fbpx

Poeta de Sete Faces (2002)

O documentário tem como linha mestra retratar a trajetória humana do poeta, ao mesmo tempo em que investiga, documenta e interpreta os diversos momentos de sua obra. O objetivo é transcender ao mero registro dos fatos da vida, mas mostrar como estes se mesclam nas transformações dos diversos rumos que tomam sua poesia: trata-se portanto de um “documentário poético”, onde o espírito, o clima e a emoção da arte drummondiana estão sempre presentes, definindo o texto, a imagem, a música, a montagem e o desenvolvimento dramático do filme.

Dois narradores acompanham a ação:

1) o Narrador-Documental que fornece as informações fatuais da vida, as observações dos críticos e ensaístas, o plano da razão.

2) o Narrador-Poeta que recita versos, indica poemas, declama crônicas, em suma traz o texto emotivo, a poesia drummondiana, o plano da emoção.

O documentário divide-se em três etapas que correspondem às fases distintas da obra de Carlos Drummond de Andrade e caracterizam momentos de sua vida. A primeira FASE, que chamamos “Vai Carlos, ser gauche na vida”, registra do seu nascimento em Itabira em 1902 até o final da sua “Poesia Modernista” em Belo Horizonte, antes da mudança para o Rio de Janeiro em 1934. Sua poesia com a marca do modernismo de 1922 numa versão mineira. A publicação dos primeiros livros “Alguma Poesia” e “Brejo das Almas”, quando nasce o Carlos Drummond de Andrade dos versos anedóticos, sintéticos-metafóricos, irônicos.

A segunda FASE cognominada “A vida apenas, sem mistificação”, começa com a mudança de Drummond para o Rio de Janeiro e vai mostrar o “poeta do seu tempo”, o momento de atuação política na vida do escritor, aliada a sua obra de crítica social.

A terceira FASE,chamada “Como ficou chato ser moderno, agora serei eterno” , do início dos anos 50 aos anos 80 , a fase do poeta-filósofo, do verso enigmático, do cronista de sucesso no Correio da Manhã e no Jornal do Brasil, da glória literária sendo Drummond considerado um mestre da língua, dos prêmios homenagens e troféus, dos filmes adaptados de sua obra, dos netos que nascem e a família se prolonga e do retorno aos temas do passado e da memória, Itabira que renasce nas páginas de livros como “Boitempo”, “O Menino Antigo” e o post-mortem “Farewell”.

O objetivo final é levar a beleza da obra do poeta maior da língua e o destino de uma vida exemplar ao conhecimento do grande público de cinema.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “Poeta de Sete Faces (2002)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.