fbpx

Ruth de Souza (1921-2019)

Biografia

Ruth Pinto de Souza, em arte mais conhecida como Ruth de Souza, foi uma atriz brasileira nascida no Rio de Janeiro (RJ) no dia 12 de maio de 1921.

Até os 9 anos de idade viveu com a família em uma fazenda em Porto do Marinho, pequena cidade do interior de Minas Gerais. Com a morte do pai, ela e a mãe voltaram a morar no Rio de Janeiro, em uma vila de lavadeiras e jardineiras, no bairro de Copacabana. Interessou-se por teatro ainda menina, quando assistiu a récitas no Municipal. Pela Revista Rio, tomou conhecimento do grupo de atores liderados por Abdias do Nascimento, o Teatro Experimental do Negro. Une-se ao grupo e faz sua estreia em O imperador Jones, de Eugene O’Neill, em 08 de maio de 1945, no palco do Municipal.

Por indicação de Paschoal Carlos Magno, recebeu bolsa de estudo da Fundação Rockefeller e passou um ano nos Estados Unidos: na Universidade Harvard, em Washington, e na Academia Nacional do Teatro Americano, em Nova York.

Em 1948, indicada pelo autor Jorge Amado, estreou no cinema em Terra violenta, adaptação do seu romance Terras do sem fim. Com direção do norte-americano Edmond Bernoudy, o filme contou ainda no elenco Anselmo Duarte, Maria Fernanda, Heloisa Helena e Ziembinski. A partir daí, sua carreira de atriz prosseguiu focada no cinema.

Participou de diversas produções das três empresas pioneiras: Atlântida, Maristela Filmes e Vera Cruz.

Na Atlântida, rodou Falta Alguém no Manicômio (1948) e Também somos irmãos (1959), ambos de José Carlos Burle e A Sombra da Outra (1950), de Watson Macedo. Contratada para o elenco fixo da Vera Cruz, atua em Ângela (1951), Terra é sempre terra (1952) e Sinhá Moça (1953), todos dirigidos por Tom Payne; e Candinho (1954), de Abílio Pereira de Almeida, estrelado por Mazzaropi.

Por seu desempenho em Sinhá Moça, tornou-se a primeira atriz brasileira indicada para prêmio internacional: o Leão de Ouro, no Festival de Veneza de 1954, em que disputa com estrelas como Katherine Hepburn, Michele Morgan e Lili Palmer, para quem perde por dois pontos. Em 1958, filma Ravina, com Rubem Biáfora, um marco na cinematografia brasileira.

Em 1959, viveu um momento especial no palco, quando protagoniza Oração para uma Negra, de William Faulkner, com Nydia Licia e Sérgio Cardoso, no Teatro Bela Vista, em São Paulo. Com Roberto Farias, apareceu em O Assalto ao Trem Pagador, em 1962, ao lado de Eliézer Gomes, Luíza Maranhão e Reginaldo Faria.

Depois de atuar em radionovelas, trabalhou nos teleteatros da Tupi e da Record. Em 1969, integrou o elenco da TV Globo e nela tornou-se a primeira atriz negra a protagonizar uma novela: A Cabana do Pai Tomás, na qual dividiu o estrelato com Sérgio Cardoso. Há mais de 30 anos participou intensamente da teledramaturgia da emissora.

Atravessando gerações, marcou presença no cinema com cineastas mais jovens, como Walter Salles Jr., em A Grande Arte (1991), Aluísio Abranches, em Um Copo de Cólera (1999), e Joel Zito Araújo, em Filhas do Vento (2004).

Ruth de Souza faleceu, aos 98 anos, no dia 28 de julho de 2019. Estava internada desde o começo da semana anterior no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital Copa D’Or, em Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro, vítima de uma pneumonia.

Com mais de 70 anos dedicados à dramaturgia, Ruth de Souza é ícone de várias gerações de atores. Ela foi pioneira ao longo de sua carreira: foi a primeira atriz negra a se apresentar no Theatro Municipal do Rio de Janeiro e a construir carreira na dramaturgia. Foi também a primeira brasileira indicada a um prêmio internacional de cinema – no Festival de Veneza de 1954.

Bibliografia

Livros:

COUTINHO, Angélica; GOMES, Breno Lira (Orgs.). Pérola Negra: Ruth de Souza. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), 2016.
JESUS, Maria Angela de. Ruth de Souza: a Estrela Negra. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. (Coleção Aplauso).
DESBOIS, Laurent. A Odisseia do cinema brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.
KHOURY, Simon. Bastidores. Rio de Janeiro: Letras e Expressões, Montenegro & Raman, 2001 (Entrevista Ruth de Souza – Série Teatro Brasileiro, 6).
SOUZA, Ruth. Dossiê Personalidade Artes Cênicas. Rio de Janeiro: CEDOC/Funarte.

Periódicos:

MÜLLER, Ricardo Gaspar (Org.). Teatro Experimental do Negro. Revista Dyonisos (Número Especial). n.28. Rio de Janeiro: MinC/Fundacen, 1988.
TÁVOLA, Artur da. Ruth de Souza sacerdotisa da dramaturgia. Jornal O Globo. Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 1986.

Internet:

CUNHA, Vanessa Lima. Quilombo: a voz do Teatro Experimental do Negro (Rio de Janeiro, 1940/1950). Cadernos de Clio, Curitiba, n. 3, p. 283-300, 2012. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/clio/article/view/40401/24646. Acesso em: 14 maio 2019
DOMINGUES, Petrônio. Quilombo (1948-1950): uma polifonia de vozes afro-brasileiras. Ciências & Letras, n. 44, p. 261-289, 2008. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/clio/article/view/40401/24646. Acesso em 17 maio 2019.
ECICLOPÉDIA ITAÚ CULTURAL. Ruth de Souza. Disponível no endereço: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/grupo399330/teatro-experimental-do-negro
ECICLOPÉDIA ITAÚ CULTURAL. Ruth de Souza. Disponível no endereço: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa349507/ruth-de-souza
G.R.E.S. Acadêmicos de Santa Cruz. Rio de Janeiro: Grêmio Recreativo Escola de Samba Acadêmicos de Santa Cruz. Disponível em: http://academicosdesantacruz.com.br/sobre-o-site/. Acesso em: 5 maio 2019.
GELEDÉS Instituto da Mulher Negra. Outros Dias da Mulher: Ruth de Souza foi a primeira atriz negra a atuar no Municipal do Rio. Geledés, São Paulo, 7 mar. 2017. Patrimônio Cultural. Disponível em: https://www.geledes.org.br/outros-dias-da-mulher-ruth-de-souza-foi-primeira-atriz-negra-atuar-no-municipal-rio/. Acesso em 4 maio 2019.
HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Ruth de Souza. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/ruth-de-souza/
JUNQUEIRA, Cristine. Biografia de Ruth de Souza. Brasil Memória das Artes, Rio de Janeiro, Funarte, 2006. Atores do Brasil. Disponível em: < http://portais.funarte.gov.br/brasilmemoriadasartes/acervo/atores-do-brasil/biografia-de-ruth-de-souza/>. Acesso em: 4 maio 2019
KLEMZ, Laura. Quarto de despejo: a peça. Blog do IMS, São Paulo 11 mar. 2014. Disponível em: https://blogdoims.com.br/quarto-de-despejo-a-peca-por-elvia-bezerra-julia-menezes-e-laura-klemz/. Acesso em: 04 maio 2019.
MUSEU AFRO BRASIL. Ruth de Souza. Museu Afro Brasil, São Paulo. História e memória. Disponível no endereço: http://www.museuafrobrasil.org.br/pesquisa/hist%C3%B3ria-e-mem%C3%B3ria/historia-e-memoria/2014/07/17/ruth-de-souza. Acesso em: 04 maio 2019.
NASCIMENTO, Abdias do. Teatro experimental do negro: trajetória e reflexões. Estudos Avançados, São Paulo, v.18, n. 50, jan/abril 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142004000100019&script=sci_arttext. Acesso em: 5 maio 2019
TV GLOBO. Disponível no endereço: http://globotv.globo.com/rede-globo/video-show/v/saiba-por-onde-anda-a-atriz-ruth-de-souza/2288749/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados