fbpx

Stênio Garcia

Stênio Garcia Faro, em arte conhecido como Stênio Garcia, é um ator brasileiro nascido em Mimoso do Sul (ES) no dia 28 de abril de 1933. É um dos grandes atores brasileiros.

Ainda criança ajudava a tirar areia do rio Muqui para vender. Em 1944, seus pais separam-se e Stênio vai para o Rio de Janeiro com a mãe e vai trabalhar de auxiliar de escritório para ajudar nas despesas de casa.

Em 1952, fez curso de contabilidade e namora uma garota que faz parte do grupo de teatro Amadores Unidos. Na estreia da peça Rosas Rubras falta um ator, e, como Stênio já conhece o texto, o substitui. A partir daí não para mais.

Em 1955, entrou para o Conservatório Nacional de Teatro e, em 1958, conseguiu uma bolsa na Companhia de Cacilda Becker. Em 1959, fez sua estreia profissional na peça Os Perigos da Pureza. No início da década de 1960, participou de dois episódios do primeiro seriado feito para a televisão, O Vigilante Rodoviário, com enorme sucesso.

Em 1963, foi assistente de Antunes Filho na direção da peça Vereda da Salvação. Por coincidência, sua estreia oficial no cinema de longa-metragem também é no filme do mesmo nome, dirigido por Anselmo Duarte, em 1965.

Em 1966, fez sua primeira novela, Minas de Prata (1966), seguindo-se outras como A Muralha (1968) e Dez Vidas (1969), entre outras, nas extintas TVs Tupi e Excelsior. Em 1973, transferiu-se para a TV Globo e estreou na novela O Semideus. Permanece na emissora até hoje, com sólida carreira. Em 1979 brilha na série Carga Pesada, ao lado de Antonio Fagundes. Seguem-se minisséries e novelas como Padre Cícero (1984), Decadência (1996), Que Rei Sou Eu? (1989), Meu Bem, meu Mal (1990), O Dono do Mundo (1992), Tropicaliente (1992), Explode Coração (1995), A Muralha (2000), Os Maias (2001), Kubanacan (2003), Hoje é Dia de Maria (2005) e O Profeta (2006). Faz todos os tipos de personagens, mas gosta mesmo é de interpretar o homem da terra, do sertão, como Zé do Araguaia, na novela O Rei do Gado (1996).

Em 1997, brilhou no teatro na peça Beethoven.

Entre 2003 e 2007, retomou o seriado Carga Pesada, ao lado de Antonio Fagundes. Em 2008, em Duas Caras, foi o Dr. Barreto e, em 2009, o Dr. Castanho, na novela Caminho das Índias.

Foi casado com a atriz Cleyde Yáconis, depois com Clarice Piovesan, com quem tem duas filhas, Cássia (1973) e Gaya (1974). Casou-se depois com Gisele Sá e Márcia Barros. Desde 1999, está casado com a atriz Marilene Saade (1968).

Em 2009, a Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, por meio da Coleção Aplauso, lançou sua biografia, Stênio Garcia: Força da Natureza, de autoria de Wagner de Assis.

Filmografia

2021 :: Me Tira da Mira (Em Finalização)
2020 :: Mulher Oceano
2017 :: O Beijo no Assfalto
2016 :: Os Penetras 2 – Quem dá mais?
2012 :: O Inventor de Sonhos
2007 :: Ó Pai, Ó
2005 :: Casa de Areia
2004 :: Redentor
2004 :: Maria Morango (CM)
2000 :: Eu Tu Eles
1999 :: Hans Staden (Brasil/Portugal)
1998 :: O Circo das Qualidades Humanas
1998 :: Menino Maluquinho 2: A Aventura
1997 :: Os Matadores
1991 :: Brincando nos campos do Senhor (At Play In The Fields of The Lord) (EUA/Brasil) …. Boronai
1989 :: Kuarup
1989 :: Solidão, Uma Linda História de Amor
1987 :: Leila Diniz
1978 :: Tudo Bem
1977 :: O Crime do Zé Bigorna
1977 :: Morte e Vida Severina
1976 :: O Esquadrão da Morte
1975 :: Ana, a Libertina
1975 :: As Três Mortes de Solano
1975 :: Compasso de Espera
1970 :: A Guerra dos Pelados
1970 :: O Pornógrafo
1968 :: As Amorosas
1965 :: Vereda da Salvação
1962 :: Terras de Ninguém (CM) (Episódios da série Vigilante Rodoviário)
1969 :: A Mulher de Todos
1961/62 :: A Chantagem

Bibliografia

Links de Referência

Livros:

ASSIS, Wagner de. Stênio Garcia: Força da Natureza. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009.
SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Stênio Garcia. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/stenio-garcia/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]