fbpx

Sexo Frágil (1987)

Sinopse

Encontros e desencontros de Ana e Luiz e os problemas que eles enfrentam para criar sem a ajuda de marido ou mulher os filhos dos casamentos anteriores. Ana é uma escritora em busca de patrocínio para montar a sua peça de teatro Sexo Frágil, mãe de Nina e que conhece Luiz, um ator desempregado e pai de Kako, na casa de Cristina, onde vai morar provisoriamente. A confusão começa quando o menino Kako, para suprir a falta materna, obriga o pai a se vestir de mulher para participar da festa do Dia das Mães, no colégio. Luiz, que já tinha alguma prática em shows de travesti, onde trabalhava eventualmente para sobreviver, se transforma então em Leila, uma mulher charmosa que acaba eleita a Mãe do Ano. Depois de uma série de situações ambíguas e hilariantes, Leila conquista, involuntariamente, o amor de João, um viúvo rico e solitário. Na ânsia de conseguir financiamento para a montagem da peça de Ana, Luiz/Leila passa a levar uma vida dupla. Fica noivo de João e, ao mesmo tempo, mantém um namoro com Ana. Mas chega a um ponto em que a situação fica insustentável e Luiz é obrigado a matar Leila com a ajuda de um amigo punk.

Elenco

Edson Celulari …. Luiz
Maitê Proença …. Ana
Oswaldo Loureiro …. João
Pagnoccelli, Henri (Marido de Ana)
Maia, Sergio (Namorado de Cristina)
Antonio, Flávio (Júlio (ator da peça))
Vanucci Junior, Fernando (Kako (filho de Luiz))
Wurch, Jan (Nina (filha de Ana))

Atores Convidados:
Coelho, Ariel (Bife (punk))
Reston, Thelma(Avó de Bife)

Participação especial:
Evans, Monique (Cristina)

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Sexo Frágil (1987) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Jessel Buss
Argumento: Yoya Wurch
Roteiro: Yoya Wurch, Patrick Moine e Jessel Buss
Assistência de direção: Alvarenga Jr.
Produção: Diniz, Carlos Alberto; Moine, Patrick
Produção executiva: Maia, Telmo; Peixe, Jane Guerra
Produtor associado: Guimarães, Eduardo
Direção de fotografia: Nonato Estrela
Montagem: Paris, Dominique
Montagem de som: Cardillo, Hercília
Direção de arte: Yurika Yamasaki
Produção musical: MC Animadores Culturais; Muhlenberg, Liana; Muhlenberg, Artur
Companhias Produtoras: Ponto Filmes | DWD Cinema Arte e Participações Ltda.
Companhia Distribuidora: Embrafilme – Empresa Brasileira de Filmes S.A.

Dados adicionais de música
Título da música: Sexo frágil;
Intérprete(s): Kiko e Feghali, Ricardo;

Título da música: Sem vergonha
Intérprete(s): Brizola, Neuzinha

Conjuntos e bandas: Roupa Nova; Obina Shock e Hanoi Hanoi

Bibliografia

Fontes utilizadas:
CB/FIBRA
CB/EMB-110.2-00856
Concine/87*
Press-release
Jornal da Tarde, 10.06.1987, p. 22
O Estado de S. Paulo, 11.06.1987, caderno 2, p. 7
Jornal do Brasil, 11.06.1987, caderno B, p. 7

Livros:

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Sexo Frágil. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/sexo-fragil/

Observações:
Press-release indica a censura para menores de 14 anos e aponta as músicas-tema: Sexo frágil e Sem vergonha.
Jornal da Tarde aponta 1986 como o ano de produção.
O Estado de S. Paulo noticia: “estréia nesta data em 14 capitais brasileiras”.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

5 comentários sobre “Sexo Frágil (1987)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.