fbpx

Pedro Paulo Rangel

Biografia

Pedro Paulo Marques Rangel, em arte conhecido como Pedro Paulo Rangel, é um ator, diretor, tradutor, arranjador e letrista brasileiro nascido na cidade do Rio de Janeiro (RJ) no dia 29 de Junho de 1948.

Filho do casal de funcionários públicos Alzira Marques Rangel e Lélio Rangel, desde cedo esteve envolvido com o teatro. Com quatorze anos começou a fazer teatro amador no clube que frequentava e escreveu a peça Quando os Pais Entram de Férias.

Abandonou o Exército, a qual era subordinado a Martinho da Vila, então Sargento, para dedicar-se ao teatro.

Convidado a integrar o elenco da peça infantil O Bruxo e a Rainha, de Pedro Reis, na Igreja de Santa Terezinha, em Copacabana, conheceu o ator Marco Nanini, com quem fez o curso de Formação de Atores no Conservatório Nacional de Teatro, atual Escola de Teatro da Universidade Federal do estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).

Teve a sua primeira experiência em teatro profissional em 1968, em plena ditadura militar, atuando na peça Roda Viva, de Chico Buarque de Hollanda, sob a direção de José Celso Martinez Corrêa, deslocando-se para São Paulo.

Estreou na televisão em Toninho On The Rocks, ao lado de Antonio Marcos. Nas novelas, sempre foi coadjuvante, com exceção a novela O Noviço, de 1975, em que foi o protagonista principal. Entre outras, participou de Vale Tudo (1988), Pedra sobre Pedra (1992) e Pecado Capital (1998).

Com o Grupo Oficina fez, em 1969, a peça Galileo Galilei, de Bertolt Brecht, direção de Zé Celso Martinez Corrêa; lá Jô Soares conheceu seu trabalho e o levou para fazer Romeu e Julieta, de W. Shakespeare. Em 1970 fez seu primeiro protagonista, “Jorginho, o Machão”, de Leilah Assumpção, direção de Clovis Bueno. Em 1972, atuou na peça Castro Alves Pede Passagem, de Gianfrancesco Guarnieri, e voltou ao Rio de Janeiro.

Em 1982, recebeu seu primeiro Prêmio Moliére de melhor ator, por seu trabalho na peça A Aurora da Minha Vida, de Naum Alves de Sousa. Anos depois, ganharia mais dois: em 1989, pela atuação em Machado em Cena – Um Sarau Carioca, de Luís de Lima; e em 1994, por sua interpretação como o Padre Antônio Vieira, no monólogo O Sermão da Quarta-feira de Cinzas, de Moacir Chaves. Este personagem também lhe valeu os prêmios Shell e Mambembe. Em 1996 recebe o Prêmio Cultura Inglesa’ pelo “Shylock” de “O Mercador de Veneza” de W. Shakespeare. Em 2004 recebe outro “Prêmio Shell” pelo monólogo “Soppa de Letra”

Televisão == Em 1969, fez sua estréia na televisão, na Rede Tupi de São Paulo no elenco da telenovela Super Plá, de Bráulio Pedroso. Ainda na Tupi, participaria de mais duas novelas: Toninho on The Rocks, de Teixeira Filho, em 1970 e, Dinheiro Vivo, de Mário Prata, em 1979.

Em 1972, estreou na TV Globo, a convite do ator e diretor Moacyr Deriquém, na telenovela Bicho do Mato, de Francisco de Assis e Renato Corrêa e Castro. Em seguida, integrou o elenco da novela A Patota, de Maria Clara Machado, contracenando pela primeira vez na televisão com Marco Nanini.

Em 1975, protagonizou o primeiro nu masculino da televisão brasileira, na telenovela Gabriela, adaptação de Walter George Durst. Foi nesse ano também que ganhou seu primeiro protagonista, o jovem aventureiro Carlos de O Noviço, adaptação de Mário Lago. Em 1976, participou de Saramandaia, de Dias Gomes e em 1978, despontou em O Pulo do Gato, de Bráulio Pedroso.

Em 1979, chamado por Walter Avancini, voltou à TV Tupi de São Paulo para fazer a novela “Dinheiro Vivo”, de Mario Prata, direção de José de Anchieta.

De volta ao Rio de Janeiro e à TV Globo em 1981, desta vez, na linha de shows da emissora é convidado por Jô Soares, para integrar o elenco do novo programa do humorista, o Viva o Gordo, no qual interpretou diversos personagens e protagonizou vários esquetes ao lado de Bia Nunnes. A experiência de trabalho com o humor foi tão proveitosa que, anos depois, voltaria a participar de outros programas do gênero, como TV Pirata (1990) e Minha Nada Mole Vida” (2007).

Nos anos 1980 participou de vários humorísticos como Viva o Gordo (1981) e TV Pirata (1988).

Em 1988, participou da telenovela Vale Tudo, Gilberto Braga, como Audálio Polyana, e no mesmo ano, fez parte do elenco da minissérie O Primo Basílio, também de Gilberto Braga.

No ano de 1991, esteve na minissérie O Sorriso do Lagarto, adaptação de Walther Negrão. Em seguida, encarnou o homossexual Adamastor, na novela Pedra Sobre Pedra (1992), de Aguinaldo Silva, e ainda integrou o elenco de O Mapa da Mina (1993), última novela do autor Cassiano Gabus Mendes.

Seus trabalhos a seguir foram: em 1995, na minissérie Engraçadinha… Seus Amores e Seus Pecados, adaptação de Leopoldo Serran; em 1996 na novela O Fim do Mundo (1996), de Dias Gomes; em 1997 na novela A Indomada, de Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares; em 1998, na segunda versão de Pecado Capital , de Glória Perez, e uma participação especial no primeiro capítulo da novela Torre de Babel, de Silvio de Abreu.

Em 2000, participou: da minissérie A Invenção do Brasil, criada e dirigida por Guel Arraes e Jorge Furtado; da novela O Cravo e a Rosa, de Walcyr Carrasco; e da minissérie A Muralha, adaptação de Maria Adelaide Amaral.

Em 2002, despontou: na minissérie O Quinto dos Infernos, de Carlos Lombardi, e na novela Sabor da Paixão, de Ana Maria Moretzsohn. Logo depois, esteve no elenco da minissérie Um Só Coração (2004), de Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira.

Um dos seus personagens de maior sucesso em novelas veio em Belíssima (2005), de Silvio de Abreu, onde deu vida a Argemiro Falcão, irmão da arquivilã Bia Falcão (Fernanda Montenegro). Dois anos depois, fez uma participação especial em Amazônia, de Galvez a Chico Mendes (2007), de Glória Perez.

Além de seus trabalhos em novelas e minisséries, fez várias participações, em diversos seriados e especiais de sucesso da TV Globo como, no interativo Você Decide, entre 1992 e 1998, atuando em sete episódios, e, em 2004, no seriado A Diarista.

No mesmo ano, ao lado de Andréa Beltrão, Marisa Orth, Drica Moraes e Selton Mello, protagonizou Os Aspones (2004), seriado escrito por Fernanda Young e Alexandre Machado. No ano seguinte, fez participações especiais em A Grande Família (2001), como Frank, irmão de Lineu , e no humorístico Sob Nova Direção (2005).

Alternou sua carreira, ao participar da minissérie A Muralha (2000), como Davidão, do seriado Os Aspones (2004) como Caio, e das novelas Belíssima (2006), como Gigi, e Desejo Proibido (2007), como Galileu.

Em 2006 a Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, por meio da Coleção Aplauso, lançou sua biografia, Pedro Paulo Rangel: o Samba e o Fado, de autoria de Tânia Carvalho.

Em 2007, esteve na novela Desejo Proibido, de Walther Negrão, e mais tarde pode ser visto na minissérie Som & Fúria, co-produção da Rede Globo com a produtora O2 Filmes, em que deu vida a Lourenço Oliveira, famoso diretor de teatro, que morre e volta para atormentar o protagonista Dante. Em 2008, participou ainda do programa Faça sua História, como Noel Rosa da Conceição. Em 2010, entrou ao ar como Ferdinando em Cama de Gato, interpretando o pai do protagonista, Marcos Palmeira, casado com Julieta, Suely Franco. Em 2012, participou como Zé na novela Amor Eterno Amor, de Elizabeth Jhin.

Estreou no cinema em 1967 numa pequena ponta no filme ABC do Amor, depois fez Como Era Boa a Nossa Empregada (1973) e Beijo no Asfalto (1980). Trabalhou no cinema, atuando em filmes como Prova de fogo (1980), de Marco Altberg, e Menino do Rio (1982), de Antonio Calmon. Esteve no elenco do filme Amélia, de Ana Carolina Soares, inspirada na vida de Sarah Bernhardt. E ainda, participou dos longas Caramuru – A Invenção do Brasil (2001) e O Coronel e o Lobisomem (2005), de Maurício Farias.

Filmografia

2010 :: Som & Fúria, o Filme
2010 :: Chico Xavier …. Padre Scarzelo
2005 :: Durvalino (CM)
2005 :: O Coronel e o Lobisomem …. Seu Juquinha
2002 :: O Cego e seu Amigo Gedeão à Beira da Estrada (CM)
2001 :: Caramuru – A Invenção do Brasil …. Dom Jayme
2000 :: Amélia
1982 :: Índia, a Filha do Sol
1981 :: Menino do Rio …. Leopoldo
1981 :: O Beijo no Asfalto
1980 :: Prova de Fogo …. Mauro
1973 :: Como É Boa Nossa Empregada (episódio: Lula e a Copeira)
1970 :: Orgia Ou O Homem Que Deu Cria
1968 – O Bravo Guerreiro
1967 – O ABC do Amor (episódio brasileiro: O Pacto) (Brasil/Argentina/Chile)

Bibliografia

Livros:

CARVALHO, Tânia. Pedro Paulo Rangel: o Samba e o Fado. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.
SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Pedro_Paulo_Rangel

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.