fbpx

Sargento Getúlio (1979)

Sinopse

Adaptação cinematográfica do clássico homônimo de João Ubaldo Ribeiro. O filme narra, em tom épico, a viagem realizada pelo sargento Getúlio e o motorista Amaro no cumprimento da missão de transportar um preso político de Paulo Afonso (BA) até Aracaju (SE). Durante a viagem, a situação política se altera e o sargento recebe ordens de soltar o preso. Desconfiado, ele insiste em prosseguir, o que o transforma em inimigo da ordem. Perseguido e sentindo-se traído, Getúlio vê no cumprimento da missão a única razão de sua existência. Lutando contra tudo e todos, ele continua até avistar Aracaju da Barra dos Coqueiros.

Getúlio, um oficial do exército, é incumbido de levar um prisioneiro até Aracaju no estado de Sergipe. Durante a viagem Getúlio relata a Amaro, seu colega na missão, atrocidades que poderia cometer contra o prisioneiro, por quem tem real desprezo. Acampam à noite e Getúlio amarra o prisioneiro numa árvore. Continuam a viagem chegando até a fazenda de Nestor Franco, local designado para pouso durante a viagem. O prisioneiro é confinado num quarto, porém logo descobre-se que a moça, filha de Nestor, e o prisioneiro planejavam ter relações sexuais às escondidas. Getúlio decide cortar os testículos do rapaz, porém não o faz em virtude da Força Federal, que manda um tenente entre outros soldados, buscarem o prisioneiro. Na briga pelo poder, Getúlio trucida o tenente, arrancando-lhe a cabeça e, ainda, mata os outros oficiais. Rumam para o convento de um amigo, padre revolucionário. O padre espanta-se ao encontrar o prisioneiro sem os dentes, os quais Getúlio arrancara. As autoridades assustam-se com as atrocidades cometidas por Getúlio em seu frenesi por reconhecer-se poderoso. O padre o aconselha a soltar o homem e fugir. Getúlio persiste em sua missão e parte novamente. Com problemas no carro, Getúlio busca arrego na casa de Luzinete, moça por quem nutre afeição. Porém a casa é atacada por oficiais que vinham em seu encalço e o tiroteiro termina com a morte de Amaro. Getúlio foge pelo rio, num barco, levando consigo o prisioneiro. Na outra margem, amarra-o, enquanto espera pelos oficiais que se aproximam. Grita sua ira e afirma que nunca vai morrer.

Melhor filme do Júri Oficial; de Melhor ator para Lima Duarte; de Melhor ator coadjuvante para Orlando Vieira; de Melhor Técnico de Som para Mário Maseti; Prêmio da crítica e Prêmio da imprensa no Festival de Gramado, 11, 1983 – RS. Prêmio Leopardo de Bronze no Festival de Locarno, 1983 – CH. Melhor Filme pela Federação de Cineclubes/Unesco no Festival do Terceiro Mundo, 1983, Nantes – FR. Prêmio Especial do Júri no Festival de Havana, 1983 – CU

Elenco

Lima Duarte …. Sargento Getúlio
Fernando Bezerra …. Prisioneiro
Orlando Vieira …. Amaro
Flávio Porto …. Padre
Ignez Maciel Santos …. Luzinete
Cavalcante, Amaral (Elevaldo)
Salles, Otávio (Nestor)
Fontes, Marieta (Ozonira)
Lima, Márcia de (Filha de Nestor)
Antônio Leite …. Tenente
Muniz, Etel de Souza (Emissário)
Rocha, Carlos (Emissário)
Barreto, Luiz A. (Acrísio Antunes)
Povo da cidade de Poço Redondo

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Sargento Getúlio (1979) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Hermano Penna
Assistência de direção: Porto, Flávio
Continuidade: Camargo, Lia Pereira
Roteiro: Hermano Penna e Porto, Flávio
Diálogos: João Ubaldo Ribeiro
Diálogos adicionais: João Ubaldo Ribeiro
Estória Adaptada do romance homônimo de João Ubaldo Ribeiro
Produção: Oliveira, Carlos Augusto; Correa, Walter Carvalho; Magini, Christiano André e Hermano Penna
Direção de produção: Álvaro Pedreira
Produção executiva: Álvaro Pedreira
Assistência de produção: Cavalcanti, Amaral; Leite, Antônio
Coordenação de produção: Amâncio, José
Direção de fotografia: Walter Carvalho
Assistência de câmera: Silva, Carlos E. da
Fotografia de cena: Maciel, Marcos
Eletricista: Joel Queiroz
Maquinista: Joel Queiroz
Auxiliar de maquinista: Toloto, Nelson
Direção de som: Chagas, Dorival
Técnico de Som: Mário Masetti
Som direto: Mário Masetti
Assistente de som: Chagas, Dorival
Montagem: Láercio Silva
Montagem de som: Queiroz, Mário
Assistência de edição: Queiroz Jr., Mário
Figurinos: Percival Rorato
Cenografia: Percival Rorato
Consultoria de cor: Dimitri; Evaldo
Assistencia de cenografia: Pêpê
Maquiagem: Percival Rorato
Arranjos musicais: Giorgetti, Mauro – sopro
Música de: Carrera, Beto; Campos, Cid; José Luiz Penna, Costa, Paulinho da; Araripe, Tiago; Carlos, Chico
Direção musical: José Luiz Penna
Música original: José Luiz Penna, Araripe, Tiago; Costa, Paulinho
Trilha musical: Papa Poluição
Companhias Produtoras: Blimp Film | Luz XXI Cine Vídeo
Companhia Co-produtora: Embrafilme – Empresa Brasileira de Filmes S.A.
Companhia Distribuidora: Embrafilme – Empresa Brasileira de Filmes S.A.

Locação: Nossa Senhora da Glória; Laranjeiras, Rio de Janeiro – RJ; São Cristóvão, Rio de Janeiro – RJ; Aracaju – SE; Barra dos Coqueiros, Aracajú – SE; Poço Redondo – localidade

Prêmios

Melhor filme do Júri Oficial; de Melhor ator para Duarte, Lima; de Melhor ator coadjuvante para Vieira, Orlando; de Melhor técnico de som para Maseti, Mário; Prêmio da crítica e Prêmio da imprensa no Festival de Gramado, 11, 1983, RS..
Prêmio Leopardo de Bronze no Festival de Locarno, 1983 – CH..
Melhor Filme pela Federação de Cineclubes/Unesco no Festival do Terceiro Mundo, 1983, Nantes – FR..
Prêmio Especial do Júri no Festival de Havana, 1983 – CU.

Bibliografia

Fontes utilizadas:

CB/Transcrição de letreiros-Cat
CB/FIBRA
LFM/DCB, p. 252
Concine/Ficha técnica
Jornal do Comércio, 29.05.1983
Press-release
FGR/11
FGR/17
Folha de S. Paulo, 31.03.1983
Programadora Brasil/5

Fontes consultadas:

O Dia, 13.05.1983
Folha da Tarde, 09.02.1980
Tela 1
Concine/83*

Livros:

RIBEIRO, João Ubaldo. Sargento Getúlio. : Nova Fronteira, 1971.

Internet:

ANCINE. Sargento Getúlio. Disponível no endereço: http://sad.ancine.gov.br/obrasnaopublicitarias/pesquisarCpbViaPortal/pesquisarCpbViaPortal.seam. Acesso em: 14.12.2017.
HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Sargento Getúlio. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/
JLS/site, acessado em 22.06.2007

Observações:

Folha de S. Paulo de 31.03.1983, informa sobre a ampliação para 35mm após cinco anos da realização em 16mm, em 1978.
O Dia de 13.05.1983, informa sobre a estréia em São Paulo – SP a 05.1983; Porto Alegre – RS a 05.1983; Salvador – BA a 05.1983 e em Aracajú – SE a 05.1983.
Programadora Brasil/5 informa que a obra participa do Programa 52, intitulado Sargento Getúlio e novembrada. A mesma fonte indica que a trilha musical foi realizada por Papa Poluição e grafa o nome de como Sid Campos.
Site Ancine e Programadora Brasil/5 informam que a obra foi produzida foi em 1983.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.