fbpx

Roberto Carlos e o Diamante Cor de Rosa (1970)

Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa fazem uma excursão profissional ao Japão. Wandeca adquire uma estatueta misteriosa que põe no encalço dos três uma quadrilha. A moça desaparece e, em Israel, Roberto, Erasmo descobrem que a estatueta contém um mapa cifrado. E, também, que o possuidor dela tem um gênio a seu serviço. Graças a este recuperam Wandeca, que, no entanto, continua seguida pelos vilões. Roberto procura decifrar o mapa e conclui que o local do tesouro nele indicado deve ser a baía de Guanabara. No Rio, os três heróis descobrem o tesouro. São aprisionados pelos vilões, livram-se deles e sobem à pedra da Gávea para encontrar as jóias e o diamante côr-de-rosa, livrando, assim, o gênio da estatueta de sua maldição.

No Japão, Wanderléa compra uma estatueta de pedra na companhia de Roberto Carlos e Erasmo Carlos. Um homem (José Lewgoy) presencia o ato e com a ajuda de seus capangas inicia uma perseguição em busca da estatueta. Após um confronto, a estatueta se quebra. Roberto e Erasmo estão de partida para Israel. Wanderléa aproveita para comprar outra estatueta e acaba perdendo o vôo. No hotel de Israel, Roberto e Erasmo recebem a nova estatueta e a guardam. Um mágico samurai chamado “Gênio” aparece para a dupla e diz ser o protetor dos três. Wanderléa chega a Israel e ao encontrar seus dois amigos conta que a estatueta possui um mapa que indica a localização de um grande tesouro: o Diamante Côr de Rosa. O vilão (Lewgoy) prossegue sua perseguição em busca da estatueta. Roberto consulta uma guru que traduz o mapa do tesouro. Os três vão para o Rio de Janeiro, onde o diamante está escondido. Capturado e hipnotizado, Erasmo entrega a estatueta e o mapa ao vilão. Após fracassada tentativa de matar Roberto e Wanderléa, Erasmo é curado de seu transe e num esforço de memória lembra do local do esconderijo do vilão. Com a ajuda do “Gênio”, eles recuperam a estatueta e o mapa. Logo, escalam a Pedra da Gávea e adentram a caverna do tesouro. Após acharem o Diamante Côr de Rosa, o Gênio aparece e lhes conta toda a história sobre a estatueta e o tesouro e lhes diz que a metade do tesouro deverá ser entregue à primeira criança que avistarem após saírem da caverna. Os capangas do vilão chegam à caverna, mas são derrotados pelos três. O vilão mata o Gênio, mas é derrotado por Roberto. A caverna desmorona e lá fica o Gênio. Roberto escapa e encontra os demais. No caminho de volta, encontram uma criança na estrada que vive na casa do sr. Eugênio. Ela recebe sua parte do tesouro. Os três rodam de jipe pelo Rio de Janeiro felizes com a vitória, e cantam É Preciso Saber Viver.

Elenco

Roberto Carlos
Erasmo Carlos
Wanderléa
José Lewgoy …. Bandido
Fátima, Marly
Hamada, Olga M.
Kruman, Hana
Iasaka, Hisako
Yatape, Toshie
Saito, Jorge
Abreu, Antonio
Inoue, Joaquim
Kanatani, Teruo (Eugênio)
Takamine, Mário Satoshi
Sakai, Shigeru
Aisaka, Takaesiro

Participação especial:
Paulo Porto …. Médico

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Roberto Carlos e o Diamante Cor de Rosa (1970) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Roberto Farias
Argumento: Roberto Farias e Faccio, Berilo
Roteiro: Roberto Farias
Produção: Wilmar Menezes, Ivan de Souza, Joni N. Schlomer, Rogério Faria, Mauro Lando, Antônio Cristiano e Roberto Farias
Direção de produção: Havt, David
Produção executiva: Riva Faria
Assistência de direção: Rabinovitch, Mendel; Faccio, Berilo
Direção de Fotografia: José Medeiros
Câmera: Roberto Farias
Assistência de câmera: Batista, Edson
Fotografia de cena: Amaral, Fernando
Chefe Eletricista: Ruy Medeiros
Assistente de eletrecista: Santos, Eduardo G. dos; Guimarães, Jadeyr; Souza, Walter Braz de
Maquinista: Mendes, Manoel G.
Direção de som: Vianna, Alberto; José, Geraldo
Efeitos especiais de som: José, Geraldo
Montagem: Valverde, Rafael Justo e Roberto Farias
Guarda-roupa: Dias, Sirley
Cenografia: Medeiros, Anísio
Assistente de cenografia: João Maurício Sette
Contra-regra/acessórios de cenografia: José, André
Maquiagem: Almeida, Walter de
Assistência de maquiagem: Tarouquela, Vera
Vestuário: Medeiros, Anísio
Música: Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Luis Carlos Sá
Companhia produtora: Produções Cinematográficas R.F. Farias
Companhia distribuidora: Ipanema Filmes

35mm, COR, 97min, 2.722m, 24q, Eastmancolor

Dados adicionais de música
Título da música: O Diamante côr de rosa;
Música de: Roberto Carlos e Erasmo Carlos;

Título da música: Você vai ser meu escândalo;
Música de: Roberto Carlos e Erasmo Carlos;

Título da música: 120, 150, 200 kms/h;
Música de: Roberto Carlos e Erasmo Carlos;

Título da música: Curvas da estrada de Santos, As;
Música de: Roberto Carlos e Erasmo Carlos;

Título da música: Vou ficar nu para chamar tua atenção;
Música de: Roberto Carlos e Erasmo Carlos;

Título da música: É preciso saber viver;
Música de: Roberto Carlos e Erasmo Carlos;

Título da música: Gênio, O;
Música de: Sá, Luiz Carlos;

Título da música: Karatê;
Música de: Sá, Luiz Carlos;

Título da música: Pentotal;
Música de: Sá, Luiz Carlos;

Título da música: Enganando Pierre;
Música de: Sá, Luiz Carlos;

Título da música: Aquarela do Brasil;
Música de: Barroso, Ari;

Título da música: Custe o que custar;
Música de: Ribeiro, Edson e Justo, Hélio;

Título da música: Please, garçon;
Música de: Joyce;

Título da música: Não vou ficar;
Música de: Maia, Tim;

Título da música: Sarro;
Música de: Chaves, Erlon;

Título da música: Tuareg
Música de: Ben, Jorge
Intérprete(s): Costa, Gal

Locação: Tóquio; Kamakura; Telaviv; Jerusalém

Bibliografia

Fontes utilizadas:
CB/Transcrição de letreiros-Cat
Guia de Filmes, 28

Fontes consultadas:
ACPJ/II
ALSN/DFB-LM

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Roberto Carlos e o Diamante Cor de Rosa. Disponível no endereço: https://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/roberto-carlos-e-o-diamante-cor-de-rosa/

Observações:
Guia de Filmes 28 informa tratar-se do segundo filme estrelado por Roberto Carlos e realizado pela mesma equipe de Roberto Carlos em Ritmo de Aventura, 1968.
ACPJ/II indica David Haut como produtor; Rivanides Farias como gerente; Geraldo José como assistente de sonografia e José M. Sette e Vera Taroukela como assistentes de cenografia. Por fim, informa que foi filmado em Achziv, Acro e em Cesarea.
O gênero do filme foi apontado por ALSN/DFB-LM.
ALSN/DFB-LM indica voz de Glauce Rocha aponta público de 2.596.955 pessoas e informa que o diretor Roberto Farias inspirou-se nas aventuras de , sucesso dos quadrinhos.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Um comentário em “Roberto Carlos e o Diamante Cor de Rosa (1970)

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.