fbpx

Vanusa (1947-2020)

Vanusa Santos Flores, em arte conhecida como Vanusa, foi uma cantora e atriz brasileira nascida em Cruzeiro (SP) no dia 22 de setembro de 1947.

Apesar ser natural da pequena cidade de Cruzeiro (SP), foi criada na cidade de Frutal (MG).

Estreou como cantora aos 16 anos, no conjunto vocal Golden Lions. Convidada para morar em São Paulo, foi lançada como rival comercial da cantora Wanderléa e ganhou participação fixa no programa O Bom, comandado por Eduardo Araújo, na TV Excelsior. Seu primeiro sucesso foi Pra Nunca Mais Chorar, título do seu primeiro LP, gravado em 1968. Na década de 1970, continuou em evidência, com os sucessos Manhãs de Setembro e Sonhos de Palhaço.

Em 1969, participou do filme Pobre Príncipe Encantado, ao lado de Wanderley Cardoso.

Com grande talento e carisma, representou o Brasil em vários festivais internacionais e recebeu cerca de 200 prêmios. O sucesso a levou para a televisão, onde participou das novelas Cinderela 77 (1977), na qual foi a protagonista; Marrom-Glacê (1979) e O Amor é Nosso (1981). Por dois anos seguidos foi eleita a Rainha da Televisão.

Também participou, com sucesso, dos programas Qual é a Música? e Aquarela Brasileira.

Foi casada com o cantor Antonio Marcos, com quem teve duas filhas, Amanda e Aretha, e com o diretor Augusto César Vanucci, com quem teve um filho, Rafael Vanucci.

Nos anos 1980/1990, sua carreira declinou, tendo participações esporádicas em alguns programas de televisão, mas continuou sendo uma grande estrela brasileira.

Em 1997, publicou sua autobiografia: Vanusa – A Vida Não Pode Ser Só Isso!, pela Editora Saraiva.

Em 1999, depois de cinco anos sem gravar e apresentando-se apenas eventualmente, Vanusa estreou no Teatro Santa Catarina, em São Paulo (SP), o musical Ninguém é Loira por Acaso, escrito e produzido pela jornalista Léa Penteado, de quem era amiga desde os anos 70. Neste musical autobiográfico, além dos seus sucessos, ela estimulava as mulheres a não abdicar dos seus sonhos.

Em 2015, lançou seu primeiro álbum de canções inéditas em 20 anos: Vanusa Santos Flores, produzido por Zeca Baleiro.

Nos últimos anos de vida, a cantora sofria de depressão e ficou muito debilitada devido a problemas gerados pelo excesso de uso de medicamentos de tarja preta. De agosto a setembro de 2020, esteve internada no Complexo Hospitalar dos Estivadores, na cidade de Santos (SP).

Vanusa faleceu na madrugada do dia 08 de novembro de 2020, em um asilo em Santos, onde estava morando há mais de dois anos. Por meio de nota, a assessoria de imprensa da artista disse que um enfermeiro percebeu que Vanusa estava sem batimentos cardíacos por volta das 5h30 da manhã. Chamaram uma unidade móvel de pronto atendimento (UPA) que constatou insuficiência respiratória como a causa da morte.

Livros:

SCHILLER, João Henrique. Vanusa: Ninguém é mulher impunemente. São Paulo: Madras Editora, .
SCHILLER, João Henrique; CHALITA, Gabriel; BOTELHO, Joaquim Maria. Vanusa: A Vida Não Pode Ser Só Isso!. São Paulo: Editora Saraiva, 1997.
SILVA NETO, Antonio Leão da. Astros e estrelas do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Internet:

HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO. Vanusa. Disponível no endereço: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/vanusa/
JB. Cantora Vanusa morre aos 73 anos. Disponível no endereço: https://www.jb.com.br/pais/obituario/2020/11/1026449-cantora-vanusa-morre-aos-73-anos.html

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

2 comentários sobre “Vanusa (1947-2020)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.