fbpx

Rogo a Deus e mando bala (1972)

Sinopse

POSTER Rogo a DeusUma quadrilha impõe o regime de terror numa cidade do Oeste, La Fuente, enquanto seus membros procuram o dinheiro que um dos bandidos entregou a uma criança. A busca promove um conflito sangrento entre os fora-da-lei e os justiceiros.

Os vaqueiros de uma região preparam-se para sair a uma feira de gado. Na viagem, eles são assaltados por uma quadrilha de bandidos, mas é um dos próprios vaqueiros quem foge com o dinheiro guardado num alforge. Ferido, o fugitivo chega a uma cidade chamada La Fuente, onde conhece a viúva Ruth e seu filho mudo, apelidado de Pingo, a quem o dinheiro é confiado para ser escondido. Outros bandidos, interessados no alforge, apertam o cerco à viúva e ao menino. Afinal, chega à cidade um misterioso cavaleiro portando um violão, do qual não se separa. Também ele é esperado por ladrões. mas Pingo finalmente consegue fazer-se entender pelo homem do violão e este o acompanha. Os bandidos, então, enfrentam o homem do violão e, sob intensa fuzilaria, uma bala atinge um barril de pólvora. Com a explosão que dá início ao incêndio de uma carroça vê-se onde o menino havia escondido o alforge com o dinheiro. Todos estão mortos, menos Pingo e o cavaleiro do violão, que partem para uma vida nova.

Faroeste ao modo brasileiro, seguindo a linha dos spaghettis italianos, ousado e realista na estética do que seria o western brasileiro. Claramente paulista e dirigido pelo atualmente cult Oswaldo de Oliveira, o filme chega a despertar respeito por tais costumes, sem erotismo em excesso, e com trilha sonora que embala perfeitamente o filme, Oswaldo segue realizando os maiores retratos dos sertanejos interioranos no Cinema Brasileiro.

Depois de Sertão em Festa (1970), Luar no Sertão (1971) e No Rancho Fundo (1971), Rogo a Deus e Mando Bala vem a ser o mais mais violento, onde balas não são poupadas. Oswaldo de Oliveira no fim dos anos 60 dirigiu magistralmente os filmes de Cangaço: O Cangaceiro Sanguinário (1969) e o procurado Cangaceiro sem Deus (1969), nos anos 80 seguindo a tendência de exploração sexual dirigiu o internacionalmente conceituado: A Prisão (1980).

Elenco

Miranda, Marcos (Charles)
Teijido, Verônica (Ruth)
Karan, George (Alonso, mexicano)
Costa, Marlene (Rosário)
Antonio Meliande
Silva, Itamar (Pingo, o menino)
Costa, Marcelo (Homem do violão)
Seyssel, Walter (Juiz)
Scalise, Duilio (Tango)
Ricciardi, José (Johnny)
Ianny, André (Jack)
Costa, Jurandyr (Solon)
Consoni, José Marcio F. (Paco)
Alberto, Carlos (Mark)
Camargo, Lectacio Soares
Cláudio Portioli

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Rogo a Deus e mando bala (1972) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Osvaldo de Oliveira
Argumento: Osvaldo de Oliveira
Roteiro: Osvaldo de Oliveira
Produção: Antonio Polo Galante, Alfredo Palácios; Sylvio Renoldi e Osvaldo de Oliveira
Direção de produção: Letacio Soares Camargo
Assistência de direção: Cláudio Portioli
Continuidade: Maria Ines S. Oliveira
Direção de fotografia: Osvaldo de Oliveira
Câmera: Antonio Meliande
Assistência de câmera: Antonio Meliande e Miro Reis
Fotografia de cena: Julio Peres Caballar e Joe Amm
Técnico de som: Orlando Macedo
Montagem: Sylvio Renoldi
Assistência de edição: Ignácio Araújo
Cenografia: Cláudio Portioli
Consultoria de cor: Jurandir Pizzo
Música: Francisco Deculfiné
Música-tema: Marcelo Costa; Marcio Palácios e Luiz Mac Dowell
Companhias Produtoras: U.C.B – União Cinematográfica Brasileira S.A. | Servicine – Serviços Gerais de Cinema Ltda.
Companhias Distribuidoras: Servicine – Serviços Gerais de Cinema Ltda. | U.C.B. – União Cinematográfica Brasileira Ltda.

Canção
Intérprete: Gonçalves, Rosely

Bibliografia

Internet:

BLOG EXPIRADOS. http://expirados.blogspot.com.br/2011/10/dvd-filme-rogo-deus-e-mando-bala-1972.html?m=1

Fontes utilizadas:
CB/Transcrição de letreiros-Cat
Guia de Filmes, 38
Brasil Cinema, 1972
ALSN/DFB-LM

Fontes consultadas:
ACPJ/II

Observações:
As demais fontes informam 90 minutos de duração.
Letreiros finais informam os respectivos nomes para os pseudônimos utilizados na ficha técnica e elenco: Mark Wayn para ; Marcel Kost para ; Norman Lee para ; George Karan para ; Joe Richards para ; Marlene Kost para ; Dull Scalise para ; Hans Ianny para ; Charles Hall para ; Joseph Lawrence para ; Ian Syl para ; Tony Mel para Antonio Meliande; Lectacio Suarez para ; Claude Portio para ; Miroswka para ; Mary Oliver para ; Ig Donzell para ; Louis Mewes para ; Francis Delcufine para ; Sy Reynolds para ; O. Oliver para ; Marc Pal para ; para ; July Cabalar para ; Orlan Macid para < Macedo, Orlando>.
Os nomes (stills) e (balada-tema) são prováveis pseudônimos.
Guia de Filmes menciona os nomes de , , e no elenco.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.