fbpx

Treze Cadeiras (1957)

Sinopse

Um barbeiro de uma pequena cidade do interior é avisado de que sua tia deixara, ao morrer, uma grande residência no Rio de Janeiro. Lá chegando, vê que sua herança se resume apenas em treze cadeiras. Desanimado e sem dinheiro, o provinciano resolve vender as cadeiras na primeira casa de móveis que encontra. No dia seguinte, entretanto descobre que a tia lhe deixara um milhão de cruzeiros, escondidos no estofamento de uma das cadeiras. Ele e sua sócia começam então a busca desesperada das treze cadeiras, já dispersas, pois foram vendidas a donos diferentes. Com os endereços das pessoas que as adquiriram, os dois herdeiros procuram todas as cadeiras, até que, finalmente, justamente na última é que percebem estar o dinheiro. Mas, por engano, a cadeira vai parar num orfanato, onde o dinheiro é recebido com a maior alegria. O pobre barbeiro não se sente com coragem para reclamar sua herança e parte de volta para sua terra, conformado com a sorte de quase ter sido um milionário.

Elenco

Oscarito …. Bonifácio Boaventura
Renata Fronzi …. Ivone
Zé Trindade
Elias, Oswaldo
Macedo, Zezé
Sandrini, Rosa
Grijó Sobrinho
Moreno, Francisco
Ruas, Jesus
Ruas, Alfredo
Dalila
Morais, Duarte de
Rodrigues, Benito
Rodrigues, Alzira
Beinisch, Marisa Macedo
Maurício Sherman
Coro dos Canarinhos
Monsueto e sua escola samba

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Treze Cadeiras (1957) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Francisco Eichhorn
Roteiro: Cajado Filho
Estória Baseada no romance Treze cadeiras, de Ilia Ilf e E. Petrov
Assistência de direção: Cherques, Sanin
Continuidade: Lester, Arlete
Direção de produção: Martinelli, Guido
Direção de fotografia: Eichhorn, Edgard
Câmera: Gonçalves, Antônio
Sonografia: Viana, Aloísio
Operador de microfone: Gomes, Antônio
Montagem: Noya, Waldemar
Cenografia: Cajado Filho
Contra-regra/acessórios de cenografia: Silva, Vinícius
Arranjos musicais: Gnatalli, Alexandre
Companhia Produtora: Atlântida Empresa Cinematográfica do Brasil S.A.
Companhia Distribuidora: U.C.B. – União Cinematográfica Brasileira S.A.

Dados adicionais de música
Regente Maestro: Frei Beto

Prêmios

Prêmio Governador do Estado de 1957 de Melhor Diretor.

Bibliografia

Fontes utilizadas:
AV/ICB
CENS/I
SA/EMP
ACPJ/I
ALSN/DFB-LM

Fontes consultadas:
JN/Imigrantes – Alemães I
JN/Imigrantes – Espanhóis II

Livros:

BALADI, Mauro. Dicionário de Cinema Brasileiro: filmes de longa-metragem produzidos entre 1909 e 2012. São Paulo: Martins Fortes, 2013.
ILF, Ilia; PETROV, E.. Treze cadeiras. : , .

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/treze-cadeiras/

Observações:
SA/EMP informa que Frei Beto rege o Coro dos Canarinhos e indica que o filme foi baseado no romance Treze Cadeiras, de Ilia Ilf e E. Petrov, que teve versões cinematográficas russas, americanas e européias, porém AV/ICB indica que o argumento foi baseado no filme alemão homônimo, além do romance citado.
ACPJ/I acrescenta: como assistente de câmera; como assistente de sonografia; e no elenco , , e a Escola de samba de Frei Leto.
LFM/DCB informa que nas produções brasileiras Franz Eichhorn assinava como Francisco Eichhorn.

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.