fbpx

Vitrine Filmes

Empresa

Fundada por Silvia Cruz em 2010, a Vitrine Filmes é uma empresa que se dedica à distribuição e à produção de filmes brasileiros, investindo, assim, no crescimento e na valorização do cinema nacional.

Ao longo de sua história, a empresa foi responsável por grandes lançamentos, como o de O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho, vencedor de diversos prêmios no Brasil e no mundo, incluindo Festival de Gramado, Festival do Rio e Mostra de Cinema de São Paulo. O filme atingiu mais de 95 mil espectadores, foi o indicado brasileiro ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro; Frances Ha, de Noah Baumbach, filme de co-produção brasileira e norte-americana que teve a atriz principal, Greta Gerwig, concorrendo ao Globo de Ouro de Melhor Atriz e o O Abismo Prateado, de Karim Aïnouz. O longa, que é inspirado na canção Olhos nos Olhos, de Chico Buarque, teve sua estreia na Quinzena dos Realizadores em Cannes e conta com Alessandra Negrine como protagonista.

Em 2010, a Vitrine Filmes lançou Meu mundo em perigo, longa-metragem do elogiado cineasta José Eduardo Belmonte, premiado no Festival de Brasília. Ainda no seu primeiro ano de atuação, distribuiu, entre outros, o premiado documentário Terras, de Maya Da-Rin, que participou de diversos festivais, como o de Locarno (Itália) e o de Guadalajara (México). Neste momento, Terras está sendo distribuído na Colômbia, no Peru e na Guiana Francesa.

No ano de 2011, a empresa fez a distribuição dos longas Além da Estrada, de Charlie Braun, vencedor do prêmio de direção no Festival do Rio 2010; 2012 – Tempo de Mudança, de João Amorim; e O Homem Mau Dorme Bem, de Geraldo Moraes. Durante o ano, a distribuidora criou e consolidou o projeto de distribuição coletiva Sessão Vitrine, que lançou 12 filmes brasileiros em mais de dez capitais. Alguns dos filmes foram Estrada Para Ythaca, Os Monstros, Os Residentes e Um Lugar ao Sol. O projeto foi finalista do prêmio IBAC-Escola da Cidade e do Prêmio Faz Diferença, do jornal O Globo, e foi eleito o melhor evento cinematográfico do ano de 2011, pela Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro.

O projeto teve continuidade em 2013, quando a distribuidora lançou mais 12 filmes dentro da Sessão, incluindo Doméstica, de Gabriel Mascaro, lançado dia primeiro de maio, concomitante a assinatura da PEC das empregadas domésticas e Eles Voltam, de Marcelo Lordello, vencedor do Festival de Brasilia.

Com a iniciativa de expandir e diversificar o catalogo, a Vitrine Filmes, lançou títulos internacionais, como “La Vida Útil – Um Conto de Cinema”, filme uruguaio de Federico Veiroj; “Las Acacias”, de Pablo Alfredo Giorgelli, um road-movie argentino que ganhou o prêmio Camera d`Or (Câmera de Ouro) para melhor diretor estreante no Festival de Cannes e “The Rover – A Caçada”, de Danvid Michôd, um cult pós apocaliptico estrelado por Robert Pattinson e Guy Pearce, filmado no Outback Australiano. Além do já citado “Frances Ha”. Como também, a Vitrine iniciou parceria com a distribuidora Esfera Filmes, ampliando ainda mais seu catálogo de filmes internacionais. “Era Uma Vez em Tóquio”, do renomado diretor Yasujiro Ozu e eleito o melhor filme de todos os tempos pela BFI e “Uma Família em Tóquio”, longa do premiado cineasta japonês Yoji Yamada estão entre eles. Além desses, Prenda-me, filme francês de Jean-Paul Lilienfeld e com atuações de Sophie Marceau e Miou-Miou; “Pelo Malo”, filme venezuelano de Mariana Rondon; e “Cortinas Fechadas”, filme iraniano de Jafar Panahi e Kamboziya Partovi que teve sua estreia mundial no Brasil e que recebeu Urso de Prata no Festival de Berlim estão entre os mais de 25 filmes distribuídos em parceria com a Esfera Filmes.

Em 2014, a Vitrine Filmes lançou “Eu não faço a menor ideia do que eu to fazendo com a minha vida”, de Matheus Souza; “Quando Eu Era Vivo”, longa protagonizado por Antônio Fagundes, Marat Descartes, Sandy Leah; “Eles Voltam”, filme pernambucano de Marcelo Lordello vencedor do Festival de Brasília de 2012, levando os prêmios de Melhor Atriz, para Maria Luiza Tavares, Melhor Filme pelo júri oficial e Melhor Filme pelo Júri da Crítica – Abraccine; “Olho Nu”, documentário de Joel Pizzini inspirado em Ney Matogrosso; e “Avanti Popolo”, de Michael Wahrmann. No mesmo ano, a Vitrine Filmes lançou Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, dirigido por Daniel Ribeiro e inspirado no curta anterior Eu Não Quero Voltar Sozinho. O filme ganhou o Urso de Cristal no 58º Festival Internacional de Cinema de Berlim, e foi o brasileiro indicado ao Oscar em 2014, além de conquistar diversas outras premiações. O longa fez um excelente caminho nas telas de cinemas, sendo o maior sucesso de público da distribuidora, ultrapassando os 200.000 expectadores e ainda em 2015, continua sendo exibido.

Em 2015, a distribuidora lançou 13 títulos, dentre eles Branco Sai, Preto Fica, dirigido por Adirley Queiroz, uma ficção cientifica passada na Ceilância e vencedora do Festival de Brasília. Beira-Mar, dirigido por Filipe Matzembacher e Marcio Reolon, o longa aborda de forma intima e sensível a passagem da adolescência para a vida adulta, teve sua estreia mundial no Festival de Berlim. Mistress America, dirigido pelo prestigiado Noah Baumbach e Califórnia, ficção estreante de Marina Person.

Em 2016, a lançou o premiado mundialmente Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba, e Mais Forte que Bombas​, do diretor Joachim Trier, com Isabelle Huppert, Gabriel Byrne e Jesse Eisenberg, que concorreu ao prêmio principal em Cannes 2015. Para o segundo semestre a Vitrine Filmes lançou o Mãe Só Há Uma, de Anna Muylaert, vencedor do prêmio Teddy Awards no Festival de Berlim; Aquarius, de Kleber Mendonça, concorrente a Palma de Ouro em Cannes 2016​; além do longa Cinema Novo​, vencedor do Olho de Ouro em Cannes 2016.

No ano de 2018, a Vitrine Filmes lançou no mercado o longa Zama, o quarto filme de Lucrecia Martel, um dos maiores nomes do cinema contemporâneo; a cinebiografia Uma Noite de 12 Anos, de Álvaro Brechner, sobre o encarceramento de Pepe Mujica; e o documentário O Processo, de Maria Augusta Ramos, que lança um olhar sobre o impeachment de Dilma Rousseff. Além disso, a distribuidora lançou Benzinho, de Gustavo Pizzi, filme que foi grande destaque no Festival de Gramado e no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro.

Em 2019, foi responsável pelo lançamento no Brasil de Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, filme que conquistou o prêmio do Júri no Festival de Cannes e um público acumulado de mais de 730 mil espectadores nos cinemas brasileiros. Em parceria com a Sony Pictures BR, a Vitrine Filmes lançou A Vida Invisível, de Karim Aïnouz, longa ganhador o prêmio Um Certo Olhar no Festival de Cannes e escolhido para representar o Brasil no Oscar 2020. Outros lançamentos deste ano foram a distopia religiosa de Gabriel Mascaro, Divino Amor e o vencedor do prêmio de melhor documentário no Festival de Chicago, Estou Me Guardando para Quando o Carnaval Chegar, de Marcelo Gomes. No ano de 2019, a Vitrine levou mais de 1 milhão de brasileiros aos cinemas, consolidando sua importância no cinema nacional.

No ano de 2020, espera-se que diversidade seja ainda maior na curadoria da Vitrine Filmes. Logo em janeiro, a distribuidora lançou “O Farol”, de Robert Eggers, trama protagonizada por Willem Dafoe e Robert Pattinson e tem em seu line up outro gigante do cinema mundial, “Você Não Estava Aqui”, do aclamado Ken Loach. Além disso, trará o melhor do cinema nacional com “Três Verões”, dirigido por Sandra Kogut e estrelado por Regina Casé e “A Febre”, o já premiadíssimo longa de Maya Da-Rin.

Filmografia

2017 :: Pela Janela
2016 :: Mulher do Pai, de Cristiane Oliveira
2016 :: Divinas Divas, de Leandra Leal
2016 :: O Filme da minha vida, de Selton Mello
20 :: Vermelho Russo, de Charly Braun
20 :: O Ornitólogo, de João Pedro Rodrigues
20 :: Jonas e o Circo Sem Lona, de Paula Gomes
20 :: Waiting For B., de Abigail Spindel e Paulo Cesar Toledo
20 :: A Cidade Onde Envelheço, de Marília Rocha
Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
Califórnia, de Marina Person
A Vida Privada dos Hipopótamos, de Maíra Bühler e Matias Mariani
Ventos de Agosto, de Gabriel Mascaro
Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, de Daniel Ribeiro
Avanti Popolo, de Michael Wahrmann
Quando Eu Era Vivo, de Marco Dutra
Olho Nu, de Joel Pizzini
Doméstica, de Gabriel Mascaro
As Hiper Mulheres, de Carlos Fausto, Leonardo Sette e Takumã Kuikuro
Nove Crônicas para um Coração aos Berros, de Gustavo Galvão
Eu não Faço a Menor Ideia do que eu to Fazendo com a Minha Vida, de Matheus Souza
Além da Estrada, de Charly Braun
Doce Amianto, de Guto Parente e Uirá dos Reis.

Bibliografia

Fontes de Referência

Bianca Pulice
VITRINE FILMES. http://www.vitrinefilmes.com.br/

R. Lisboa, 496 – Jardim Paulista, São Paulo – SP, 05413-000
Tel: (11) 3081.0968 ou (11) 3455.8039

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

20 comentários sobre “Vitrine Filmes

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.