fbpx

Sérgio Britto (1923-2011)

Sérgio Pedro Corrêa de Britto, em arte conhecido como Sérgio Britto, foi um consagrado ator, diretor, apresentador e roteirista de cinema, televisão e teatro brasileiro nascido na cidade do Rio de Janeiro no dia 29 de junho de 1923. Foi um dos grandes talentos brasileiros na arte de representar e dirigir. Faleceu no Rio de Janeiro no dia 17 de dezembro de 2011.

Filho de Lauro e Alzira, seu pai era funcionário público e sua mãe, dona de casa. Sérgio vivia com eles e o irmão, Hélio. Uma típica família da Vila Isabel daquela época: todos religiosos, tradicionais e conservadores.

A ideia de ser ator não passava por sua cabeça, tanto é que chegou a cursar até o sexto ano de Medicina, na Faculdade da Praia Vermelha, mas a carreira artística fala mais alto. Foi no teatro universitário amador, fazendo o papel de Benvoglio em Romeu e Julieta, que Sérgio descobriu que o teatro seria sua vida. Abandonou a medicina para se dedicar à sua paixão.

Depois de participar de algumas peças, em 1949, fundou, junto com Sérgio Cardoso, o Teatro dos Doze, no qual, entre outras, representam Hamlet.

Estreou no cinema em 1951, no clássico O Comprador de Fazendas.

Várias vezes premiado como ator, durante oito anos consecutivos dirige um programa teatral na TV, mas foi no teatro que se realizou e produziu seus melhores trabalhos, sendo considerado um dos nossos maiores talentos.

Embora sua carreira seja predominantemente teatral, brilhou também na televisão, na qual estreou em 1963 no especial A Morta sem Espelho. Seguiram-se participações de sucesso em dezenas de novelas como Sangue do meu Sangue (1969), Supermanoela (1974), Espelho Mágico (1977), Dona Beija (1986), Olho por Olho (1988), Indomada (1997), Chiquinha Gonzaga (1999) e Vidas Cruzadas (2000).

Considerado um dos maiores atores do país, Sérgio Britto foi responsável pela direção de Ilusões Perdidas, primeira telenovela produzida e exibida pela TV Globo. Apesar de seu pioneirismo na televisão, foi o teatro que o consagrou.

Sérgio foi o criador, diretor e ator do Grande Teatro Tupi, que foi ao ar por mais de dez anos. Com elenco no qual se destacam Fernanda Montenegro, Ítalo Rossi, Natália Thimberg, Manoel Carlos, Fernando Torres, Zilka Sallaberry, Aldo de Maio e Cláudio Cavalcanti, o teleteatro apresentou sob o seu comando repertório de mais de 450 peças dos maiores autores nacionais e estrangeiros. Depois de seis anos na extinta TV Tupi, o Grande Teatro transfere-se, para a TV Rio e depois, por seis meses, para a TV Globo – um programa formador de plateia, referência na história da televisão e do teatro brasileiro. Na carreira teatral, mais de 90 espetáculos representados.

Em 1953, participa do primeiro elenco profissional do Teatro de Arena atuando em Esta Noite é Nossa, de Stafford Dickens, direção de José Renato; e dirigindo Judas em Sábado de Aleluia, de Martins Pena. Ainda na década de 1950, fez parte da Companhia Maria Della Costa e do Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), em que atua em A Casa de Chá do Luar de Agosto, Rua São Luís, 27 – 8º Andar e Um Panorama Visto da Ponte, sua última incursão no grupo.

Em 1959, formou sua própria companhia teatral, o Teatro dos Sete, com Fernanda Montenegro, Ítalo Rossi, Gianni Ratto, Luciana Petruccelli, Alfredo Souto de Almeida e Fernando Torres, e apresentou no Teatro Municipal do Rio de Janeiro a histórica montagem de O Mambembe, de Artur Azevedo.

Em 1960, especialmente para o Teatro dos Sete, Nelson Rodrigues escreveu O Beijo no asfalto.

Em 1963, dirigiu na TV Rio, A morta sem espelho de Nelson Rodrigues.

Em 1964, dirigiu mais duas novelas: Vitória e Sonho de amor, esta última uma adaptação feita por Nélson Rodrigues do romance O tronco do ipê, de José de Alencar, produzida pela TV Rio e exibida também em São Paulo pela TV Record.

Em 1965, juntamente com Líbero Miguel, dirigiu a primeira novela da Rede Globo, Ilusões Perdidas, e no elenco estavam Emiliano Queiroz, Leila Diniz, Miriam Pires, Norma Blum, Osmar Prado, Reginaldo Faria, entre outros.

Em 1969, na TV Excelsior, Sérgio dirigiu A muralha, de Ivani Ribeiro, baseada no romance de Dinah Silveira de Queiroz. A novela tinha no elenco Fernanda Montenegro, Mauro Mendonça, Rosamaria Murtinho, Stênio Garcia e Nathalia Timberg.

Em 1971, ao lado de Fernanda Montenegro, atua na peça O Marido Vai à Caça de Georges Feydeau. Dirigido por Amir Haddad.

Em 1974, destaca-se como um dos intérpretes de A Gaivota, de Anton Tchekhov, dirigida por Jorge Lavelli. Em 1975, interpreta o Dr. Facchini, grande sucesso da novela Escalada de Cassiano Gabus Mendes. A novela tinha no elenco Tarcísio Meira, Renée de Vielmond, Suzana Vieira, Ney Latorraca e Nathália Timberg.

Em 1976, atuou no novela Anjo Mau, ao lado de Suzana Vieira, José Wilker, Renée de Vielmond, Pepita Rodrigues, Osmar Prado, entre outros. A novela de Cassiano Gabus Mendes foi exibida no horário das 19 horas e contou com 175 capítulos. Dirigida por Régis Cardoso e Fábio Sabag, Anjo Mau foi a penúltima novela em preto-e-branco exibida pela Rede Globo.

Em 1977, dirige Renata Sorrah, em parceria com Walter Scholiers, em Afinal… uma Mulher de Negócios, de Rainer Werner Fassbinder.

Em 1978, fundou o Teatro dos 4 na Gávea, como sempre com sua mania de números. E os quatro, na verdade eram três: Sergio Britto, Paulo Mamede e Mimina Roved. Durante quinze anos produziram dezessete espetáculos de teatro da maior importância, entre os quais: Os viciados; Assim é se lhe parece; Tio Vânia; O jardim das cerejeiras, e muitas outras.

Em 1982, atuou na novela Paraíso, de Benedito Ruy Barbosa. Ao lado de Tereza Rachel e Ary Fontoura. Ainda em 1982, juntamente com fonoaudióloga Glorinha Beutenmuller, ajuda fundar a CAL(Casa de Arte das Laranjeiras), que hoje é considerada uma das escolas mais conceituadas na preparação do ator no Brasil.

Em 1985, está em Assim É…(Se Lhe Parece), de Luigi Pirandello, com direção de Paulo Betti.

Em 1985, atua ao lado de Rubens Corrêa e Ítalo Rossi em Quatro Vezes Beckett, que marca o início da trajetória do diretor Gerald Thomas no Brasil.

Em 1986, atua com Tônia Carrero, na peça Quartett, de Heiner Müller e sob direção de Gerald Thomas.

Em 1989, assume a direção artística do Centro Cultural do Banco do Brasil – CCBB.

Em 1990, Sérgio interpreta Antero Novaes, na novela Pantanal, da extinta Rede Manchete. O personagem era viciado em pôquer, morre no 15º capítulo da novela, quando está jogando com o neto e no jogo faz um royal street flash e morre de emoção.

Em 1993, na Globo, participou de Olho no Olho, onde interpretou o Padre João.

Em 1994, Sérgio Britto integrou o elenco da minissérie Memorial de Maria Moura. Em 1996, lança sua autobiografia Fabrica de Ilusão: 50 Anos de Teatro; (Funarte/Salamandra). No mesmo ano, interpreta o Conde Valadares, na novela Xica da Silva, da Rede Manchete. A novela tinha Taís Araújo no papel principal.

No ano de 2000, o ator fez papel de Teodoro Oliveira de Barros, na novela Vidas Cruzadas, da Rede Record.

Em 2003, com a direção de Domingos Oliveira estreou Sergio 80, um espetáculo-solo que falava sobre as suas experiências em seus 80 anos de vida.

Depois de 16 anos, em 2006 retorna ao cinema para participar do filme O Maior Amor do Mundo, de Carlos Diegues.

Em 2008, interpreta Dom Pedro II. no especial da Rede Globo: O Natal do Menino Imperador. Escrito por Péricles de Barros, com direção geral de Denise Saraceni. No mesmo ano, com a peça A última gravação de Krapp e Ato sem palavras I de Samuel Beckett, ganhou o prêmio “Faz Diferença”, do Jornal O GLOBO como Personalidade do teatro.

Em 2009, ganhou o Prêmio Shell de melhor ator, por A última gravação de Krapp e Ato sem palavras I.

Em 2010, protagonizou juntamente com Suely Franco, a peça Recordar é Viver, com direção de Eduardo Tolentino de Araújo. No mesmo ano, lança sua segunda autobiografia O Teatro e Eu. Uma corajosa revisão de seus 86 anos de idade, dos quais 65 de carreira na televisão, cinema e, principalmente, no teatro. Também em 2010, por conta de uma cláusula de exclusividade no contrato com a Rede Globo, que Sérgio Britto não aceita, é substituído por Leonardo Villar, em Passione.

Apresentou o programa semanal Arte com Sérgio Britto, na TV Brasil.

Morreu no dia 17 de dezembro de 2011 aos 88 anos de idade, no Rio de Janeiro, devido a problemas cardiorrespiratórios.

Filmografia

2009 :: Dois pra Lá, Dois pra Cá (CM)
2006 :: O maior amor do mundo – Dirigido por Cacá Diegues
1991 :: A Maldição do Sanpaku – Dirigido por José Joffily
1987 :: O Rato (CM)
1986 :: O Quebra-Nozes – Dirigido por Alcino Diniz
1977 :: Na ponta da faca – Dirigido por Miguel Faria Jr.
1977 :: O Cão Vadio
1976 :: Gordos e magros – Dirigido por Mario Carneiro
1973 :: Caingangue, a Pontaria do Diabo – Dirigido por Carlos Hugo Christensen
1972 :: A Culpa
1965 :: O desafio – Dirigido por Paulo César Saraceni
1965 :: Society em baby-doll – Dirigido por Luis Carlos Maciel
1957 :: Senhora (Inacabado)
1957 :: Le Citt à Proibite (Itália) (narração, com Roberto Maya)
1954 :: A sogra – dirigido por de Armando Couto
1954 :: Destino em apuros (também roteirista)
1953 :: O homem dos papagaios (também roteirista)
1953 :: Uma vida para dois (também roteirista)
1953 :: Esquina da ilusão – Dirigido por Ruggero Jacobbi
1953 :: Luz apagada – Dirigido por Carlos Thiré
1952 :: Modelo 19 (Amanhã Será Melhor) – Dirigido por Armando Couto
1951 :: O Comprador de Fazendas – Dirigido por Alberto Pieralisi

Bibliografia

Livros:

BRITTO, Sergio; BRITO, Pedro. Memória a dois. Rio de Janeiro: Funarte, 2016.
. O Teatro e Eu. : , .
MONTENEGRO, Fernanda. (Org.). Fernanda Montenegro: itinerário fotobiográfico. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2018.
SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Sérgio Britto. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/sergio-britto/
WIKIPEDIA. http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A9rgio_Britto

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]