fbpx

Um Morto ao Telefone (1963)

A história começa com um enterro. A família de Marcelo, sua noiva Lúcia e três homens suspeitos são os únicos acompanhantes do féretro. Após tudo terminado, os três homem tentam abrir o túmulo de Marcelo. À noite, em casa, D. Rosa, Ricardo e Lúcia constatam algo estranho: o quarto de Marcelo foi inteiramente revirado. De repente, o telefone toca. D. Rosa atende e ouve a voz do filho que havia morrido. O choque é forte demais para a pobre senhora, que morre de síncope. Para compreender esses sinistros acontecimentos, temos que nos reportar a três dias antes. Na Bahia, Marcelo travara conhecimento com Helena, uma cantora de cabaré, e passara a noite com ela. Na manhã seguinte, Marcelo decide partir para o Rio e Helena quer ir também, para isso trocando a passagem de Marcelo com a de um industrial prestes a viajar. Mas ela esquece o isqueiro de Marcelo na mesa e o industrial leva-o consigo. Naquele mesmo dia, o rádio anuncia um desastre ocorrido com o avião que seguia para o Rio, onde todos pereceram. Marcelo acha melhor permanecer como morto, pois tinha consigo uma fortuna em diamantes contrabandeados, que teria de entregar aos outros membros da quadrilha que o esperavam no Rio. Aconselhado por Helena, começa a esconder-se, esperando o momento propício de ambos fugirem para a Europa. Mas o destino prepara as coisas de maneira bem diferente, reservando para os dois um fim inesperado.

Elenco

Eliana (Helena)
Loureiro, Oswaldo (Marcelo)
Fomm, Joana (Lúcia)
Magalhães, Jurema (Rosa)
Miranda, Geraldo (Ricardo)
Pereira, Zeni (Empregada)
Policena, José (Contrabandista)
Fábio Sabag …. contrabandista
Átila Iório
Fredy, Humberto
Marchelli, Vicente
Santana, Eliete
Sordi, Sílvio
Martins, Manoel
Ferreira, Armando
Moreira, Virgínia
Matos, Silas
Durval, Carlos (Contrabandista)

Ficha Técnica

Por trás dos filmes, além dos atores, dos figurinos, das câmeras, da arte, do som e de outros elementos mais facilmente perceptíveis na construção qualquer longa metragem, há também um verdadeiro exército de profissionais dedicados a viabilizar cada detalhe do intrincado quebra-cabeça artístico, operacional, logístico e financeiro da produção audiovisual.

Veja logo abaixo a equipe técnica de Um Morto ao Telefone (1963) que o portal História do Cinema Brasileiro pesquisou e agora disponibiliza aqui para você:

Direção: Watson Macedo
Argumento: Castro, Alberto de
Roteiro: Watson Macedo e Porto, Ismar
Produção: Watson Macedo
Gerente de produção: Machado, Roberto
Assistência de direção: Miranda, Geraldo
Continuidade: Lester, Arlete
Direção de fotografia: Ugo Lombardi
Câmera: Viana, Afonso
Eletricista: Alves, Osvaldo
Direção de som: Viana, Alberto
Montagem: Watson Macedo
Cenografia: Watson Macedo
Música: Moraes, Vinícius de; Powell, Baden; Barros, Raul de
Companhia Produtora: Watson Macedo Produções Cinematográficas
Companhia Distribuidora: Cinedistri – Companhia Produtora e Distribuidora de Filmes Nacionais

Canção
Autor da canção: Severino Filho

Prêmios

Melhor Filme; Melhor Diretor; Melhor Ator para Loureiro, Osvaldo; Melhor Atriz para Macedo, Eliana; Menção Honrosa para Fomm, Joana; Troféu Dedo de Deus no Festival de Teresópolis, 1, 1964, RJ..
Quarto Prêmio no Prêmios de Cinema do IV Centenário, 1965, RJ.

Bibliografia

Fontes utilizadas:
CB/Em Memória
CB/BASE DOC
FCB/FF

Fontes consultadas:
ACPJ/I
RB/AN64
RB/AN65

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Um Morto ao Telefone. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/um-morto-ao-telefone/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.