fbpx

Silvia Rabello (1951-2018)

Biografia

(Foto: Fernando Frazão/ABr)

Silvia Rabello foi uma empresária brasileira nascida em Niterói (RJ) no dia 31 de dezembro de 1951. Foi uma das principais executivas do cinema brasileiro. Graduou-se em Farmácia e Bioquímica pela UFRJ (ainda na Praia Vermelha, no bairro da Urca), fez pós-graduação em Mercado de capitais pela Fundação Getúlio Vargas e MBA na Coppead-UFRJ.

Filha do técnico de som Silvio Rabello, da Atlântida Cinematográfica, durante o seu ciclo de gestão à frente da Labo Cine, Silvia Rabello sempre esteve atenta e preocupada na necessidade de se investir na preservação da memória do cinema brasileiro, através da restauração de títulos importantes, e fez esforços neste sentido na restauração de filmes como Alô, alô carnaval (1935), de Adhemar Gonzaga; Aviso aos navegantes (1950), de Watson Macedo; e Vidas secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos. Neste mesmo período, o laboratório também atuou como coprodutor e/ou apoiador de filmes como Latitude zero (2000), de Toni Venturi, Amores possíveis (2001), de Sandra Werneck; Desmundo (2002), de Alain Fresnot; 1972 (2003), de José Emilio Rondeau; A paixão de Jacobina (2002), de Fábio Barreto; Copacabana (2001), de Carla Camurati; e Amarelo manga (2002), de Cláudio Assis; e tantos outros.

Foi uma das fundadoras da Associação Brasileira de Empresas de Infra-Estrutura de Indústria Cinematográfica Audiovisual (Abeica), entidade criada em 2000, vice-presidente do Congresso Brasileiro de Cinema (CBC), e participou da estruturação da extinta Labo Cine do Brasil, criada em 1998, tendo sido sócia-presidente do laboratório, que encerrou suas atividades em março de 2015.

Presidente do Sindicato Interestadual da Indústria do Audioviual (Sicav) e diretora-executiva do Grupo Estação, além de ter ocupado uma vaga como membro do Comitê Gestor do Fundo Setorial do Audiovisual, Silvia Rabello, construiu uma carreita ligada aos bastidores da produção cinematográfica brasileira, atividades que seguiu exercendo até o fim do ano de 2017.

Faleceu na manhã do dia 15 de janeiro de 2018, na cidade de Teresópolis, no estado do Rio de Janeiro, aos 66 anos, após enfrentar, nos últimos meses, o rápido avanço de uma doença neurodegenerativa, a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA).

Silvia havia sido internada na semana anterior na emergência da UPA de Teresópolis, onde um quadro de insuficiência respiratória se agravou nos últimos dias. O corpo da executiva foi enterrado em Teresópolis.

Silvia Rabello deixou uma filha e quatro netas.

Galeria

Bibliografia

Fontes de Referência

Livros:

ALMEIDA, Paulo Sérgio; OLIVEIRA, José Maria de. (org.). Quem é Quem no Cinema. Rio de Janeiro: Iluminuras, 2003.

Internet:

ANCINE. Nota de pesar: Ancine lamenta morte de Silvia Rabello. Disponível no endereço: https://www.ancine.gov.br/pt-br/sala-imprensa/noticias/nota-de-pesar-ancine-lamenta-morte-de-silvia-rabello. Acesso em: 16 de jan. 2018.
EBC. Disponível no endereço: http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/galeria/2013-10-03/produtores-brasileiros-do-setor-audiovisual-assinam-memorando-de-parceria-com-associacao-norte-americ#
FILMEB. Silvia Rabello. Disponível no endereço: http://www.filmeb.com.br/quem-e-quem/cargos-oficiais/silvia-rabello
HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Silvia Rabello. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/silvia-rabello/
OGLOBO. Morre Silvia Rabello, aos 66 anos, diretora-executiva do Grupo Estação. Disponível no endereço: https://oglobo.globo.com/cultura/filmes/morre-silvia-rabello-aos-66-anos-diretora-executiva-do-grupo-estacao-22291248

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.