fbpx

Samir Hauaji

Samir Amaral Hauaji, em arte mais conhecido como Samir Hauaji ou Samir Amaral, é um ator, roteirista, dublador, locutor e diretor de cinema, televisão e teatro brasileiro. Formou-se no curso de Letras na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Profundo conhecedor de literatura nacional e estrangeira, a ponto de ter fluência em diversas línguas, Samir Hauaji lecionou literatura e língua portuguesa por muitos anos em escolas, cursos preparatórios (para vestibular e concursos) e universidades. Contudo, não era exatamente o que lhe dava prazer. Assim, seu amor pelas artes cênicas falou mais alto e, finalmente, acabou decidindo a dedicar-se integralmente às artes.

Sua trajetória começou quando cursava Economia, na Faculdade de Economia da UFJF. Naquela época, a proximidade com a Faculdade de Comunicação Social (FACOM) o levou ao contato com o meio artístico através da colaboração com estudantes ligados na produção de videos – o que o influenciou na construção na mudança de perspectivas em vida e, posteriormente, na construção de sua carreira teatral e cinematográfica.

Artisticamente, Samir Hauaji trabalha profissionalmente desde o final dos anos de 1990. Começou sua carreira no teatro. Atuou muitas vezes como figurante, tanto na televisão (em novelas, minisséries e programas humorísticos como Casseta & Planeta Urgente como no cinema (como mero “homem da bagagem” da carruagem da personagem Olga, vivida por Giulia Gam, no filme Policarpo Quaresma – Herói do Brasil).

Samir Hauaji passou um período residindo fora do país e, quando retornou, logo se envolveu em novas montagens teatrais, o que o levou a reencontrar-se com seus amigos cineastas locais, que logo o chamaram para atuar em seus filmes.

No início dos anos 2000, Samir Hauaji trabalhou nos curtas Os Fantasmas da cidade (2000) e O Alferes e o Poeta, de Rogério Terra Jr.; Deus me Livre ou o Dia em que o Diabo Decidiu Devolver o Inferno (2001), de Alexei Divino; e no telefime Labirinto de Pedra (2003), de José Sette.

Em 2006, trabalhou como figurante no longa-metagem Zuzu Angel (2006), dirigido por Sérgio Rezende; e protagonizou o curtametragem Chave, de Franco Groia.

Entre 2010 e 2013, esteve nas telas em Cachorro Morto (2010); Bomba (2012); Fim de mês (2012); Charles Dimileto (2013); Entre Parenteses; A Ratoeira (2013) e Modorra (2014).

No teatro, participou da montagem da peça O Cego e o Louco, contracenando no palco com Gibran Lamha. Fez parte também da montagem do espetáculo O Camarim (2010), do TQ, trupe teatral formada, além do criador, autor e diretor Gueminho Bernardes, pelos atores Roberta Abramo, Marcos Magal e Kadu Campos. Em 2015, dirigiu a peça Antes, Depois, Agora, selecionada para participar do 7º Festival de Cenas Curtas, promovido pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), por meio da Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (Funalfa).

Como dublador, Samir Hauaji contribuiu muito para a concretização de um ciclo de cinema de animação em Juiz de Fora (MG), dando vida a diversos personagens de filmes de curtasmetragens produzidos integralmente na cidade. Estabeleceu assim importantes parcerias criativas com animadores como Léo Ribeiro, Alessandro Driê e Cacinho.

Assim, destas parcerias, nasceram produções como Como Defender Um Cafofo ou As Aventuras do Lobo Guará no Reino da Especulação Imobiliária (2003), de Léo Ribeiro; Poliedro – O Resgate (2005), de Alessandro Driê; A História do Seu João das Alfaces (2007), de Cacinho; A Zona na Mata do Krambeck (2010), de de Alessandro Driê, onde fez, entre outras, a voz de Mamute; e Lobo Guará e a Dama do Chapéu Vermelho (2011), de Léo Ribeiro.

Paralelamente ao seus trabalhos artísticos, usa a voz em locuções para spots publicitários de rádio e tv, além de atuar e dirigir videos publicitários, institucionais e até de propaganda política.

Em 2015, protagonizou os curtas Cabrito, de Luciano de Azevedo; e Azul, dirigido por Mia Mozart, que foi selecionado para o Short Film Corner 2015, mostra do Festival de Cannes, na França, com curtas-metragens de diversas partes do mundo.

Estreou como cineasta, dirigindo seu primeiro filme, no curtametragem Noite e Dia (2011). Logo depois, Barbante (2016), com o qual co-roteirizou e co-dirigiu, junto com o cineasta Daniel Couto, atores consagrados como Laura Cardoso e Vinícius de Oliveira.

Em 2017, atuou nos filmes: Rosalita, curta de horror Luciano de Azevedo, e Quebranto, longa experimental de José Sette.

Filmografia

:: Filmografia como Ator ::

2019 :: Cabrito
2019 :: Casulo
2018 :: Último Toque
2017 :: Quebranto
2017 :: Rosalita (CM)
2016 :: VHS
2015 :: Véspera (CM)
2015 :: Cabrito (CM)
2015 :: Azul (CM)
2014 :: Modorra (CM)
2013 :: Charles Dimileto
2013 :: Entre Parenteses (CM)
2013 :: A Ratoeira (CM)
2012 :: Bomba (CM)
2012 :: Fim de mês (CM)
2010 :: Cachorro Morto (CM)
2006 :: Chave (CM)
2006 :: Zuzu Angel
2003 :: Labirinto de Pedra
2002 :: O Alferes e o Poeta(CM)
2001 :: Deus me Livre ou o Dia em que o Diabo Decidiu Devolver o Inferno (CM)
2000 :: A Janela do Caos (CM) …. Narração e Fernando Pessoa
2000 :: Os Fantasmas da cidade (CM)

:: Filmografia como Diretor ::

2016 :: Barbante (CM) (codir. Daniel Couto)
2011 :: Noite e Dia (CM)

:: Filmografia como Roteirista ::

2016 :: Barbante (CM) (codir. Daniel Couto)

:: Filmografia como Dublador ::

2011 :: Lobo Guará e a Dama do Chapéu Vermelho (CM)
2010 :: A Zona na Mata do Krambeck (CM) …. Voz de Mamute
2007 :: A História do Seu João das Alfaces (CM)
2005 :: Poliedro – O Resgate (CM)
2004 :: Roque – A Jogada Mortal (CM)
2003 :: Como Defender Um Cafofo ou As Aventuras do Lobo Guará no Reino da Especulação Imobiliária (CM)

:: Filmografia como Figurante ::

1998 :: Policarpo Quaresma – Herói do Brasil …. Homem da bagagem da carruagem de Olga (não creditado)

Livros:

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Samir Hauaji. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/samir-hauaji/
UMA PÁ DE HISTÓRIAS – CANAL YOUTUBE. https://www.youtube.com/watch?v=OAfPlE-V6yc

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]