fbpx

Petra Costa

Ana Petra Costa, em arte conhecida como Petra Costa, é uma cineasta e atriz brasileira nascida em Belo Horizonte (MG) no dia 08 de julho de 1983. Desde os 15 anos, trabalha profissionalmente como atriz. Graduou-se em Antropologia na Barnard College, faculdade livre de artes da Columbia University, em Nova York. Fez mestrado em Comunidade e Desenvolvimento na London School of Economics, em Londres, concentrando-se no conceito de trauma.

Petra Costa é a filha caçula de Manoel Costa e da jornalista e socióloga Marília Andrade (Li An). É também neta de Gabriel Donato de Andrade, um dos fundadores da construtora Andrade Gutierrez.

Nos anos 1970, seus pais foram militantes de esquerda, ligados ao PCdoB e, especialmente, a Pedro Pomar (1913-1976), a quem homenagearam dando o nome de Petra à sua filha.

Aos sete anos de idade, a infância de Petra seria dolorosamente marcada pelo suicídio de sua irmã, Elena, 13 anos mais velha do que ela, e que seria tema do seu documentário homônimo, lançado em 2012.

Nascida em Belo Horizonte, sua família mudou-se para São Paulo em 1984. Começou a estudar teatro aos 14 anos e, aos 17, ingressou no curso de Artes Cênicas da Universidade de São Paulo (USP), onde permaneceu por dois anos. Graduou-se em Antropologia, em Nova York, e fez mestrado em Londres.

De volta ao Brasil, aos 24 anos, passou a se dedicar ao cinema, primeiro como assistente de edição e direção e logo como diretora.

Dirigiu e produziu o curta Olhos de Ressaca (2009), um retrato poético sobre o amor e o envelhecer contado sob a perspectiva de seus avós. Em 2009, foi selecionado e exibido em diversos festivais, no Brasil e no exterior, recebendo importantes prêmios em nove, entre os quais os de melhor curta-metragem no Festival do Rio e no Festival Internacional de Documentário de Londres (LIDF), melhor documentário de curta-metragem no Festival Internacional Cine Las Americas (Estados Unidos), e prêmio especial do júri no Festival de Gramado.

Seu primeiro longa-metragem, o filme Elena, documentário poético sobre a viagem de sua irmã mais velha, Elena Andrade, a Nova York com o sonho de ser atriz de cinema, a dura realidade que encontra, sob a pressão da carreira e de um forte processo depressivo, acabou cometendo o suicídio.

No filme, Petra Costa sua ida 20 anos mais tarde em busca das memórias da irmã, repetindo a experiência de usar como matéria prima uma história extremamente pessoal, dessa vez sobre amor e perda, e transpostá-la para a tela de forma delicada e poética.

Em 2012, foi exibido na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, na Semana dos Realizadores (Rio de Janeiro), no Festival Internacional de Documentários de Amsterdã (IDFA) e no Festival de Brasília do Cinema Nacional, onde conquistou os prêmios de direção, montagem, direção de arte e melhor filme pelo júri popular, sempre na categoria documentário.

Em 2014, lança seu segundo longa-metragem: o longa Olmo e a Gaivota. O filme foi feito após um convite do Laboratório do Festival Internacional de Documentário de Copenhague (CPH:DOX) para uma co-direção com a dinamarquesa Lea Glob. Juntas, as duas se propuseram a investigar uma vida real em uma estrutura ficcional. O filme acompanha a descoberta de Olivia e Serge, atores da Companhia Théâtre du Soleil, de estarem esperando um filho. A partir daí, os meses de gravidez se desdobram como um rito de passagem, que forçam a atriz a confrontar seus medos mais obscuros. O desejo de Olivia por liberdade e sucesso profissional, os limites impostos pelo próprio corpo e sua imagem como pessoa e personagem são alguns dos temas explorados no longa.

Olmo e a Gaivota estreou no Festival de Locarno, onde ganhou o Prêmio Jovem do Júri. Também ganhou o Best Nordic Dox Award no CPH:DOX, melhor documentário no Festival de Cinema do Rio, melhor documentário do Festival de Cinema do Cairo e melhor narrativa no festival de filmes RiverRun International Film Festival, entre outros.

Em uma das primeiras exibições do filme no Brasil, Petra Costa defendeu autonomia das mulheres sobre seu corpo e a descriminalização do aborto, o que teve uma grande repercussão. Para dialogar com as críticas recebidas, Petra criou a campanha Meu Corpo, Minhas Regras.

Seu projeto seguinte teve início na cobertura das manifestações a favor e contra o impeachment da presidente Dilma Roussef em 2016 e resultou no longa-metragem Democracia em Vertigem. O filme é uma produção original da Netflix, que estreou mundialmente no dia 19 de junho de 2019.

O documentário combina o pessoal e o político para explorar um dos momentos mais dramáticos e turbulentos da História do Brasil. Com amplo acesso aos presidentes Lula, Dilma e Bolsonaro, a diretora também revisitou a complexa trajetória de sua família para tentar entender o país rachado em que se encontra.

Democracia em Vertigem estreou na noite de abertura do Sundance Film Festival 2019 e foi selecionado para diversos festivais internacionais como o CPH:DOX, True False, IndieLisboa, Sheffield e Rooftop Films.

O filme foi bem recebido pela crítica internacional. Um documentário absolutamente vital, escreveu o The New York Times. Um documentário vasto e petrificante, elogiou a Variety. Segundo o ScreenDaily, o filme é um thriller político ao estilo de Todos os Homens do Presidente (…) com um toque de O Poderoso Chefão. Para a NBC News, o documentário revela incrível acesso aos bastidores da política. As imagens são de cair o queixo, comentou o site Firstshowing.net. Para a POV Magazine, trata-se de um documentário como nenhum outro, um trabalho íntimo e grandioso.

Petra Costa é membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood desde 2018.

Reconhecida internacionalmente, a cineasta viu seu nome listado pela revista americana Variety, especializada em cinema, como uma das 10 documentaristas a serem vistas no ano de 2019.

Filmografia

:: Filmografia como Diretora ::

2019 :: Democracia em Vertigem
2014 :: Olmo e a Gaivota
2012 :: Elena
2009 :: Olhos de Ressaca

Bibliografia

Jornais:

OLIVEIRA, Daniel. A arte que suplanta a morte. In: JORNAL OTEMPO. Disponível no endereço: https://www.otempo.com.br/divers%C3%A3o/magazine/a-arte-que-suplanta-a-morte-1.641314. Acesso em: 09 de maio de 2013.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Petra Costa. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/petra-costa/
IMDB. Petra Costa. Disponível no endereço: http://www.imdb.com/name/nm3525467/
VIMEO. Petra Costa. Disponível no endereço: https://vimeo.com/petracosta/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “Petra Costa

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.