fbpx

Renata Jesion

Biografia

Renata Jesion é uma atriz, cineasta, diretora de teatro e autora brasileira nascida no dia 09 de dezembro de 1967.

Iniciou sua carreira em 1992 com o diretor Antunes Filho, no Centro de Pesquisa Teatral (CPT). Lá, teve experiência como atriz, preparadora de corpo, voz e interpretação e, por fim, assistente de direção. Atuou nos espetáculos Macbeth – Trono de Sangue, Nova Velha Estória – Chapeuzinho Vermelho e Vereda da Salvação.

Em 1997, saiu do CPT e fundou com o dramaturgo Dionísio Neto a Companhia Fenômenos Extremo-nos. Baseando seus trabalhos numa estética pós-moderna colando referências pop e assumindo um tom performático em suas apresentações, a companhia propôs experimentações que renovaram o teatro naquele período. A companhia teve uma estreia marcante com o espetáculo Perpétua (1997), escrito especialmente para ela. A direção foi de Leonardo Medeiros com figurinos de Alexandre Herchcovitch e música de Arrigo Barnabé.

A seguir vieram os espetáculos Opus Profundum (1998), dirigido por Dionísio Neto, e Desembesttai (1999), dirigido por Leonardo Medeiros.

Em 1998, Renata entrou para a Cia de Ópera Seca, de Gerald Thomas Sievers, onde atuou em Nowhere Man (1996), Os Reis do Iê, Iê, Iê (1997), e Cão Andaluz (1998). Foi com Nowhere Man que a Cia viajou para diversos festivais, dentre eles o Eurokaz, na Croácia – Zagreb.

Seus primeiros trabalhos de direção e autoria incluem Gedichte (1997), Red Light Babel Brasil, Vida de Lavadeira (1999) e Lig-Lubaa (autoria de Heloisa Pait) (1999).

Em 1999, iniciou uma nova fase, onde se concentrou num longo projeto pessoal, resultante de uma necessidade de refletir sobre sua existência e a de sua família. Escreveu e protagonizou a peça 121.023 J, inspirado na vida de seu pai, que foi sobrevivente de quatro campos de concentração durante a Segunda Gurra. Apesar da aparente temática judaica, o espetáculo universaliza a questão ao abordar o drama daqueles que simplesmente “eram diferentes”. A Direção coube a Ariela Goldmann em 13 de outubro de 2004, diretora de Novas Diretrizes em Tempos de Paz. A peça 121.023 J, devido ao sucesso de publico e critica, teve uma carreira significativa durante 5 anos. Fez inúmeras temporadas em São Paulo, e se apresentou em diversos estados do País. A extensão deste projeto termina no curta-metragem As Manhãs de Majer, também baseado nos relatos de seu pai, um polonês que escolheu o Brasil para recomeçar a sua vida, pós guerra. As Manhãs de Majer, apesar de ser considerado um projeto de baixo orçamento, neste momento ainda aguarda financiamento para finalização e distribuição para ser exibido em breve.

Em 2005, protagonizou o espetáculo Top Girls, texto de Caryl Church, com direção de Rogério Martins.

Em 2008, escreveu a peça Que Horas São?!.

No Cinema, Renata começou roteirizando, produzindo e atuando seus próprios curtas, como Antúrios (1995) e Factício (1999), com participações de Roberto Áudio e outros integrantes do CPT.

Participou do longa-metragem Olga (2004), dirigido por Jayme Monjardim, no segundo papel feminino, Sabo, a melhor amiga de Olga.

Em 2006, teve uma participação marcante na novela Belíssima, de Sílvio de Abreu, onde fez o papel da vilã “Dalva”.

Fez uma participação no Longa-metragem (com produção Sino-Brasileira), Plastic City – Cidade de Plástico (2008), dirigido por Nelson Yu Lik-wai.

Em 2011, co-dirigiu e atuou no curta As Aparências Enganam, ganhando o prêmio de melhor filme no Festival Celucine de curtas para exibição em celulares. Atou no longa-metragem Super Nada, de Rubens Rewald, e na série “Destino São Paulo – O Noivo do Filho”, da HBO, com direção de Fabio Mendonça.

Em 2017, atuou na série Crime Time, da Amazon Prime Video.

Em 2018, protagonizou o curta Ana, de Manuela Berlanga, pelo qual foi indicada a melhor atriz no Festival Cine Tamoio e levou o prêmio de melhor atriz no 3º Festival de Cinema de Muriaé. No mesmo ano, passou a contribuir com o Coletivo Oriente-se, onde dirigiu o curta A Caixa, vencedor dos prêmios Silver Award – Best Crime Short no IMDB Independent Shorts Awards 2018 e Melhor Direção no 2º Festival de Cinema de Muriaé 2018. Dirigiu ainda para o coletivo os curta metragens A Conta-Gotas, Namidah, Post it e Surpresas.

No mesmo ano atuou nos longa-metragens O Clube dos Anjos, de Angelo Delfant; Segundo Tempo, do diretor Rubens Rewald e Selvagem, do diretor Diego da Costa, que ganhou o prêmio de Melhor Filme do Júri Popular do 14º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo e Melhor Longa Metragem no 42º Festival Guarnicê de Cinema.

Em 2019, atuou em Encarcerados (documentário da Série Carcereiros, da Rede Globo), de Fernando Grostein de Andrade, Pedro Bial e Claudia Calabi.

Filmografia

:: Filmografia como Diretora ::

:: A Conta-Gotas
:: Namidah
:: Post it
:: Surpresas
2018 :: A Caixa
2011 :: As Aparências Enganam

:: Filmografia como Atriz ::

2018 :: Ana
:: Selvagem
:: Segundo Tempo
:: O Clube dos Anjos
2011 :: Super Nada
2011 :: As Aparências Enganam
2008 :: Plastic City – Cidade de Plástico
2004 :: Olga
1999 :: Factício
1995 :: Antúrios

Bibliografia

Livros:

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Renata Jesion. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/renata-jesion/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “Renata Jesion

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.