seqüestro de Aninha, no início do jogo decisivo. Edésio e alguns capangas conseguem.

Cardeal ao saber do seqüestro, desespera-se, e tira o ânimo dos jogadores que começam a perder o jogo. Entretanto, Nascimento, Fumê, Elvis e Tremoço decidem procurar Aninha e ao encontrá-la correm para o estádio. Ao vê-la, Cardeal decide entrar em campo como jogador para substituir em beque expulso. A mesma atitude toma Nascimento que assume o lugar de um artilheiro contundido, seu sósia.

O Independência torna-se campeão e o presidente do clube retorna. Dessa forma, os cartolas têm que terminar com suas brigas internas e nada faturam politicamente. Cardeal, em sua pelada, na semana seguinte, inventa uma nova modalidade de futebol que se torna conhecida mundialmente.

Elenco

Mussum …. Fumê
Renato Aragão …. Cardeal
Dedé Santana …. Elvis
Zacarias …. Tremoço
Edson Arantes do Nascimento …. Pelé
Maurício do Valle …. Edézio
Luiza Brunet …. Aninha
José Lewgoy …. Dr. Velhaccio
Milton Moraes …. Dr. Barros Barreto
Cazaré (Pipoqueiro)
Ibraim, Marcelo (Sansão)
Ramos, José (Jorjão)
Henning, Edu (Porteiro)
Gaspar, Yuri (Menino atiradeira)
Barros, Sávio de (Juiz de “Fim de Mundo”)
Salles, Jorge (Juiz do Indepêndencia X Gavião)

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Os Trapalhões e o Rei do Futebol (1986) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Carlos Manga
Argumento: Aragão, Renato; Pelé
Roteiro: Silva, Aguinaldo; Linhares, Ricardo
Direção de produção: Ferreira, Caique Martins
Produção executiva: Aragão, Paulo; A. Neto, Paulo
Assistência de direção: Bourq, Márcia
Continuidade: Erthal, Rita; Aragão, Denise Romita
Direção de fotografia: Moura, Edgar; Araújo, Lula
Câmera: Moura, Edgar
Assistência de câmera: Moraes, Tuca; Yamada, Marcelo; Moraes, César; Avelar, Marcos; Ratinho, Sérgio
Direção de som: Lemos, Hélio
Técnico de som: Quinto, Romeu
Montagem: Cury, Marco Antonio
Montagem de som: Lemos, Hélio
Figurinos: Rangel, Carlinhos; Penido, Madu
Cenografia: Maia, Irênio
Maquiagem: Pacheco, Antônio
Direção musical: Saraceni, Sérgio Guilherme
Companhia(s) produtora(s): Renato Aragão Produções Artísticas S.A.; Pelé-Saad Comunicações e Empreendimentos Ltda.
Companhia(s) distribuidora(s): Embrafilme – Empresa Brasileira de Filmes S.A.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “Os Trapalhões e o Rei do Futebol (1986)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.