fbpx

Yuri Amaral

Yuri Amaral é um montador brasileiro. Formou-se em Audiovisual na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, com ênfase em Direção e Montagem, orientado pela montadora Vânia Debs.

Seu primeiro curta, Eletrotorpe (2009) recebeu inúmeros prêmios em festivais brasileiros. Em 2010, ajudou a fundar a produtora PRETA PORTÊ FILMES e montou filmes como Cores e Botas, de Juliana Vicente. Em 2012, firma sua carreira como montador de documentários, com foco na experimentação de linguagens, trabalhando com a diretora Marcela Lordy em Ouvir o Rio: Uma escultura sonora de Cildo Meireles, com Juliana Vicente em Leva, e com Renê Guerra, em Quem Tem Medo de Cris Negão?.

Em 2013, estreou seu curta The Best of Lambada na Mostra de Cinema de Tiradentes. Também produziu La Ultima Frontera, com o qual recebeu prêmios no Curta Cinema e no Kinoforum. Em 2014 montou para o DocTV Latinoamérica o documentário Guataha, de Clarissa Knoll e o longa de ficção ANNA K., de José Roberto Aguilar, onde também trabalhou como Diretor Assistente. Trabalhou também na montagem e finalização do documentário Sem Pena, de Eugenio Puppo, premiado Melhor Filme pelo Júri Popular do 47º Festival de Brasília; finalizou Homem Comum e Eduardo Coutinho 7 de Outubro, de Carlos Nader. Em 2015 montou o documentário A Paixão de JL, também de Carlos Nader, com o qual ganhou o festival É Tudo Verdade 2015, o Mix Brasil, além do Prêmio Especial do Júri no 37º Festival Internacional do Novo Cinema Latino-Americano de Havana.

Em 2017, montou Meu Corpo é Político, documentário de Alice Riff, que teve estreia no Visions du Reel, e ganhou o prêmio de melhor filme brasileiro no 6º Olhar de Cinema, Festival Internacional de Cinema de Curitiba.

Filmografia

Bibliografia

Internet:

Yuri Amaral. https://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/yuri-amaral/

História do Cinema Brasileiro

História do Cinema Brasileiro

Qualquer interesse de envio de textos, dúvidas, opiniões, sugestões, acréscimos de conteúdo, relato de erros ou omissão de informações publicadas, entre em contato com a Coordenação Geral do História do Cinema Brasileiro pelo seguinte email: [email protected]

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.