fbpx

Primeiro Plano 2009 – Festival de Cinema de Juiz de Fora e Mercocidades

Evento

Com o tema O(u)tros Camin(h)os, o Primeiro Plano 2009 – Festival de Cinema de Juiz de Fora e Mercocidades realiza sua oitava edição buscando pensar formas alternativas de produção e distribuição de filmes no Brasil e na América do Sul.

Uma realização do Luzes da Cidade – Grupo de Cinéfilos e Produtores Culturais, com patrocínio máster da Cemig/Governo de Minas Gerais, patrocínio da MRS Logística SA, com co-patrocínio do Ministério da Cultura/ Fundo Nacional de Cultura/ Secretaria do Audiovisual, da Prefeitura de Juiz de Fora/Funalfa e da Universidade Federal de Juiz de Fora, com divulgação da Panorama, com apoio inestimável do Espaço Unibanco de Cinema; do CTAv; da Kodak Brasileira; do Mega Color; da Link Digital; da CDL; da Rain; da Videosol; da Locatrans; do MAM – Museu de Arte Moderna Murilo Mendes; do Constantino Hotel e Eventos; do Café Toko; da Associação Cultural Festival Brasileiro de Cinema Universitário; do Estação Geraes; do Centro Cultural Bernardo Mascarenhas; do Cine-Theatro Central; do Instituto Brasileiro de Audiovisual/Escola de Cinema Darcy Ribeiro; do Ministério das Relações Exteriores; do Cinearte Palace; da AceOptimidia; da Diamantina; d’A Terceira Margem; da Leitura; do 20th Century Fox; do Mary Milk; da Picanha, Pimenta & Pinga; do Nectar Bistrô; do Mr Tugas; do CardápiosJF; do Mabruk; do Chimarron; do Majestic Colonial Hotel; com promoção do Canal Brasil; da Revista de Cinema e do Curta o Curta, o prêmio Incentivo Primeiro Plano só foi possível com o apoio da Universidade Federal de Juiz de Fora, do CTAv, da Kodak, da MegaColor, dos Estúdios Quanta, dos Estúdios Mega, da Dolby Digital e da Universidade Federal Fluminense, o festival aconteceu entre os dias 26 de outubro a 31 de outubro de 2009 no Cinearte Palace, no Cine-Theatro Central, no MAMM – Museu de Arte Moderna Murilo Mendes, no Centro Cultural Bernardo Mascarenhas e no Centro Cultural Benfica.

O evento abriu com O Edifício, de Rita Viana e Victor Zaiden, primeiro curta produzido com os recursos do Prêmio Incentivo Primeiro Plano, e com o longa Histórias de Amor Duram Apenas 90 Minutos, de Paulo Halm.

Exibiu, ainda, 70 trabalhos dentro das mostras competitivas de filmes nacional e regional, além do Plano Animado, da Sessão Escola, da Mostra Mercocidades e da Mostra Audiovisual de Juiz de Fora. A semana seguiu com as pré-estreias dos longas Teste de Elenco, de Ian SBF e Osiris Larkin; No meu Lugar, de Eduardo Valente; Mistéryos, de Beto Carminatti e Pedro Merege, e o argentino Pra Quem Você Ligaria?, de Martin Viaggio.

O festival também organizou 3° Encontro Internacional Audiovisual, no qual discutiu o fazer cinematográfico sulamericano. Houve ainda debates com os diretores e oficinas gratuitas. Tivemos um público estimado em cinco mil pessoas. O festival recebeu convidados de várias partes do Brasil.

Neste ano, o festival premiou pela segunda vez, com R$ 5.000 e outros recursos, a equipe do melhor curta universitário da cidade eleito por um júri.

Selecionados

Elétrico Jardim da Escuridão
Calango Lengo – Morte e Vida Sem Ver Água
Firma
Pé na Estrada

Mostra Competitiva Nacional

Sobre um Dia Qualquer
Como Comer um Elefante
Cortejo Negro
Sobe, Sofia
Melhor Montagem: Alexandre Taira, por Laurita

Melhor Concepção sonora: Pedro Jorge, por A Vermelha Luz Do Bandido

Melhor Trilha musical: Livio Tragtenberg, por Menino Aranha

Melhor Direção de arte: Guilherme Pacheco, por Sobre um Dia Qualquer

Prêmio especial do júri: Minha Tia, Meu Primo

Mostra Competitiva Regional

Premiados

No encerramento, foram exibidos os principais premiados da edição anterior e entregues os prêmios aos trabalhos abaixo relacionados:

Melhor Filme: Sobe, Sofia e Sobre um Dia Qualquer
Melhor Direção: Diego Muller, por Cortejo Negro
Melhor Roteiro: Jansen Raveira, por Como Comer um Elefante
Melhor Ator: Rafael Sieg, por Cortejo Negro
Melhor Atriz: Julia Stockler, por Sobe, Sofia
Melhor Fotografia: Fernando Vanelli, por Cortejo Negro
Melhor Montagem: Alexandre Taira, por Laurita
Melhor Concepção sonora: Pedro Jorge, por A Vermelha Luz Do Bandido
Melhor Trilha musical: Livio Tragtenberg, por Menino Aranha
Melhor Direção de arte: Guilherme Pacheco, por Sobre um Dia Qualquer
Prêmio especial do júri: Minha Tia, Meu Primo
Menção honrosa: Elétrico Jardim da Escuridão
Melhor Primeiro Plano: Elétrico Jardim da Escuridão
Melhor Filme pelo Júri Popular: Calango Lengo – Morte e Vida Sem Ver Água
Incentivo Primeiro Plano 2: Firma
Melhor Filme pelo Júri Popular: Firma
Prêmio José Sette: Pé na Estrada

Outras Edições

Bibliografia

Internet:

PRIMEIRO PLANO. http://www.primeiroplano.art.br

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]