fbpx

Tony Rabatoni (1927-1995)

Biografia

Antônio Rabatoni Martins, em arte mais conhecido como Tony Rabatoni, foi um cineasta e Diretor de Fotografia brasileiro nascido na cidade de Pirangi (SP) no dia 12 de março de 1927. Faleceu na cidade de Porto Alegre no dia 29 de março de 1995.

Vivendo na capital paulista desde 1948, fez um curso de cinema no CEC (Centro de Estudos Cinematográficos) e, através do amigo Agostinho Martins Pereira, que o leva a trabalhar na produtora Vera Cruz em 1950, quando Toni passa a ser Tony para os fotógrafos ingleses Chick Fowle, Bob Hucke e Ray Sturgess, que lhe ensinaram ali o ofício de fotografar em cinema. Foi segundo assistente de direção em Ângela e Nadando em dinheiro. Mais interessado pela área da fotografia, passou a acompanhar o trabalho dos fotógrafos do estúdio, como Chick Fowle, Bob Hucke e Ray Sturgess, todos com formação no cinema inglês, e com eles ganhou o apelido de Tony.

Saindo da Vera Cruz, fez sua primeira direção de fotografia, como fotógrafo profissional, em seu primeiro longa, Queridinha do meu bairro (1954), de Felipe Ricci, contratado pelo pequeno Estúdio Pinto Filho, no bairro Ipiranga.

Entre 1955 e 1956, passou um ano nos Estados Unidos, onde fez um curso de fotografia para cinema e estagiou na Rockett Pictures.

De volta ao Brasil, e às pequenas produtoras do Bairro Ipiranga, fez direção de fotografia de filmes como Dorinha no soçaite (1957) de Geraldo Vietri e Cidade Ameaçada (1960) de Roberto Farias, além de A morte comanda o cangaço (1960) de Carlos Coimbra, primeiro de uma série de filmes de cangaço que teriam a sua assinatura, além de ser o primeiro filme colorido do ciclo, talvez seu melhor trabalho em cores, aplicando todos os fundamentos adquiridos dos ingleses, usando e abusando dos fades e do espetacular eastmancolor.

Em 1960, radicou-se no Rio de Janeiro, passando a ser um dos fotógrafos mais requisitados na primeira fase do Cinema Novo, sendo responsável pelas imagens do longa de estreia de Glauber Rocha, Barravento (1961), do primeiro filme de Ruy Guerra, Os Cafajestes (1962) e Asfalto Selvagem (1964), de J.B.Tanko. Mas, apesar dos prêmios e elogios ao uso criativo do preto e branco em Os cafajestes – vencedor dos prêmios Saci e Governador do Estado como Melhor Fotografia de filme brasileiro de 1962 -, pesou mais a polêmica com Glauber em torno da busca de uma estética própria para fotografar o sertão nordestino em Barravento. A partir daí, os cineastas do Cinema Novo passaram a buscar fotógrafos menos influenciados pela “estética clássica européia”, como Waldemar Lima, Luiz Carlos Barreto e Dib Lutfi.

Ainda nos anos 1960, Tony Rabatoni voltou a São Paulo para fotografar filmes sobre cangaço da Cinedistri e participar da coprodução internacional Quero morrer no carnaval (1962), do diretor mexicano Fernando Cortés, sua primeira fotografia a cores. Além de fotografar, acabou assinando a codireção do drama Vidas estranhas (1964-67) com o ator e produtor Itamar Borges, que inclusive codirigiu o filme.

Na década de 1970, alternou trabalhos entre São Paulo e Rio, ora fotogrando dramas eróticos da Boca do Lixo paulista, ora comédias do ciclo da pornochanchada carioca. Nesta época, chegou a assumir a direção de alguns filmes eróticos, além de fotografar três filmes do cantor gaúcho Teixeirinha. Dirigiu outros filmes na Boca do Lixo, como O Vale dos Amantes (1982) e A Doutora é Boa Pacas (1984). No final dos anos 1980, mudou-se para Porto Alegre, onde fotografou alguns curtas e muitos comerciais para empresas de publicidade.

Em 1991, juntamente com Milton Barragan, escreveu o argumento da comédia musical Gaúcho Negro, de Jessel Buss. No mesmo ano de 1991, fotografou seu último filme, o curta Causos.

Faleceu no ano de 1995, em Porto Alegre, aos 68 anos de idade, de complicações decorrentes da AIDS.

Filmografia

:: Filmografia como Diretor ::

1984 :: A doutora é boa pacas (codir. Pio Zamuner)
1983 :: Põe devagar… bem devagarinho
1982 :: O Vale dos amantes
1968 :: Vidas estranhas (co-dircodir. Itamar Borges)
1966 :: Primeiro Salto (CM) (documentário)

:: Filmografia como Diretor de Fotografia ::

1991 :: Causos (CM) (cofot… Cristiano Requião e Gilberto Heck), dir. Francisco Lima
1990 :: Chama crioula (CM), dir. Mario Luis dos Santos
1989 :: Signos (CM), dir. Luis Cabreira
1988 :: 532 (CM), dir. Aníbal Damasceno Ferreira e Enio Staub
1985 :: O Negrinho do Pastoreio (CM)
1984 :: A doutora é boa pacas (cofot. Pio Zamuner)
1984 :: Shock: diversão diabólica, dir. Jair Correia
1983 :: Põe devagar… bem devagarinho, dir. Tony Rabatoni
1982 :: Retrato falado de uma mulher sem pudor (cofot… Mário Medeiros e Fábio da Silva), dir. Jair Correia e Hélio Porto
1982 :: O Vale dos amantes, dir. Tony Rabatoni
1981 :: Duas estranhas mulheres, dir. Jair Correia
1978 :: Tropeiro Velho
1978 :: Gaúcho de Passo Fundo, dir. Pereira Dias
1977 :: Presídio de mulheres violentadas, dir. Luiz Castellini e Antonio Polo Galante
1977 :: Na trilha da justiça, dir. Milton Barragan
1974 :: Ainda agarro essa vizinha, dir. Pedro Carlos Rovai
1974 :: As Alegres Vigaristas, dir. Carlos Alberto de Souza Barros
1974 :: Uma tarde, outra tarde, dir. William Cobbett
1973 :: Iniciação Musical na Reforma do Ensino (CM) (documentário), dir. Adhemar Gonzaga
1973 :: O libertino, dir. Victor Lima
1968 :: As três mulheres de Casanova, dir. Victor Lima
1968 :: Vidas estranhas
1967 :: Cangaceiros de Lampião, dir. Carlos Coimbra
1967 :: O anjo assassino, dir. Dionísio Azevedo
1966 :: A Bahia na Indústria (CM)
1966 :: Primeiro Salto (CM)
1965 :: Lampião, o Rei do Cangaço, dir. Carlos Coimbra
1965 :: O Monumento (CM) (documentário), dir. Jurandyr Noronha
1964 :: O trabalho nas cidades (documentário), dir. Carlos Alberto de Souza Barros
1964 :: Asfalto selvagem, dir. J. B. Tanko
1964 :: O Beijo (co-fotcofot… Amleto Daissé e Alberto Attili)
1964 :: O Trabalho nas Cidades (CM)
1963/1969 :: Fugitivos da Noite (El Campeon de la Muerte) (Brasil/Mexico)
1963 :: Os vencidos, dir. Glauro Couto
1962 :: Barravento, dir. Glauber Rocha
1962 :: Quero morrer no carnaval (Quiero Morir en Carnaval) (Brasil/Mexico), dir. Fernando Cortés
1962 :: Os cafajestes, dir. Ruy Guerra
1961 :: A morte comanda o cangaço, dir. Carlos Coimbra
1960 :: Cidade Ameaçada, dir. Roberto Farias
1960 :: Brasil maravilhoso (documentário), dir. José Pinto Filho
1957 :: Dorinha no soçaite, dir. Geraldo Vietri
1957 :: Um marido barra-limpa, dir. Luís Sérgio Person
1955 :: A um passo da glória (co-fotcofot… José Pinto Filho), dir. José Pinto Filho
1955 :: Aì vem o General, dir. Alberto Attili
1954 :: A Queridinha do meu bairro, dir. Felipe Ricci

:: Filmografia como Operador de Câmera ::

1978 :: Tropeiro Velho

Bibliografia

Livros:

CAETANO, Maria do Rosário (org.). Cangaço, o nordestern no cinema brasileiro. São Paulo: Editora Avathar, 2005.
MIRANDA, Luiz Felipe. Dicionário de cineastas brasileiros. São Paulo: Art Editora, 1990.
RAMOS, Fernão e MIRANDA, Luiz Felipe (org.). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: SENAC-SP, 2000.
SILVA NETO, Antonio Leão da. Dicionário de Fotógrafos do Cinema Brasileiro. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2011.
SILVA NETO, Antônio Leão da. Dicionário de filmes brasileiros. São Paulo: Futuro Mundo Gráfica e Editora, 2002.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Tony Rabatoni. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/tony-rabatoni/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

2 comentários sobre “Tony Rabatoni (1927-1995)

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.